Principal / A PIRÂMIDE DO APOCALIPSE / OS NEPHILIM E A PIRÂMIDE DO APOCALIPSE: Depois do Dilúvio – Parte 4

OS NEPHILIM E A PIRÂMIDE DO APOCALIPSE: Depois do Dilúvio – Parte 4

4

DEPOIS DO DILÚVIO

Agora saltemos à frente no tempo, 436 anos depois do Dilúvio, para encontrarmos referência a esses gigantes. Aqui, Abraão entra na história. Com Sara, sua esposa, ele regressa de sua temporada no Egito. A esse tempo, segundo somos informados, várias tribos diferentes desse povo estão habitando na terra dos cananeus e adotaram diferentes nomes em atenção a seus vários antepassados (ver Figura 4). Lemos em Gênesis 14:5: E no décimo quarto ano chegou Codorlaomor e os reis que estavam com ele e derrotaram os rafaim  em Asterote-Carnaim, e os zuzim em Ham e os emim na planície de Cariataim. Os rafaim eram descendentes de um certo Rapha, que em hebraico significa “temível; gigante”. Observamos que eles são mencionados em Deuteronômio, capítulo 2, juntamente com outro ramo desses gigantes conhecidos como enacim .

Passamos, pois … viramo-nos e seguimos o caminho do deserto de Moabe. Os emim, dantes, habitavam nela, povo grande, numeroso e alto como os enacim; também eles foram considerados rafaim como os enacim; e os moabitas lhes chamam emim.

Deuteronôm io 2:8, 10, 11

Em hebraico, em im significa “os terríveis”, e os enacim descendiam de um certo Enac que, traduzido, significa “de pescoço longo; gigante” . Enac era filho de Arba, que em hebraico significa “a força de Baal”. Arba era um dos “filhos de Het”. Sete anos antes da construção de Zoã no Egito (Gênesis 23:2, 3) ele construiu Hebrom, que passou dali em diante a ser chamada Q uiriate-Arba, cujo significado é cidade de Arba. Enac, seu filho, teve três distintos descendentes, nos dias de Moisés e Josué, que eram gigantes. Os nomes deles eram Aimã, Sesai e Tolmai e moravam em Hebrom cerca de 1.490 a.C.


Neste ponto eu gostaria de abordar a história de Moisés e Josué. Depois do Êxodo do Egito, os filhos de Israel, conduzidos por Moisés, perambularam no deserto durante 40 anos. Finalmente, estavam preparados para entrar na Terra Prometida, que havia sido dada a Abraão, e dela tomar posse. Antes de invadi-la, Moisés enviou 12 espias para observar a terra e o povo. O registro encontra-se no Livro dos Números: Moisés os enviou para explorar a terra de Canaã:

“Subi ao Neguebe, e em seguida escalai a montanha. Vede como é a terra; como é o povo que a habita, forte ou fraco, escasso ou numeroso; como é a terra por ele habitada, boa ou má; como são as cidades por ele habitadas, campos ou fortalezas. Sede corajosos. Trazei produtos da terra.” Era a época das primeiras uvas. Subiram eles para explorar a terra, desde o deserto do Zim até Reobe, à entrada de Hamate. E subiram pelo Neguebe e vieram até Hebrom; estavam ali Aimã, Sesai e Talmai, filhos de Enac. Hebrom foi edificada sete anos antes de Zoã, no Egito. Depois, vieram até ao vale de Escol e dali cortaram um ramo de vide com um cacho de uvas, o qual trouxeram dois homens numa vara, como também romãs e figos… Ao cabo de quarenta dias, voltaram da exploração da terra, caminharam e vieram a Moisés, e a Aarão, e a toda a congregação dos filhos de Israel… e mostraram-lhes os frutos da terra. ”
Relataram-lhes o seguinte:

”Fomos à terra a que nos enviaste, e verdadeiramente, mana leite e mel; este é o fruto dela. O povo, porém, que habita nessa terra é poderoso, e as cidades, mui grandes e fortificadas; também vimos ali os filhos de Enac. Então, Calebe acalmou o povo reunido diante de Moisés: “Devemos marchar, disse ele, e conquistar essa terra: realmente podemos fazer isso.” Os homens que o haviam acompanhado disseram: “Não podemos marchar contra esse povo, visto que é mais forte do que nós.” E puseram-se a difamar diante dos filhos de Israel a terra que haviam explorado: “A terra que fomos explorar é terra que devora os seus habitantes. Todos aqueles que lá vimos são homens de grande estatura. Lá também vimos gigantes (Nephilim ), os filhos de Enac, descendência de gigantes (Nephilim ). Tínhamos a impressão de sermos gafanhotos diante deles e assim também lhes parecíamos.”

Livro dos N úmeros 13:17-33

Doze espias foram enviados. Desses, dez informaram que não havia como tomarem essa terra, pois estava repleta de gigantes, descendentes de Enac e muitos outros indivíduos bem grandes. Apenas dois homens dentre os doze, Josué e Calebe, acreditavam que poderiam derrotar esses povos possantes. Mas os filhos de Israel deram ouvidos aos outros dez e, em consequência, queriam apedrejar Moisés e Aarão e Josué e Calebe e voltar ao cativeiro no Egito. Posteriormente, entretanto, sob a liderança de
Josué, os israelitas de fato invadiram essa terra e derrotaram os gigantes que ali habitavam. Um detalhe interessante na passagem narrada em Números é a referência ao cacho de uvas que os exploradores apanharam e trouxeram a fim de ressaltar a riqueza da terra. Foram necessários dois dos espias para carregar apenas um cacho de uvas numa vara. Era um cacho de uvas muito pesado. Estariam esses gigantes, descendentes de homens-espírito (filhos de Deus; anjos) e de mulheres humanas praticando engenharia genética ou modificação genética? Por serem descendentes desses homens-espírito, seriam sobre-humanos e sobrenaturais. Teriam poderes e conhecimento superiores àqueles dos homens comuns. Pessoas grandes necessitam de alimentos de maior volume. Se dois homens israelitas fortes e fisicamente capazes carregaram um só cacho de uvas numa vara apoiada em seus ombros, é porque ele deveria ser extremamente pesado. Mais tarde revelaremos outros indícios que insinuariam que esses N ephilim de fato praticavam engenharia genética. Anteriormente neste capítulo, observamos em Deuteronômio referência a vários ramos desses Nephilim conhecidos como em im e enacim . Mais à frente, no mesmo registro, somos informados da existência de outras tribos aparentadas com essas monstruosidades:

”Hoje, passarás por Ar, pelos termos de Moabe, e chegarás até defronte dos filhos de Amon; não os ataques e não os provoques, pois nada te darei da terra dos filhos de Amon para possuir; foi aos filhos de Ló que eu a dei como propriedade. Era também considerada como terra dos rafaim (de gigantes); outrora os rafaim a habitavam, sendo que os amonitas os chamavam de zomzomim. Povo grande, numeroso, e alto como os Enacim; mas o Senhor os destruiu… Como destruiu os horeus diante deles… E os Avim que habitavam em Haserim.’

Deuteronôm io 2:18-23

Os horeus, os zom zom im e os avim são aparentados com os Nephilim , descendem deles, e foram destruídos e expulsos por Josué e os filhos de Israel quando estes tomaram posse da terra. Em hebraico, horeu é troglodita, que significa homem das cavernas, aquele que habita em caverna. Os horeus habitavam o monte Seir e eram aparentados com os em im e os rafaim . Suas habitações escavadas ainda podem ser encontradas nos penhascos de arenito e nas montanhas da Idumeia, mas especialmente em Petra. Em hebraico, zomzomim significa “po

deroso, vigoroso”; e esse povo também era aparentado com os rafaim e habitava a região posteriormente ocupada pelos am onitas, também chamados zozim , cujo significado é “proeminente, forte, gigante”. E por último, os israelitas derrotaram Og, rei de Basã.
Nesse tempo, tomamos todas as suas cidades; nenhuma cidade houve que lhe não tomássemos: sessenta cidades, toda a região de Argobe, o reino de Og em Basã. Todas estas cidades eram fortificadas com altos muros, portas e ferrolhos; tomamos também muitas outras cidades, que eram sem muro… Porque só Og, rei de Basã, restou dos rafaim; seu leito é o leito de ferro que tem nove côvados de comprimento e quatro côvados de largura, em côvado comum. Deuteronômio 3:4,5,11 Assim, aqui ficamos sabendo da completa destruição de todas as tribos de gigantes aparentados que haviam ocupado essa terra durante um certo período. Nessa última passagem temos mais uma sólida prova do tamanho enorme dessa gente onde se faz referência às medidas da cama do rei Og. Se dermos ao cúbito hebraico 25,025 polegadas (63,5 centímetros), verificamos que a cama de Og tinha 5,70 x 2,54 m. Prova adicional de que essas pessoas eram de fato gigantes na terra (ver Figura 5).

Quase todos esses povos monstruosos foram derrotados pelos israelitas sob a liderança de Josué nessa época. Mas alguns remanescentes subsistiram, conforme o atesta o Livro de Josué:

”Naquele tempo, veio Josué e eliminou os Enacim da região montanhosa, de Hebrom, de Debir … Nem um dos enacim sobreviveu na terra dos filhos de Israel; somente em Gaza, em Gate e em Asdode alguns subsistiram.”

Josué 11:21, 22

Iniciamos este capítulo mostrando que, na época em que Abraão viajou através de Canaã, esses povos gigantes já habitavam a região. Ou seja, por volta de 1.912 a.C., mais ou menos 436 anos depois do Dilúvio de Noé. Como eles já existiam
em grande número, podemos pressupor que tinham começado a se multiplicar em algum momento no decorrer desses 400 anos. De maneira que houve uma segunda investida de seres sobrenaturais “caídos” que tinham procriado com mulheres durante esse período para produzir essas tribos de gigantes. Quando Moisés e Josué chegaram ao local e derrotaram esses seres enormes, mais 461 anos haviam passado, o que nos leva ao ano 1.451 a.C. De modo que esses seres sobrenaturais tiveram todo esse tempo para multiplicar-se e fazer crescer sua população. Tivemos os em im , uma tribo de estatura gigante que habitava ao leste do Mar Morto. Em tempos antigos, toda a terra de Canaã era dominada por essa tribo de gigantes. Os rafaim habitavam no norte. A seguir, os zozim , depois os em im , com os horeus no sul. Posteriormente, o reino de Basã abrangia os territórios dos rafaim ; o dos amonitas, o território dos zozim ; os moabitas, o dos em im ; e Edom abrangia as montanhas dos horeus. Os Emim eram aparentados com os enacim e eram, geralmente, chamados pelo mesmo nome, mas os moabitas referiam-se a eles como os “gigantes” ou os “terríveis” 2 7 (ver Figura 4). Agora chegamos ao ano 974 a.C. e deparamos com um menino de 16 anos de nome Davi. Mais 477 anos se passaram desde que Josué entrou na Terra Prometida e destruiu todos os gigantes. Isto é, todos menos alguns remanescentes em Gaza, Gate e Asdode. Retomamos a história em 1 Samuel 17:2.

”Porém Saul e os homens de Israel se ajuntaram e acamparam no vale de Elá, e ali ordenaram a batalha contra os filisteus. 4.Então, saiu do campo do arraial dos filisteus um homem guerreiro, cujo nome era Golias, de Gate, da altura de seis côvados e um palmo. 5.Trazia na cabeça um capacete de bronze e vestia uma couraça de escamas cujo peso era de cinco mil siclos de bronze. 6.Trazia caneleiras de bronze nas pernas e um escudo de bronze entre os ombros. 7.A haste da sua lança era como uma travessa de tear, e a ponta da sua lança pesava seiscentos siclos de ferro; e diante dele ia o escudeiro. 8.Parou, clamou às tropas de Israel e disse-lhes: “Para que saís, formando-vos em linha de batalha? Não sou eu filisteu, e vós, servos de Saul? Escolhei dentre vós um homem que desça contra mim. 9.Se ele puder pelejar comigo e me ferir, seremos vossos servos; porém, se eu o vencer e o ferir, sereis nossos servos e nos servireis.” 11. Ouvindo Saul e todo o Israel estas palavras do filisteu, espantaram-se e temeram muito. 12. Davi era filho daquele efrateu de Belém de Judá, cujo nome era Jessé, que tinha oito filhos. 16. Chegava-se, pois, o filisteu pela manhã e à tarde, e apresentou-se por quarenta dias. 26. Então, falou Davi aos homens que estavam consigo, dizendo: “Que farão àquele homem que ferir a este filisteu e tirar a afronta de sobre Israel? Quem é, pois, esse incircunciso filisteu, para afrontar os exércitos do Deus vivo?”
32. Davi disse a Saul: “Não desfaleça o coração de ninguém por causa dele; teu servo irá e pelejará contra o filisteu.” 33. Porém Saul disse a Davi: “Contra o filisteu não poderás ir para pelejar com ele; pois tu és ainda moço, e ele, guerreiro desde a sua mocidade.” 34. Respondeu Davi a Saul: “Teu servo apascentava as ovelhas de seu pai, quando veio um leão ou um urso e tomou um cordeiro do rebanho. 35. Eu saí após ele, e o feri, e livrei o cordeiro da sua boca; levantando-se ele contra mim, agarrei-o pela barba, e o feri, e matei. 36. O teu servo matou tanto o leão como o urso; este incircunciso filisteu será como um deles, porquanto afrontou os exércitos do Deus vivo. 37. Disse mais Davi: “O Senhor me livrou das garras do leão e das do urso; Ele me livrará da mão deste filisteu.” Então, disse Saul a Davi: “Vaite, e o Senhor seja contigo.” 40. Tomou o seu cajado na mão, e escolheu cinco pedras lisas do ribeiro, e as pôs no alforje de pastor, que trazia, a saber, no surrão; e lançando mão da sua funda, foi-se chegando ao filisteu. 41. O filisteu também se vinha chegando a Davi; e o seu escudeiro ia adiante dele. 42. Olhando o filisteu e vendo a Davi, o desprezou, porquanto era moço ruivo e de boa aparência.
43. Disse o filisteu a Davi: “Sou eu algum cão, para vires a mim com paus?” E, pelos seus deuses, amaldiçoou o filisteu a Davi. 44. Disse mais o filisteu a Davi: “Vem a mim, e darei a tua carne às aves do céu e às bestas-feras do campo.” 45. Davi, porém, disse ao filisteu: “Tu vens contra mim com espada, e com lança, e com escudo; eu, porém, vou contra ti em nome do Senhor dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a Quem tens afrontado. 46. Hoje mesmo, o Senhor te entregará nas minhas mãos; ferir-te-ei, tirar-te-ei a cabeça e os cadáveres do arraial dos filisteus darei, hoje mesmo, às aves dos céus e às bestas-feras da terra; e toda a terra saberá que há Deus em Israel. 47. Saberá, toda esta multidão que o Senhor salva, não com espada, nem com lança: porque o Senhor é a guerra, e Ele vos entregará nas nossas mãos.” 49. Davi meteu a mão no alforje, e tomou dali uma pedra, e com a funda lha atirou, e feriu o filisteu na testa; a pedra encravou-se-lhe na testa, e ele caiu com o rosto em terra. 50. Assim, prevaleceu Davi contra o filisteu, com uma funda e com uma pedra, e feriu, e o matou; porém não havia espada na mão de Davi. 51. Pelo que correu Davi, e, lançando-se sobre o filisteu, tomou-lhe a espada, e desembainhou-a, e o matou, cortando-lhe com ela a cabeça. Vendo os filisteus que era morto o seu herói, fugiram.”

A história de Davi contra Golias tornou-se uma metáfora de uso frequente em nossa linguagem cotidiana. Examinemos mais de perto esse relato. Golias era um paladino dos filisteus (que são atualmente os modernos palestinos). Notaremos que ele provinha de Gate, que, juntamente com Gaza e Asdode, era o local para onde haviam escapado alguns dos gigantes remanescentes que não haviam sido derrotados pelos exércitos de Josué 477 anos antes. Golias descendia desses gigantes. Era um homem grande. Sua altura era de seis côvados e um palmo, o que corresponde a pouco mais de quatro metros se dermos ao cúbito hebraico o valor de 25,025 polegadas. Não sabemos qual era o seu peso, mas deve ter sido proporcional à sua altura, uma vez que sua cota de malha pesava mais de 70 quilos aproximadamente. O peso da ponta de sua lança era de mais de seis quilos e a haste era como a travessa do tecelão. Usava seis peças de armadura ao todo, sua altura era de 6 côvados e a ponta da lança pesava 600 siclos. Por conseguinte, o número seis está estampado nele como uma marca distintiva. Davi, por outro lado, tinha entre 16 e 17 anos de idade. Era tão magricela que, quando lhe vestiram a armadura, ele não conseguia se mexer. Assim, livrou-se dela e saiu para enfrentar Golias armado apenas de um cajado de pastor e de uma funda. Optou por cinco pedras, o que é significativo, mas só precisou de uma para abater o gigante. Quando a pedra afundou na testa de Golias, ele nem se deu ao trabalho de sacar a própria espada, tal o seu desdém por esse adversário desprezível qual filhote de cão. E Davi sacou a espada de Golias e decepou-lhe a cabeça. Essa vitória de Davi foi o início de sua ascensão rumo à previsível posição de rei de Israel. Vamos agora avançar no tempo para observar mais algumas batalhas e conseguir indícios adicionais com relação aos descendentes de Rapha, que eram descendentes dos Nephilim . Primeiramente, vamos ao segundo livro de Samuel:

”De novo fizeram os filisteus, guerra contra Israel. Desceu Davi com os seus homens, e pelejaram contra os filisteus, ficando Davi muito fatigado. Isbi-Benobe descendia dos gigantes; o peso do bronze de sua lança era de trezentos siclos, e estava cingido de uma armadura nova; este intentou matar a Davi. Porém, Abisai, filho de Zeruia, socorreu-o, feriu o filisteu e o matou; então, os homens de Davi lhe juraram, dizendo: “Nunca mais sairás conosco à peleja, para que não apagues a lâmpada de Israel.” Depois disso, houve ainda em Gobe outra peleja contra os filisteus; então, Sobocai, de Husa, matou Saf, que era descendente dos gigantes. Houve ainda, em Gobe, outra peleja contra os filisteus; e Elanã, filho de Jaaré-Oregim, o belemita, feriu a Golias, o geteu, cuja lança tinha a haste como o cilindro de tear.
Houve ainda outra peleja; esta foi em Gate, onde estava um homem de grande estatura, que tinha em cada mão e em cada pé seis dedos, 24 ao todo; também este descendia dos gigantes. Quando ele injuriava a Israel, Jonatas, filho de Sarna, irmão de Davi, o feriu. Estes quatro nasceram dos gigantes em Gate; e caíram pela mão de Davi e pela mão de seus homens. 2 Samuel 21:15-22

Esse registro é corroborado no primeiro Livro das Crônicas, que acrescenta algumas outras informações:

”Depois disto, houve guerra em Gazer contra os filisteus; e Sobocai, o husatita, feriu a Safai que era descendente dos gigantes; e os filisteus foram subjugados. Houve ainda outra guerra contra os filisteus; e Elanã, filho de Jair, feriu a Lami, irmão de Golias, o geteu … Houve ainda outra guerra em Gate; havia ali um homem de grande estatura, tinha 24 dedos, seis em cada mão e seis em cada pé; também era filho dos gigantes. Quando ele injuriava a Israel, Jonatas, filho de Sarna, irmão de Davi, o feriu. Estes nasceram dos gigantes em Gate; e caíram pela mão de Davi e pela mão de seus homens. ”1 Crônicas 20:4-8

Há outras passagens não citadas que mencionam os rafaim , outro ramo dos Nephilim . Mas acredito que suficientes indícios foram estabelecidos para nos dar uma ampla descrição da existência desses gigantes e das regiões que habitavam. Para concluir, vamos sintetizar os detalhes principais deste capítulo. Vimos que um grupo de seres sobrenaturais, chamados filhos de D eus, tomaram mulheres humanas para esposas e geraram prole. O registro afirma que escolheram “esposas”, o que sugere poligamia. Os filhos que produziram eram sobre-humanos em tamanho e caráter e eram monstros de iniquidade. A primeira investida ocorreu antes do Dilúvio de Noé, que matou todas as coisas vivas na Terra, segundo o Gênesis. As palavras “e também depois disso” – isto é, depois do Dilúvio – nos dizem que houve uma segunda investida. De modo que, desde o tempo de Abraão (1.912 a.C.) até a entrada de Josué na Terra Prometida (1.451 a.C.) e até o tempo de Davi (974 a.C.), havia muitos desses gigantes na Terra. É um período de quase mil anos. Mas a Terra que aqui descrevemos era chamada Canaã. Não há, em absoluto, razão para acreditar que esses Nephilim e seus ramos aparentados não tenham se deslocado e povoado outras áreas do mundo então conhecido. Na verdade, posteriormente neste trabalho, acredito que provaremos que isso realmente aconteceu.
Vimos que esses gigantes eram conhecidos por nomes diversos, como rafaim , derivado de um certo Rapha, um que se distinguiu dentre eles. Também em im , horeus, zom zom im e avim , bem como enacim . Os rafaim , evidentemente, estavam localizados em Asterote-Carnaim, ao passo que os emim estavam na planície de Cariataim (Gênesis 14:5). Dos 12 espias enviados por Josué à Terra Prometida, dez tinham receio de invadi-la. O cacho de uvas que foi carregado por dois dos homens numa vara era tão pesado que sugere engenharia genética. Além disso, um dos gigantes morto posteriormente pelos homens de Davi tinha seis dedos em cada mão e em cada pé. Isso também não sugere modificação genética? Golias de Gate tinha pouco mais de 4 metros de altura. Seu peso pode muito bem ter sido cerca de 270 quilos, ou talvez mais, dado que sua cota de malha pesava mais de 70 quilos! Não esqueçamos Og, rei de Basã, cuja cama media 5,7 m de comprimento por 2,5 m de largura. Como você se sentiria se de manhã acordasse ao lado de um sujeito assim? A força de Og e a força do seu povo são percebidas nas 60 “cidades de gigantes de Basã”, cujas ruínas existem ainda hoje. Uma descrição pormenorizada dessas cidades encontra-se em um livro escrito pelo dr. Josias Leslie Porter e que se intitula Giant Cities of Bashan and Syria’s Holy Places (publicado em Londres em 1865). O Dilúvio ocorreu no ano de 2.348 a.C. Davi derrotou Golias em 974 a.C. Assim, por até 1.374 anos depois do Dilúvio, e até a época de Davi, esse povo de gigantes sobre-humanos perambulava pelo mundo. Mas e quanto àqueles que existiam antes do Dilúvio? O que sabemos sobre eles e o que podemos deduzir tanto da história quanto dos textos hebraicos?

Comente com seu facebook

Comentário

Veja também

OS NEPHILIM E A PIRÂMIDE DO APOCALIPSE: TESTEMUNHA DAS ESTRELAS – Parte 8

Moisés escreveu os cinco primeiros livros do Antigo Testamento, conhecidos como Pentateuco, por volta de …

6 Comentários

  1. O que penso: E se quando os velhos escritores de Genesis (talvez Moisés mesmo) estivessem tentando descrever com o entendimento que obtinham na época algo incompreensível, seria a expressão “tomara para si mulheres e tiveram relações com elas” algo como experimentos de modificações genéticas avançadas? (lembre-se do cacho de uva, as antigas civilizações avançadas, o conhecimento celeste dos caídos), levando em conta que o sentido real que queriam transmitir é a ideia de reprodução.

    Aguardo uma resposta do Apocalink…

  2. Marcelo Viana Costa

    Muito boa sua postagem. Como estudiodo das escrituras agradeço por ter esclarecido algumas dúvidas! Meus parabéns!!!!

  3. ótimo parabens deixou um gostinho de quero mais

  4. Apocalink, se o falso profeta será um apóstata,
    podemos afirmar que também será alguém que conheceu a verdadeira palavra, sendo conhecedor do evangelho ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *