Principal / NEPHILIN / SÉRIE GIGANTES NA TERRA: NEPHILINS DA EUROPA[PARTE VI- FINAL]

SÉRIE GIGANTES NA TERRA: NEPHILINS DA EUROPA[PARTE VI- FINAL]

Perguntas? Comentários? Sugestões? Publicidade? Comunicados de Imprensa? Contate-nos!

 

migos do Apocalink, chegamos ao final de nosso estudo dos gigantes na terra, onde descobrimos até agora que a nossa história antiga não é bem o que nos foi ensinado na escola – ou mesmo na escola dominical. Desde tempos muito antigos, os gigantes têm desempenhado um papel dominante na história da Terra, determinando o destino das nações, e até mesmo da própria humanidade. No entanto, nossas escolas têm reduzido o papel crítico dos gigantes ao de um conto de fadas, agregando-os ao folclore, religião, mitologia, e a tudo o mais que não cabe em sua visão estéril de mundo secular. E até a igreja, uma vez que é a campeã do sobrenatural, está cada vez mais vendida ao canto da sereia do secularismo, escolhendo Mamon em vez de Deus, a fim de evitarem ofender membros e perder lucratividade. No entanto, mesmo agora estes gigantes do passado estão ameaçando quebrar seus antigos rótulos , voltando a andar sobre a terra uma vez mais, onde a era dos gigantes reinará, pois sairão da obscuridade da história, para novamente fazerem guerra contra o céu em uma última batalha final , no auge de seu poder, antes do julgamento que já está definido, onde finalmente, os mansos herdarão a terra. É nessa época da história humana, no tempo da batalha final, no crepúsculo dos deuses, que agora chegamos. Esta é a hora em que os segredos das eras a serão revelados.
Assim, poderemos entender melhor o que está prestes a acontecer neste momento crucial da história humana, vamos rever o que aprendemos até agora nesta série, vamos resenhar os primeiros capítulos de nosso estudo para que você fique ”interado” e venha desvendar , junto conosco, o mistério dos Gigantes na Terra, que começou assim:

 

GIGANTES DO ANTIGO ORIENTE PRÓXIMO
more giants
Na Parte I desta série , vimos que os gigantes descritos em Gênesis 6(e também depois) foram o resultado de experiências genéticas por parte de um grupo de seres celestiais – geralmente conhecido como “anjos caídos” – que haviam descido do céu para a Terra para os reinos situados fora de da esfera celestial dominada por Deus. Quando este grupo de 200(No Livro de Apocalipse são 200 milhões) demônios poderosos liderados por dois demônios chamados Azazel e Semjaza desceram do céu para a Terra, eles começaram a modificar a Terra perfeita e tão bem-ordenada que Deus havia criado para atenderem aos seus próprios caprichos e desejos, apesar da advertência de Deus a eles sobre as consequências de alterarem a Sua Criação. Eles, então, procuraram criar meios adequadas para si mesmos no qual eles poderiam usar para interagirem diretamente com a Criação de Deus, pois os animais que Deus havia criado não eram meios adequadas para seres superiores, como eles . Eles, então, decidiram criar formas superiores de animais através da manipulação e “melhoria” das espécies animais existentes, criando as primeiras formas primitivas da humanidade, que precederam a nossa própria, os chamadosdinossauros. Outras experiências Nós conhecemos deste cedo, foi criado artificialmente a forma mais primitiva da humanidade, o homo  artificialisa humanidade geneticamente fabricada. Estas formas primitivas – que por nós são conhecidas hoje como o homem de Neandertal, o Homo erectus , Cro-Magnon e várias outras formas – tiveram um sucesso moderado, mas eles não estavam em harmonia com a natureza. Muitos deles eram também muito grandes, até mesmo gigantes, e exigiam uma grande quantidade de alimentos para sobreviverem. Como resultado, estas primeiras formas primitivas da humanidade destruía o mundo, devorando-o,   causando uma grande destruição na Criação de Deus no processo, e, finalmente, não eram uma espécie natural.
Deus estava descontente com a intromissão dos anjos caídos e os comportamentos perversos e violentos de sua prole gigante, então O Senhor criou sua própria forma de humanidade para substituí-los que foi projetada especificamente para estar em equilíbrio com Sua Criação. Esta nova forma de humanidade, o  homo sapiens , não era para ser um guerreiro ou sexualmente promíscuo como os gigantes que os anjos caídos haviam criado. Os Homo sapiens , Adão e Eva, foram destinados a viverem simplesmente do fruto da terra, contando unicamente com as provisões de Deus para suas necessidades diárias. Desta forma, o mais eficiente homo sapiens sobreviveria aos gigantes maus, e herdaram a Terra depois que os gigantes auto-destrutivos, eventualmente, destruíram-se.

DNA,  SERIA A ÁRVORE DA VIDA?


DNA – seria a Árvore da Vida?
 
No entanto os gigantes,  com sucesso,  tentaram a Adão e Eva para cruzarem com eles, a fim de se tornarem “grandes” como eles, abandonando o mandato de Deus de confiarem somente nEle e em vez disso seguiram os maus caminhos e dos gigantes guerreiros que estavam fora de harmonia com o Deus da Criação. Como resultado , eles comeram o “fruto” da Árvore do Conhecimento – uma metáfora para cruzamento com os gigantes maus – a semente pura genética do homo sapiens foi comprometida, e Eva deu à luz a Caim – um híbrido humano / gigante. Desta forma, o significado simbólico da Árvore da Vida e da Árvore do Conhecimento mencionada em Gênesis 3 torna-se claro: ambos as “árvores” eram um símbolo de dois diferentes tipos de DNA, onde a “Árvore do Conhecimento” Simbolizaria o homo artificialis , e a “Árvore da Vida” simbolizaria o homo sapiens . São essas duas “sementes”, como profetizado em Gênesis 3:15, que continuariam a batalha para  dominar a Terra, e continuará a fazê-lo até o fim da história humana e no início da Era Messiânica.
Felizmente Adão e Eva ainda eram geneticamente puros, assim eles foram capazes de dar à luz a outros filhos, incluindo Caim que matou Abel, e mais tarde Seth, por meio de quem a linhagem pura do homo sapiens se manifestaria. A semente de Seth e a semente de Caim, em seguida, lutaram pelo domínio sobre a Terra até que a semente de Caim, que tinha assimilado ou destruído sistematicamente a semente de Seth, seria em si destruída pelo Dilúvio, sendo que o remanescente da semente de Seth foram salvos da destruição por Deus,  na arca.
Após o dilúvio  destruir a primeira geração de gigantes malignos, ao homem foi dada uma segunda chance. Por um tempo, a humanidade seguiu as leis de Deus, mas, eventualmente, os filhos de Jafé, filho de Noé, foram tentados pelos anjos caídos, mais uma vez. Os anjos caídos usaram os filhos de Jafé como recipientes criadouros para criarem uma raça de gigantes mais uma vez, eles que existiam no mundo antes do Dilúvio, e estes gigantes logo começaram a fazer guerra aos seus vizinhos e uns com os outros. Como resultado, a maldade dos gigantes mais uma vez foi crescendo ainda mais rapidamente do que houve no mundo antes do dilúvio, Deus desacelerou seu progresso enviando os elamitas e os seus aliados para matarem os gigantes. Isso ocorreu por volta da época de Abraão, ca. 2000 aC.
Apesar desta matança ter abrandado o processo de infestação dos gigantes, os gigantes do antigo Oriente Próximo não foram completamente expulsos até que os israelitas conquistassem a terra de Canaã e exterminassem a maior parte dos gigantes maus restantes,  finalmente, alguns deles foi destruído pelo rei Davi e seus homens valentes. Israel finalmente detonou os gigantes da terra de Canaã, mas a próxima geração de gigantes ainda não havia sido totalmente derrotada, como a geração original de gigantes brancos que conquistaram não só o sul na terra de Canaã, mas em todas as quatro direções: norte, sul, leste e oeste.

 

GIGANTES NAS AMÉRICAS

A giant mystery: 18 strange giant skeletons found in Wisconsin: Sons of god; Men of renown -- Secret History -- Sott.net
Na Parte II , traçamos mais detalhadamente o ressurgimento dos gigantes no mundo após o Dilúvio. Descobrimos que o programa de melhoramento gigante havia sido reiniciado pelos anjos caídos na Ásia Central, especificamente na região do Cáucaso, de onde sua prole gigante havia saído para conquistar em  direção os quatro ventos. Foi lá, no Cáucaso, que teorizamos que um ou ambos os líderes da rebelião angelical, Azazel e Semjaza, foram presos por Deus. Eles haviam sido presos como punição não só por alterarem geneticamente a humanidade(e outras partes da Criação de Deus), mas por mostrarem aos homens como criarem armas e outras formas de tecnologia que possibilitariam a humanidade  destruir a si mesma,  Deus interveio e salvou alguns na arca. No entanto, apesar de seu poder ser limitado por sua prisão no Cáucaso,  Azazel Semjaza ainda eram poderosos o suficiente para influenciar os acontecimentos – e as pessoas.
Prometeu roubou o “fogo” do céu e o deu para a humanidade. Fogo aqui é usado como uma metáfora\alegoria para a tecnologia ou conhecimento). Prometeu, um titã dos mitos gregos, foi acorrentado nas montanhas do Cáucaso, como punição por dar este conhecimento da tecnologia a humanidade. Prometeu é provavelmente o equivalente grego de Azazel, o “Satanás” dos antigos hebreus. E é também uma alegoria comparativa a serpente da tentação no jardim do éden, onde o  conhecimento do bem e do mal foi dado ao homem. Como ”deuses sereis” foi o desejo de satanás, talvez uma referência as alterações genéticas impostas por ele à humanidade. Não esqueçamos que os anjos caídos detém o conhecimento das coisas que eles viram no céu e este conhecimento,  pelo menos parte dele, passaram aos homens.
Como filhos de Noé se espalharam e se multiplicaram sobre a face da Terra, conforme descrito no Gênesis 10 , os filhos de Jafé migraram para o norte do Monte Ararat(onde a arca estacionou), e até através do Cáucaso, onde Azazel Semjaza foram presos. Acredita-se que Azazel, Semjaza e possivelmente alguns outros anjos perversos que trouxeram a destruição para o mundo antes do Dilúvio, em seguida, começaram a seduzir os filhos de Jafé a abandonarem a Deus e ao invés disso , seguirem os seus falsos ensinamentos(ensino e demônios) . Os filhos de Jafé, e em especial, os filhos de Gomer e Magog (Gog e Magog) concordaram, e como “recompensa” por venderem as almas de seus descendentes,  foram manipulados geneticamente para serem muito maiores e mais fortes, e receberam os segredos do forjamento de metais e desenvolvimento de tecnologias de guerra que iriam ajudá-los a derrotarem os seus inimigos. Em suma, a corrupção da raça humana por anjos caídos começou mais uma vez, desta vez no Cáucaso.
Esta próxima geração de gigantes era da linhagem de Jafé, especificamente dos descendentes de Gomer e Magog, os dois filhos mais velhos de Jafé, a quem os anjos caídos haviam usado como a base genética para o seu programa de melhoramento gigante. Descendentes Gomer, os Gomerianos (aka os “cimérios”) depois entraram em conflito com os descendentes de Magogue, que mais tarde ficaram conhecidos como os “citas”. Os citas, eventualmente, levaram a oeste os cimérios da Europa Central e Oriental, onde se tornaram o “alemães”, como são conhecidos até hoje. Alguns dos descendentes de Gomer e de seus irmãos, em seguida, continuaram a migrar para o oeste, eventualmente preenchendo toda a Europa. Alguns dos descendentes de Magogue, entretanto, continuaram a migração para o leste, preencheendo a Ásia Central, China, Índia e, mais tarde migrando através do mar para conquistarem a Austrália e a Nova Zelândia. Ambos os descendentes de Gomer(Gog) e Magog continuaram migrando para o oeste e leste, respectivamente, até que finalmente encontrarem as Américas, e o controle das Américas tem regularmente mudado de mãos entre Gog e Magog desde então.

 

GIGANTES DA ÁSIA

Mysterious Look at Giant Human Skeletons from Around the World
Na Parte III , estudamos profundamente os filhos gigantes de Magogue . Descendentes de Magogue levaram os filhos de Gomer para oeste da  Europa, tornando-se assim os mestres do sul da Rússia e da Ásia Central, e iniciaram uma vingança de sangue que existe entre seus descendentes, os alemães e os russos, até este os dias de hoje. Os descendentes de Magogue, que mais tarde se tornaram os famosos  “Citas” e afins dos povos centro asiáticos, como os partos, mais tarde alargaram a sua regra para o sul e leste para a Pérsia, Índia e China, acabando por conquistarem lugares tão distantes como a Austrália, Nova Zelândia e até mesmo as  Américas.
Na Parte III, também teorizamos que os personagens misteriosos “Gog e Magog” que aparecem na literatura apocalíptica são provavelmente os mesmos que “Gomer e Magog”, o nome “Gomer” foi encurtado para “Gog” para efeito poético. Além disso, o nome de “Gog” pode estar relacionado à palavra grega Gigan , “gigante”, o uso da palavra “gog” em ambos os nomes talvez de forma subjacente, poder relacionar-se ao fato de que ambos os povos tinham estatura gigantesca. Investigamos também como os descendentes de ambos Gogue e Magogue receberam tamanho e resistência, bem como excelentes recursos tecnológicos de guerra do mesmo grupo de anjos caídos, mas os Gomerianos e Magoguianos acabaram brigando uns contra os outros. Para explicar isso, a teoria de que este conflito entre o Gomerianos e Magoguianos aconteceu devido ao fato de que os dois líderes da rebelião dos anjos contra Deus,  Azazel e  Semjaza, não estavam apenas lutando contra Deus pelo controle da Terra, mas também um contra o outro . Como tal, nós ainda teorizamos que Azazel e Semjaza e cada um tinha assumido o controle de uma das tribos de Gomer e Magogue, Azazel tomou o controle dos Gomerianos e Semjaza assumir o controle dos Magoguianos. O resultado dessa divisão foi que os dois lados dessa aliança esquizofrênica acabaram lutando não só contra Deus, mas uns contra os outros, usando o Gomerianos e Magoguianos como marionetes em seu jogo global de conquista. Se nada for feito, o Gomerianos e Magoguianos(no caso, seus descendentes)poderão, e provavelmente , eventualmente destruirem uns aos outros, talvez destruindo a Terra no processo. Isso pode ter sido exatamente o que aconteceu no mundo antes do Dilúvio.
A famosa  “Menina afegã” , é prova clara de que os Indo-Europeus influenciaram os países do sul da Ásia.
Os descendentes indo-europeus de Magog estão bem atestados na literatura dos antigos persas e indianos como sendo altos, loiros, conquistadores sanguinários conhecidos por utilizarem o carro de combate no campo de batalha. História indiana está particularmente cheia de invasões genocidas por gigantes louros. Os antigos persas também registraram a grande altura dessas pessoas e sua grande habilidade em combate, bem como o alto grau de sofisticação de suas armas e armaduras. Estes “arianos” descendentes de Magogue invadiram toda a Ásia e estabeleceram-se como classes dominantes sobre as populações indianas, a quem eles consideravam inferiores. E embora eles finalmente tenham morrido e/ou foram assimilados pelas populações nativas, a prova de sua presença e influência na Ásia hoje, existe até hoje com o aparecimento ocasional de cabelos loiros, olhos azuis ou verdes, e as características caucasianas entre as populações nativas da Ásia.

GOG, O PRÍNCIPE DO OESTE


“O Bárbaro”, de Frank Frazetta, retratando Conan, o Bárbaro. Robert E. Howard criou o seu mítico “Conan” personagem como uma das pessoas misteriosas Cimmerianas, os descendentes de Gomer, o filho mais velho de Jafe. Como Conan, os cimérios eram ladrões e saqueadores, que vive pela espada (e machado) em vez de trabalho ou comércio. Como tal, eles eventualmente usava o seu bem-vindos, e foram derrotados pelos romanos e outros povos. Embora há muito se extinguiram, como povo, coerentes, os resquícios genéticos de cimérios ainda podem ser encontrados em toda a Europa. Conan, o Bárbaro é um bom exemplo da guerreira arquetípica, “lobo solitário” caráter de mito ocidental, muito parecido com o “Gog” guerreiro arrogante da literatura apocalíptica.
Considerando que Semjaza tenha usado os descendentes de Magogue para conquistar o Oriente, Azazel, o mais poderoso dos dois demônios,usou os Gomerianos para conquistar o Ocidente. Azazel alterou geneticamente os descendentes de Gomer, e que os filhos de Gomer,  Asquenaz, Rifate( Rapha-raphains-refains ) e Togarma, para serem altos, poderosos, gigantes altamente agressivos, e, em seguida, equipou-os com conhecimentos avançados, armas e habilidades marciais, incluindo o uso do cavalo, e carruagem e, mais importante, o enigma do aço. Ambos os segredos de sua fabricação e seu uso adequado de armas na armadura. Assim equipados, o Gomerianos foram capazes de passar por cima e expulsar os descendentes menores, mais fracos e mal equipados de Sem e Ham fora das latitudes do norte, e Gomer e todos os descendentes de Jafé rapidamente assumiram o controle de toda a Ásia e Europa. Usando os Gomerianos como proxies(Proxy é um servidor que atende a requisições repassando os dados do cliente à frente: um usuário (cliente), conecta-se a um servidor proxy, requisitando algum serviço, como um arquivo, conexão, página web, ou outro recurso disponível no outro servidor.), Azazel, ou “Gog”, então se tornou o mestre da Europa e do Ocidente.

OS CIMÉRIOS


Dentre os filhos de Jafé no Ocidente,  eram os descendentes de Gomer, ou “Gomerianos”, que mais tarde ficaram conhecidos como os “cimérios” pelos escritores gregos que registraram suas histórias. Os Gomerianos invadiram a Europa em dois ramos diferentes, um ao norte e leste através do que é agora a Europa Oriental, e um do Sudeste, através da Ásia Menor (atual Turquia). DeLoach explica em seu clássico, Gigantes: Um Guia de Referência da História, da Bíblia, e da lenda:
Pezron, que traçou os gigantes Gomerianos “ingressando precocemente nas províncias européias, descobriu que eles vieram por duas vias. Os Cimbrianos inseridos a partir do norte. Essas pessoas…eram mais conhecidos até os gregos pelo nome de cimérios… Eu tenho clareza o suficiente para provar que estes últimos eram chamados de Sacae, enquanto eles continuavam na Ásia Superior, havia dois tipos deles. Sacae eram os mais civilizados, que se fundiram na sociedades  Bactriana e os países adjacentes os Sacae , que eram conhecidos pelo nome de “Nômades”….Enquanto o Cimbrianos seguiram esta rota para o norte da Europa, seus primos gigantescos, o Sacae Gomerianos, avançaram ao longo da rota do sul. Tendo preenchido Hircania, Margiana e Bactriana, esses gigantes logo irromperam em maior número na Armênia. Eles depois invadiu a Síria, estabeleceram colônias na  Arábia, e tornaram-se vizinhos dos caldeus. No entanto, em todas essas expansões, muitos Gomerianos  continuaram insatisfeitos.
Uma representação da rota da “Invasão Ariana”, ca. 2000 aC. Mostramos esta teoria da invasão ariana em uma migração em massa dos povos, que teve lugar durante o terceiro milênio aC e, posteriormente, se moveram para fora do Cáucaso e  conquistaram em direção os quatro ventos. Uma ou mais ondas de povos arianos migraram para fora da região do Cáucaso, na Ásia Central, uma divisão da metade do corpo principal e movendo-se a leste até a Pérsia, Índia e partes desconhecidas a leste (os Magogianos), enquanto a outra metade ( Gomerianos ) continuou em direção ao norte e a oeste para a Europa. Um grupo diferente de Gomerianos, os “Sacae Gomerianos”, tinha procedido do oeste pela Ásia menor, em vez de conquistarem o sul da Europa. Outros Gomerianos provavelmente invadiram o sul de Canaã, onde eram conhecidos como os “amorreus”, os gigantes que os israelitas expulsaram e que forram destuídos na época do Rei David, ca. 1000 aC.
Imagem do site http://steele.intrasun.tcnj.edu .
“Esta nação”, explica Pezron “, além de que ela era naturalmente inclinada para a guerra, foi, aliás, como tem sido sempre, de uma mancha na natureza inquieta e ambiciosa. E, portanto, este povo resolveu levar seus objetivos ainda mais longe, e  entraram nas províncias do oeste da Ásia, chamada de “Ásia Menor”. Na primeira onda de expansão, eles invadiram a Capadócia e o Pontus. Estrabão, um nativo daquele país, relatou que muitos desses Sacae posteriormente estabeleceu-se em torno das costas do sul do Mar Negro.

CIMÉRIOS DO SUL


Os cimérios “do sul”, ou “Sacae Gomerianos” que se instalaram na Ásia Menor na margem sul do Mar Negro, eram um tipo de bárbaros mais “civilizados” do que tendiam manter as dinastias encontradas dos povos  que haviam conquistado, ao invés de simplesmente roubar-los e depois deixá-los em ruínas, ou destruí-los. No entanto, a irônica expressão “Sacae” aplicada aos Gomerianos de fato se refere ao “sacos” que eles usavam para guardar os despojos que haviam saqueado daqueles a quem eles haviam conquistado,  de forma que eles não eram totalmente civilizados.
Contrariando a nossa afirmação original na Parte I desta série, onde teorizamos de que os amorreus eram descendentes exclusivos de Cam, é possível que os amorreus fossem na verdade um “mistura” de povos (a exemplo dos Estados Unidos) compostos por semitas, Hamititas, e elementos Jafetitas governados por gigantes cimérios. A dinastia dos amorreus da Babilônia eram provavelmente de origem ciméria , como os cimérios do Sul também controlavam extensas áreas do antigo Oriente Médio, incluindo partes da Pérsia, norte do Iraque, Península Arábica e Canaã. Babilônia também foi muito parecida com a América nesta mistura, e que tinha uma população extremamente heterogênea, e um padrão moral obsceno, isso para falar o mínimo. Os amorreus, ou pelo menos seus governantes, também foram conhecidos por terem características nitidamente caucasianas e até Celta (Celtas foram os últimos descendentes dos cimérios), como sendo muito altos, com cabelo loiro, vestindo colares de ouro, ou “binários” , e montando carros. Portanto, é altamente provável que, pelo menos, a classe dominante dos amorreus eram cimérios em ascendência.
Iniciando durante o final do terceiro milênio, os cimérios sul, bem como tendo penetrado profundamente e conquistado Canaã, pode ter conquistado, possivelmente, o Egito, onde eram conhecidos como os hicsos (” Pastores Reis “). Os Gomerianos e os povos relacionados também podem ter sido os ” Povos do Mar “que invadiram Canaã, Egito e África do Norte algum tempo depois, durante o século 12 aC. Ou, talvez, os povos do mar foram conquistados e ocupados pelo cimérios, as invasões dos povos do mar foram motivadas pela necessidade de procurarem novas terras para se viver.
Em ambos os casos, o impulso principal  de conquista dos cimérios foi para o oeste, através da Ásia Menor e no sul da Europa.
Teoria ilustrada da “Invasão Ariana”. O impulso ocidental dos cimérios do sul também incluiu incursões para o sul em Canaã , e possivelmente  até o sul do Egito. Seu principal impulso ocidental, no entanto, penetrou até a Espanha e em toda a África Ocidental, no sudoeste, e, eventualmente, todo o sul da Europa. Enquanto isso, seus primos do norte penetraram o Nordeste da Europa e conquistaram a Rússia, Europa Central, Escandinávia e as Ilhas Britânicas. Fonte da Imagem : Arqueologia e Linguagem, A origem dos  Indo-europeus  .
Essa “frente sul”, de acordo com DeLoach, foi liderado por um gigante poderoso chamado “Acmon”, que era adorado por seus súditos como um deus. “Os primeiros historiadores também deixaram evidência de que os gomerianos , os seguidores de Acmon na Ásia Menor tambem adoraram Doeas seu irmão como um deus. Tanto na Capadócia e da Frígia, bosques e pomares foram consagrados a este príncipe, como a um deus ou herói.”  DeLoach argumenta ainda que estes gigantes provavelmente foram adorados como deuses pelos gregos antigos, assim como os Magogianos que conquistaram os índianos , também foram adorados como deuses pela população nativa que haviam conquistado:
Após os Sacae entrarem na Frígia superior, eles começaram a chamarem-se “Titãs” ,  o que deu o título a Acmon Altíssimo. O historiador fenício Sanchoniathon confirma que este príncipe foi tratado como o Altíssimo , ou Elion na língua fenícia, e Altissimus no grego …. Após sua morte, no entanto, as pessoas contaram Acmon  “entre o panteão dos Deuses”, e seus filhos continuaram a oferecer sacrifícios e oblações a ele. Ele foi sucedido em todos os seus domínios por seu gigante, filho de Urano, que pelos Titãs também foi adorado como um deus. E assim aconteceu que, quando os gregos dos tempos antigos estiveram sob o domínio dos Titãs, abraçou entusiasticamente os gigantes em “crenças religiosas e mitos, também curvaram-se a Urano, adorando-o como um homem do céu …. A partir desta única família de gigantes príncipes Gomerianos surgiu “aqueles outros deuses maiores antigos do mundo pagão”. 
O caráter de “Lúcifer” descrito em Isaías 14 acredita-se geralmente como se referindo tanto a um rei terreno, e a “Satanás”, um anjo caído que foi  expulso dos céus por sua desobediência. Esta referência pode muito bem se referir ao gigante cimério Rei Acmon, ou a um de seus descendentes.
Imagem adaptada de “Fall of Day”, de William Rimmer do Museu de Belas Artes de Boston.
É interessante notar que a adoração de ídolos em árvores e bosques  são especificamente proibidas na Bíblia como uma das abominações dos amorreus ( Êxodo 24:12-14 , Deut. 07:05).  O cimérios foram provavelmente os únicos que deixaram para trás todas as estruturas megalíticas em Canaã, como o círculo de pedras de Rujim Hiri típico dos Celtas. No entanto, talvez a mais importante ligação entre os cimérios e os amorreus da Bíblia é como Acmon referiu a si mesmo como Elion , literalmente, ” Deus Altíssimo”. Acmon não apenas se considerava um deus, ele foi proclamou a si mesmo  de “Deus”, tornando-o um tipo de Anticristo . Acmon ou um de seus descendentes pode ser o rei perverso/anjo caído descrito por Isaías na  clássica passagem Bíblica contra o misterioso “Lúcifer, Filho da Manhã”:
 12  Como você caiu dos céus, ó estrela da manhã, filho da alvorada! Como foi atirado à terra, você, que derrubava as nações!
 13  Você, que dizia no seu coração: Subirei aos céus; erguerei o meu trono acima das estrelas de Deus; eu me assentarei no monte da assembléia, no ponto mais elevado do monte santo[*].
[*] Ou alto do norte. Hebraico: zafon.
 14  Subirei mais alto que as mais altas nuvens; serei como o Altíssimo.
 15  Mas às profundezas do Sheol você será levado, irá ao fundo do abismo!
( Isaías 14:12-15 )
Acmon realmente acreditava que ele era Deus, o “Altíssimo”. Acmon filho de Urano (“O Homem do Céu”), foi lembrado para sempre na mitologia grega como um dos deuses mais velhos da raça grega,  era filho de Urano Saturno. Filho de Saturno, Zeus, em seguida, derrotou seu pai e assumiu a realeza, formando o panteão grego, que foi mantido sagrado a partir de então por ambos os gregos e mais tarde pelos romanos, que apenas foram renomearam os deuses gregos, dando-lhes nomes romanizados. Esta “guerra dos deuses”, Zeus, Ares, Atena, e assim por diante contra o grupo original de “Titãs” incluindo o pai de Zeus ‘Saturno, mais tarde tornou-se mito de modo que ambos os titãs e sua corja  rebelde, os seguidores de Zeus, foram elevados ao status de divindades. No entanto, embora esses personagens fossem, sem dúvida, extraordinariamente altos, poderosos, inteligentes e sofisticados, eles nunca foam deuses, apenas gigantes mortais que tinham sido elevados pelos gregos e romanos supersticiosos ao nível da divindades. DeLoach explica:
”Quando os Titãs de algumas outras províncias descobriram que Júpiter tinha destronado Saturno, e ficaram determinados a assumirem o império, eles formaram uma confederação contra ele. Na batalha que se seguiu, no entanto, Júpiter “arruinou as forças de seus inimigos”. Derrotados, os Titãs se juntaram na Espanha e se juntaram lá com Saturno, que veio da Itália. [Júpiter] lutou os seus inimigos , e obteve uma vitória completa… A guerra que Júpiter fez contra seu pai ocorreu alguns anos antes da morte de Abraão [ca. 1900 aC]. De acordo com os poetas e historiadores,  durou dez anos ….Este foi o fim daquilo que os historiadores profanos encararam como sendo a origem dos deuses, e, por assim dizer, a fonte de suas divindades pagãs… eles não tinham conhecimento de qualquer deus antes de Saturno.” 
Assim, não só os gigantes acreditam serem seres superiores, eles realmente acreditavam serem deuses, tão ou mais poderosos do que o próprio Deus. Assim que definiram-se como reis-deuses sobre as populações conquistadas, assim como o Nephilim e Gibborim tinha feito no mundo antes do Dilúvio. E com esta nova geração de Refaim gigantes depois do dilúvio vieram muitos dos males que afligem o mundo desde então. Esse ta tradição de se acreditam que os faraós, e imperadores eram deuses ou representante deles continua até os dias de hoje…
 

CIMÉRIOS DO NORTE


Os cimérios do “norte”, aqueles que invadiram o nordeste da Europa, foram também conhecido como “Nomades”, tendo um estilo de vida de guerreiros nômades , baseados estritamente na conquista e pilhagem. Ao contrário de seus primos do sul, eles não eram de todo civilizados, vivendo exclusivamente pelo fio da espada, embora ambos os grupos pareciam ser também criadores de gado e de terem um amor especial por cavalos. O grupo de  cimérios do norte inicialmente foram pro  leste, e se estabeleceram em grande parte nas áreas de Bactriana e Margiania, a leste e sudeste do Mar Cáspio. No entanto, em suas andanças eles foram desviados ao norte por conflitos com os Magoguianos , rumo ao norte para o que é hoje a Rússia moderna, sendo posteriormente conduzidos a oeste pelos citas na Europa Central. Karloukovski explica:
”Entre os povos antigos ocidentais, o primeiro grupo humano a surgir no início da história que é identificável pelo nome e não por seus artefatos são os cimérios. Os cimérios, cujo nome aparece na Odisséia de Homero, ocuparam o estepe sul da Rússia a partir de cerca de 1200 aC. Sua civilização, que pertence à fase final da Idade do Bronze , mal se distingue do de outros povos com quem eles se misturavam. A partir da segunda metade do século 8 aC, os cimérios foram substituídos pelos citas. [Os cimérios viveram] na zona norte do Mar Negro, mas as tentativas de definirem a sua terra natal, mais precisamente por meio arqueológicos, ou mesmo fixar-mos a data da sua expulsão do seu país pelos citas, até agora não têm sido completamente bem sucedido. Algumas autoridades identificá-nos como os “Thraco-cimérios”  do século I aC ,  encontrado no sudoeste da Ucrânia e na Europa Central, estes talvez possam ser encarados como tendo traços do ramo ocidental dos cimérios, que, sob pressão citas , eventualmente, invadiu a planície húngara e sobreviveram por  lá até cerca de 500 aC.”
Estes “cimérios do norte”, então, viveram a maior parte de seu tempo saqueando e pilhando as áreas mais civilizadas do sul, em que mais tarde ficaria conhecida como Média e da Pérsia. No entanto, no século 8 aC eles foram vistos  migrando para o norte e oeste, tendo sido expulsos pelos citas por todo o caminho para a Europa Central, onde permaneceram. E foi a partir desses primeiros cimérios e outros descendentes de Gomer provavelmente casaram e viajaram com eles, de onde os famosos povos celtas e os gaélicos  finalmente surgiram. DeLoach explica, “Apesar de remontar suas origens de sua geografia, Ptolomeu descobriu que alguns Sacae também continuaram a referir a si mesmos como Gomerianos. Aqueles que se instalaram perto dos Jaxartes nas vastas planícies que ficam entre o rio e o  Monte Imaus,  ele identificou como os Sacae Nomadan [Cimérios do Norte ]. “Essas pessoas … sempre levaram uma vida errante e selvagem, e que foi a razão pela qual elas foram chamadas Nomadan Sacae …. É muito provável que os Cimbrianos, os cimérios ou Celtas vieram com eles.”
 

OS CELTAS


Embora a origem dos cimérios seja por vezes obscura e mal documentada, eles são normalmente relegados para os cofres secretos das academias, por vezes apregoadas como as lendas de aventuras de espadas e feitiçaria em filmes épicos como Conan, o Bárbaro , os celtas são um povo muito conhecido e celebrado, cujas raízes e antecedentes no nosso cultura atual foram cuidadosamente pesquisadas ​​e documentadas por acadêmicos e leigos estudiosoa. Muito poucos, no entanto, tem entendido as raízes Cimerianas dos celtas, o que estamos prestes a descobrir.
O Cimbrianos ou cimérios, depois de fazerem seu caminho por terra na rota do norte, ocuparam por um tempo o país acima do Mar Euxino ou Negro, por volta do Maeotidis Palus. Quando eles novamente sentiram o desejo irresistível de continuar, eles foram para o oeste, se estabelecendo a leste do Reno, na Alemanha. Eles depois se estabeleceram ao norte como a Dinamarca e a Bélgica também colonizadas. As Hordas de Acmon, enquanto isso,  avançaram pela rota do sul, primeiro se estabeleceram na Capadócia e na Galácia, e depois na margem sul do Mar Negro. De lá eles se espalharam para a Gália, o que hoje chamamos de França, e também em toda a Espanha, onde eles assimilaram os ibéricos. Sendo tão prolíficos na Europa como o tinham sido na Ásia, as crianças de grande estatura de Gomer logo se espalharam num vasto território – desde as terras a leste do Reno ao Atlântico e do Mar Báltico às costas de Espanha. Eles também habitaram a Suíça e algumas partes do norte da Itália, especialmente em torno do Adriático.
Os cimérios do norte conquistaram e se estabeleceram nas melhores terras da região central, norte, noroeste e na Europa, e provavelmente até na Escandinávia e, possivelmente, em certa medida nas Ilhas Britânicas e Irlanda. Lá, eles suplantaram os nativos, de tamanho normal, povos típicos homo sapiens , e configuraram as dinastias reinantes sobre eles. Enquanto isso, os cimérios do sul liderados por Acmon conquistaram a Ásia Menor, alguns ficando para trás ,  se tornaram os Gálatas, o restante continuando para o sul da Europa, através da Grécia, onde foram adorados como deuses, ao norte da Itália, a oeste para o sul da França e para baixo na Espanha, onde eles pararam e se  integraram com as populações nativas como fizeram seus primos do norte. Também como seus primos do norte, que provavelmente o fez, tanto quanto a Grã-Bretanha e Irlanda, o que explicaria algumas das inúmeras invasões e conflitos que podem ser encontrados na história da Irlanda. Foi aqui, então, na Europa central e ocidental, que os descendentes do gigante Gog, os celtas, estacionaram.
Um mapa do mundo celta. O cimérios invadiram a Europa, tanto ao nordeste e ao sudeste, os cimérios do norte tornaram-se a Germania (alemães) e  Belgas, enquanto que os cimérios sul tornou-se os Gálatas, na Turquia, o helvecios e Boii ao norte da Itália e da Suíça, e os gauleses (francêses) . Mais tarde os movimento dos cimérios e, possivelmente, alguns imigrantes citas responsáveis pela Catuvellani na Inglaterra e os celtas da Irlanda e da Escócia mais tarde.
Os historiadores modernos muitas vezes deixaram de mencionar isso, mas os celtas eram realmente gigantes, homens adultos que variam tipicamente em altura de 3-4 metros de altura, com “supergigantes” Og tipo de gigantes entre eles tão alto quanto 12 pés ou mais. Devido ao seu grande tamanho e força,  facilmente conquistaram e formaram dinastias reinantes sobre os povos existentes que eles haviam encontrado vivendo na Europa. Assim como no mundo antes do Dilúvio, esses recriados gigantes Nephilim , os Refaim Bíblicos, conquistariam, escravizariam, e às vezes até comiam os habitantes nativos da Europa. As pessoas esquecem (às vezes de propósito), mas  eram realmente gigantes na Terra em tempos relativamente recentes, os maiores dos quais eram os celtas.
Muitos historiadores confirmam a grande altura destes Celtas errantes. Sobre os antigos Pausanios, o historiador grego, por exemplo, chamou-os de ”os mais altos povos do mundo”. Gerhard Herm, o seu homólogo moderno, concorda. Ele os descreve como “gigantes” loiros que tocaram o terror nos corações de todos os inimigos, mesmo os mais poderosos da poderosa Roma , que lutaram várias guerras ferozes e com que uma vez capturados, saqueavam e queimavam até o chão. Claro que nem Todos os celtas eram gigantes. Os de tamanho médio, provavelmente, se erguiam não mais do que um pé acima dos homens comuns. Mas suas fileiras também continha números substanciais que se levantaram a uma estatura gigantesca. Na maior divergência da média, alguns celtas mesmo tinham uma altura colossal, talvez tão altos ou mais altos do que o Golias bíblico, ou mesmo Og, que tinha uma cama de ferro. Esses gigantes, quando pela primeira vez os seus navios chegaram nas terras costeiras da Europa, sem dúvida surpreenderam os aborígenes. Como fizeram na Ásia e na Ásia Menor, os celtas invadiam a roubavam estes mortais, em seguida, expulsavam-nos para fora das melhores terras. Como eles se multiplicaram era necessária território ainda maior. Isto levou a uma rápida expansão, de acordo com Estrabão, eventualmente cresceu para cerca de 60 tribos diferentes – cada um com seu próprio nome. No Alto da Ásia, da Mesopotâmia e Ásia Menor, esses saqueadores eram conhecidos como os Sacae Gomarianos. Uma vez instalados na Europa, decidiram usar seu nome irrisório,  que significa “ladrões”, e começaram a chamar a si de Celtae (pronuncia-se “Kelti”), o que denota “homens poderosos e valentes”. Os gregos, no entanto, chamavam-nos Galatai , enquanto seus vizinhos romanos falavam o seu nome como Galli. Os aborígenes da França, por sua vez chamvam-nos gauleses . Estas pronúncias ligeiramente diferentes  levaram a grafias diferentes, como o estudioso do celtas, Henri Hubert explica: “A palavra que foi escrita como Keltos na Espanha e no bairro de Marselha soava diferente aos ouvidos dos gregos da Península Balcânica, que escreveram Galatas . Mas era o mesmo nome.
Os cimérios eram quase que certamente os antepassados ​​de ou estavam relacionados com os gigantes mencionados na Bíblia, os mesmos chamandos de “valentes”, que em hebraico se traduz Gibborim.O cimérios eram do mesmo tipo dos maus e corruptos “valentes”,  dos Nephilim no mundo antes do Dilúvio, que havia retornado para espalhar o caos e a destruição em toda a face da Terra mais uma vez.Seom e Ogue e o seus consortes Gibborim estavam provavelmente relacionados com os cimérios, que mais tarde invadiram a Europa. Não é impossível que os cimérios que invadiram a Europa eram os mesmos gigantes que haviam sido derrotados pelos israelitas em Canaã e expulsos do antigo Oriente Próximo. Uma das evidências primária para isso são as numerosas semelhanças entre os celtas e os gigantes da Bíblia, tanto em tamanho, etnia e nos costumes culturais:
O famoso ” The Great Torc from Snettisham “, ca. 75 aC, este clássico  torque Celta foi encontrado em Ken Hill, Snettisham, Norfolk, Inglaterra, e é considerado o objeto mais famoso da Grã-Bretanha da Idade do Ferro. O torque resolve o mistério bíblico dos ” Anakim “, literalmente, ” o povo do colar “, que indica claramente que os celtas ou povos aparentados fizeram uma incursão em Canaã, nos tempos antigos. Imagem do elf.org.ru .
Diodoro, [o historiador romano] diz: “Os gauleses são assustadoras em aspecto e suas vozes são profundas e completamente altas, quando eles se encontram conversam com poucas palavras e em enigmas, insinuando sobriamente as coisas na maior parte e usando uma palavra quando querem dizer outra, e eles gostam de falar em superlativos, a fim de que eles possam exaltar-se e desvalorizar todos os outros homens”. Eles também são “altos em estatura, com os músculos ondulados, e de pele branca, e seu cabelo é loiro, e não tão naturalmente, mas também o tornam por meios artificiais para aumentar a cor distintiva que a natureza lhe deu. Eles sempre lavam o cabelo em-água de cal, e eles puxam para trás a partir da testa à parte superior da cabeça e de volta para a nuca do pescoço, com o resultado de que a sua aparência é semelhante ao de Sátiros, uma vez que o tratamento de seu cabelo torna tão pesado e grosseiro que não difere em nenhum aspecto da crina de cavalos. Conta Diodoro da maneira como os celtas usavam o cabelo, está de acordo com essa descrição dos gigantes anaquins encontrados no grande templo de Abu Simbel. Este projeto descreve “o rei lutando com dois homens de estatura grande, pele clara, barba rala, e tendo uma carga notável de pintura de cabelo do lado da cabeça.” Além da semelhança de estilos de cabelo estranhos, tanto os celtas quanto os anaquins usavam colares de torque. Prova de que os Anakim usavam emblemas distintivos aparece em seu nome. A palavra ‘anaq’, no hebraica significa ”para colar” , veio daí o nome Anakim , que significa “Povo do Colar”. E que os Celtas também adornaram seus pescoços com uma tira de metal retorcido, geralmente ouro ou prata, não é apenas mostrado pelos historiadores antigos, mas isto foi verificado por muitos achados arqueológicos. Os inimigos é claro, sempre notaram isto nos Celtas “prestem a atenção dos colares. E assim fez o poeta romano Virgílio, nestes versos memoráveis: “Como Ouro é seu cabelo e trajes de ouro deles. Eles são resplandescentes em seus mantos listrados, e seu  pescoços estão circulados de ouro “.
Ambos os celtas e Anakim também eram fissurados amantes de cavalos e de carros, praticamente vivendo a cavalo e usando carros constantemente, seja para transporte ou simples ostentação. Os gigantes Celtas eram exatamente como seus irmãos do sul que invadiram a terra de Canaã, em todos os sentidos. Invadindo, conquistando e destruindo, viviam na terra como parasitas e adicionando qualquer valor, esses gigantes homo artificialis foram as cepas recriadas pelos anjos caídos do mundo após o Dilúvio,  logo entraram em conflito com a própria criação de Deus, os homo sapiens . Assim como seus primos do sul tinham entrado em conflito com os israelitas, a próxima geração de gigantes que invadiu a Europa entrou em conflito com os romanos.
Os celtas e gaules praticavam a pilhagem, inicialmente encontravam apenas  pouca oposição, se movendo para o noroeste, através da Grécia, logo entraram em conflito com o poderoso Império Romano. Um subgrupo dos Celtas, os Senones, na verdade, atacaram e conseguiram paitar Roma por volta de 387 aC, lutando pela primeira vez contra 30.000 Golias, que gritando, enfurecidos por insultos enviados aos romanos, os romanos ficaram apavorados e correram logo que a sua linhas defensivas foram rompidas  na Batalha de Allia:
“Valaris, um desafio para combate pessoal”, arte de Angus McBride. Os gigantes Celtas eram individualistas e   valorizavam realização individual acima de tudo, muitas vezes chamando seus campeões para lutar em um único combate antes que os exércitos se defrontaram.
Um aterrorizante dia de julho que os latinos nunca iriam esquecer. O grande tamanho dos Celtas enervou-os. Alguns dos gigantes usavam couraças de liga de ferro forjado, e alguns usavam camisas apenas  com cintos revestidos a ouro ou prata. Mas muitos não usavam armadura nem roupas, preferindo ir para a batalha nus. A maioria, entretanto, usava espadas compridas penduradas em torno dos flancos direito sobre as cadeias de ferro ou de bronze. As lanças e dardos  brandiam nos dão uma idéia de sua força. ferro sobre as lanças foram afixados pontas de um côvado de comprimento e até mais [18-20] polegadas, e um pouco menos de dois palmos de largura. [As espadas eram] cerca de 96 polegadas [8 pés] de comprimento …. Mas o terror que os romanos sentiram na Batalha de Allia não era somente da altura dos Celtas e de seus armamentos . Estes super-homens também agrediam seus olhos e ouvidos com olhares ferozes, vozes agudas . Desafiavam seus inimigos, chamando  alguns dos campeões enormes celtas, quando eles estavam em formação de batalha, para sair na frente de suas linhas, brandiam suas grandes armas ameaçadoramente contra seus adversários menores e desafiavam o mais valente entre eles em um único combate. Não sabemos se algum Romano aceitou um desafio em Allia, mas se eles aceitaram, de acordo com Celtas as condições de combate, cada desafiante teria então que  cantar um feito  valoroso dos seus antepassados ​​e se gabando de suas próprias realizações, enquanto ao mesmo tempo, insultando e menosprezando o adversário, e tentar impor este pressão psicológica para despojá-lo de seu espírito de coragem antes do combate. Não apenas os guerreiros campeões, mas todo o exército Celta participava nesta guerra psicológica. Batendo suas espadas ritmicamente contra seus escudos, eles agrediam os ouvidos do inimigo com um tumulto de som quase intolerável. O país inteiro parecia cheio de seus gritos de guerra excessivamente altos, acompanhados pelo barulho incessante de inúmeros gigantes com enfeites  javali na cabeça .
Incomodados pelo tamanho grande e ousadia de seus adversários, e frustrados por um movimento tático superior no campo de batalha, os romanos fugiram em terror e Roma quase foram derrotados. Apenas subornaram os gigantes com ouro (cerca de 1.000 quilos) , assim foram os romanos capazes de salvar a cidade contra os Senones e viverem para lutar outro dia. E esse dia chegou, na Batalha de Telamon, onde duas legiões derrotaram um exército de 70.000 gigantes.
“A Batalha de Telamon, 225 aC”, de Angus McBride. Os gigantes Celtas eram frequentes no campo de batalha e muitas vezes usavam poucas roupas ou nenhuma . Não era foi boa combinação contra flechas romanas, dardos e paredes escudo repletos de lanças.
Embora os romanos houvessem derrotado os celtas em Senone, eles ainda tinham a Germania, “os mais celta dos Celtas” em seus calcanhares. A Germania foi formada por diversos subgrupos, incluindo o Cimbri, os Tuetones e os Senones, os quais o historiador romano Estrabão descreveu como vivendo a leste do Reno. “Eles diferiam dos celtas da margem esquerda, ele escreveu, só por serem” mais selvagens, mais altos e terem os cabelos mais amarelados. “Os romanos, que viveram na Gália, ele continua a dizer, chamavam-nos “Germani ‘porque queriam indicar que eles eram o celtas’ autênticos ‘, os celtas reais. Germani significa  “verdadeiro”, em sua linguagem no sentido do original. ” Isso faz sentido no nosso paradigma, em que defendemos que todos os povos celtas eram os descendentes de Gomer, a partir do qual o nome “Alemão” foi mais tarde derivado. Neste paradigma, já que os gigantes Gomerianos originalmente emanados do Cáucaso, o mais perto do Cáucaso que você vá, o mais alto dos gigantes serão, como os gigantes da Europa central e ocidental diminuíram em estatura através da miscigenação com as populações locais que tinham conquistado. Como tal, os germânicos Cimbri e Teutões e Senones eram muito mais próximos dos “genuíno”  gigantes originais Gomerianos que haviam migrado para o norte e oeste do Cáucaso, ao redor dos mares Cáspio e Negro, para finalmente acabarem na Europa Central.
Foi contra os gigantes germânicos que os romanos tiveram a maior dificuldade. Os romanos pensavam que depois de terem lidado com os gauleses, as coisas não poderiam piorar. No entanto, “não havia, naturalmente, algo pior: os Cimbri e os Tuetones, da Germania, a mais celta dos Celtas . Mais tarde César , na campanha  Arovistus, alguns de seus homens perguntaram a alguns gauleses em Besancon – porque  eles tinham estatura que os alemães. “Eles descreveram os alemães”, escreve César “, mencionando a sua compleição física enorme, o seu valor inacreditável, e treinamento militar extraordinário Os gauleses disseram que muitas vezes quando eles encontraram os alemães não podiam resistir-lhes, mesmo a expressão em seus rostos ou ao brilho de seus olhos. ” Plutarco também os retrata como possuindo uma “força invencível e coragem em batalha, quando atacavam com a força e  velocidade  e ninguém podia resistir-lhes.”
Primeiro desafio real de Roma  frente aos Germânicos veio quando cerca de 300.000 Cimbri cruzaram o Danúbio e começaram a migrar para o sul à procura de novas terras para conquistarem. Mesmo os gigantes gauleses tinham medo dos Germanicos, e pediu proteção romana contra estes seus primos hiperagressivos. Os primeiros exércitos romanos enviados para verificar o seu avanço foram aniquilados, e Roma foi salva apenas quando a Germania decidiu ir para o oeste para encontrar pastagens mais verdes na Espanha. Os romanos desesperados então enviaram  um de seus maiores generais, Gaius Marius, que chicoteou as legiões  e derrotou as tribos Tuetone e Ambrone,  capturaram o seu rei gigante Tuetobokh, que se erguia acima,  até mesmo das lanças romanas. Os terríveis Cimbri ainda permaneceram, no entanto, mas Marius teve um plano.
         Um romano tropaneum com um carnyx
 Video que mostra como era usado o Carnyx
O carnyx de guerra :O carnyx era um instrumento de sopro(como uma trombeta) da Idade do Ferro celtas , usado entre c. 300 aC a 200 dC. Era um tipo de bronze trombeta , mantido verticalmente, o sino denominado na forma de um javalis ‘, ou outro animal, cabeça. Ele foi usado nas guerras para gerar medo e terror em seus oponentes e incitar as tropas para a guerra. Transporte do instrumento orientado verticalmente e muito alto de forma que era visível sobre as tropas que se aproximavam em batalhas ou cerimônias


No dia marcado, 180.000 Cimbrianos tomaram  posição na planície. Lá, eles formaram um quadrado cujos lados medido cerca de quatro quilômetros. Atrás deles esperavam suas esposas e filhos e os outros  não-combatentes. Então, com suas gargantas gritando e imensa multidão de guerreiros e até mesmo suas famílias com gritos de guerra horríveis . Enquanto isso, os sopradores de chifres e de trombeteiros carnyx enchem o ar com suas com seus sons de batalha. Os cavaleiros começaram a alinhar em seus lugares designados. Alguns de seus cavalarianos esplendidamente adornados, que contavam 15.000, pulam , ansiosos para a batalha. Eles usavam capacetes feitos para assemelhar-se as cabeças de animais selvagens com mandíbulas escancaradas, para além das plumas rosa de penas. Estes adornos,  calculadamente, faz com que eles parecem ainda mais assustadores, ainda mais invencíveis e ainda mais enormes do que já eram. Como os anfitriões selvagens geraram um frenesi, Marius e seus legionários se aproximaram do leste, com o sol e vento em suas costas. Como o legionários romanos entraram em campo, o grande exército Cimbriano definir-se em um movimento que Plutarco comparou à onda de um oceano furioso com a maré alta. Como era seu costume, o mais bravo dos Cimbri, grita, liderando o ataque. de modo que suas fileiras não podem ser rompidas, os pioneiros se amarraram junto com correntes de ferro ligados a seus cintos. Esta maré crescente de gigantes bábaros loiros , os soldados romanos atacaram primeiro com seus dardos. A culatra permitiu aos romanos obter vantagem dentro das linhas Cimbri com suas espadas. Enquanto a batalha prosseguia, uma grande nuvem de poeira surgiu a vindo debaixo dos pés dos combatentes pisoteados. O vento e a luz do sol que btia na retaguarda dos romanos  explodiu com esta poeira principalmente nas faces do Cimbri. O sol de Agosto  prejudicou a sua visão. Para encerrar o brilho , os guerreiros pesados ​​Cimbri agora e, em seguida, levantou seus escudos para o sol, expondo mais  seus corpos grandes para os romanos, que matavam quase à vontade. Depois de um grande número havia foi morto e tornou-se evidente para aqueles que ainda estavam vivos que não havia chance de virar a maré da batalha, muitos bravos gigantes alemães se amarraram junto com correntes para lutarem até o último homem. Mas alguns buscaram refúgio entre os suas alas. Em seguida, diante dos olhos dos romanos, ocorreu uma cena incomum. Os gigantes do sexo feminino, Plutarco relatou, “matou todos os que fugiram, alguns dos seus maridos , alguns irmãos seus, outros de seus pais.” Com as mãos, depois, estrangulavam seus filhos pequenos e os jogavam debaixo das rodas dos carros ou sob  os cascos de cavalos ou animais de tração. Em seguida, elas se mataram.
Assim, mais uma tentativa por parte dos anjos caídos de destruir o próprio  homo sapiens e governar o mundo tinha falhado. Os gigantes Gomerianos, tendo fracassado em sua missão de erradicar as formas menores de humanidade e de conquistarem o mundo, então  destruíram-se, incapazes de suportar as conseqüências de seu fracasso. Como discutido no Parte II , os gigantes tinham sido criadas de forma a serem esquizofrénicos naturais bipolares, de modo que, a fim de manterem a sua sanidade era necessário para eles  direcionarem a sua raiva interior para fora, sob a forma de guerra. Assim, criaram os gigantes com a velocidade superior, tamanho e força, e dada a tecnologia superior, que se multiplicaram e se espalharam como um vírus, cobrindo toda a Terra, atacando e matando todos e que não era como eles, até que, no final, com todos os outros mortos, eles se mataram. Felizmente, não era para ser. Tendo derrotado o mais poderosos dos Celtas Gomerianos gigantes, os romanos começaram então a aperfeiçoar a arte de matar gigantes, que, então, aplicaram de forma agressiva em suas campanhas contra os gigantes em toda a Europa. Uma a uma das tribos de gigantes caiu frente os dardos, flechas, lanças e espadas afiadas das legiões romanas implacáveis, até que o remanescente foi forçado a fugir para as florestas escuras da Europa, ou para as margens da civilização na Escandinávia, as Ilhas Britânicas , Irlanda e até a América , onde se integraram com as populações nativas e esperaram pelo seu tempo de ressurgirem novamente.

             


GIGANTES DA EUROPA


Mas a semente dos gigantes não foi destruída completamente. Das profundezas dos redutos das densas florestas da Europa, os gigantes começaram a se reagrupar e formar alianças secretas ligadas por sangue e casamentos. Com o tempo, devagar e sutilmente, as velhas formas dos gigantes voltaram, com sigilo e discrição e subversão,  aos poucos assumiram o controle dos tronos Europeus E um dos primeiros e mais ousados desses gigantes foi o infame imperador romano, Maximino Trácio.
MAXIMUS
Nascido em 173 dC em uma família humilde de pastores da Trácia(Bulgária) , Maximino provou sua herança gigante crescendo à grande altura de oito metros de altura. E Maximino não foi vítima de doença da hipófise – ele provou ser um atleta excepcional, além de ser incrivelmente forte e rápido – e fome de poder.

   APARÊNCIA


As fontes antigas, que vão desde o notoriamente não confiável Historia Augusta de Herodes , falam de Maximino como um homem de tamanho significativamente maior do que seus contemporâneos. [35] [36] Ele é, aliás, retratado no imaginário antigo quanto o homem com uma testa proeminente, nariz e mandíbula; sintomas de uma forma de crescimento excessivo. Seu polegar se dizia ser tão grande que ele usava de sua A pulseira de sua esposa como um anel para ele. Enquanto o tamanho exato de Maximino provavelmente nunca será conhecido, ele era, contudo, provavelmente um homem de grande tamanho.
De acordo com a Historia Augusta “, ele era de tal dimensão, relatórios para Cordus, que os homens disseram que ele tinha oito metros,e seis centímetros de altura”.
Apesar de não ir para as partes supostamente detalhadas de Historia Augusta, a Herodes historiador, contemporâneo de Maximino, menciona-o como um homem de maior tamanho, observando que: “Ele estava em qualquer caso, um homem de aparência assustadora tal e tamanho colossal que há há comparação óbvia a ser feita com qualquer um dos atletas mais bem treinados gregos ou elite guerreira dos bárbaros “. [39]
Alguns historiadores interpretam as histórias sobre a altura incomum Maximino ‘(bem como outras informações sobre sua aparência, como sudorese excessiva e força sobre-humana) como atributos populares estereotipadas que não fazem mais do que intencionalmente transformá-lo em uma forma de realização estilizada do bandido bárbaro [40] ou enfatizar a admiração e aversão que a imagem do soldado evocado na população civil. [41]
Sua atuação consistente como um homem com uma testa proeminente, nariz e queixo, fez alguns pesquisadores a suspeitar que ele pode ter sofrido de super crescimento, em certa medida na forma de acromegalia .
FONTE WIKIPÉDIA(EM INGLÊS)
Maximino foi notado pela primeira vez pelo imperador Alexandre Severo em 202 dC, durante uma escala na Trácia em seu caminho de volta de uma viagem pela Ásia. Como o aniversário de seu filho havia chegado ao redor durante seu tempo na Trácia, o imperador patrocinou alguns jogos para a ocasião, combinando os trácios locais contra sua comitiva romana. Maximino então passou  derrotar 16 dos melhores no wrestling  do imperador nos jogos e outros feitos de força, que tanto impressionaram os romanos que imediatamente o recrutaram para o seu exército . Maximino mesmo disputou uma corrida contra o cavalo do imperador, mantendo-se no mesmo ritmo do  cavalo a galope. Por essa  sua capacidade de luta excepcional, Maximino foi imediatamente incorporado a guarda pessoal do imperador.
 Os sapatos que usava também eram bem maiores que o calçado de outros homens. Além dos feitos de força já mencionados acima, Maximino supostamente poderia, com um golpe de seu punho, quebrar os dentes de um cavalo. Na ocasião, ele também demonstrou que poderia derrotar uma equipe de bigas. Capitolinus diz que ele comia diariamente quarenta quilos de carne e geralmente bebia seis litros de vinho. 
Além de excepcionais ‘habilidades físicas de Maximino,  ele também tinha excepcionais habilidades intelectuais, provando ser um excelente líder, estrategista e tático. Como resultado, ele subiu rapidamente através das fileiras, o imperador logo o promoveu ao posto de tribuno,  senador, e até mesmo a comandante supremo de todos os exércitos de Roma. Os soldados tinham respeito a ele devido a sua extrema competência, diligência e disciplina. Como resultado, eles logo passaram a preferi-lo em vez de seu próprio imperador e, em um golpe súbito, assassinaram o imperador e colocaram o manto de púrpura sobre Maximino, efetivamente coroando-o imperador.
No entanto, sua ascensão repentina de imperador trouxe limitações a Maximino, e mostrou seu lado obscuro. Embora grato aos seus homens por dar-lhe uma grande honra, prometendo-lhes presentes caros e pagamento em dobro, ele cometeu um erro crítico em verificar  primeiro  se Roma poderia, de fato se dar ao luxo de pagar um tal montante exorbitante. Ele fez um outro erro crítico por saquear o tesouro, roubando dos ricos de Roma, e até mesmo saquear os templos dos deuses, a fim de aumentar as receitas necessárias. Maximino tinha essencialmente tomado a decisão de transformar toda a economia de Roma para o financiamento do exército, na verdade transformando Roma em um estado militar, com a exclusão de tudo, mesmo indo contra os deuses romanos.
Em reação aos rumores de um plano de assassinato, Maximino, em seguida, virou extremamente paranóico, matando não apenas todos que estavam envolvidos na trama, mas qualquer um que se opusesse ou ofendesse, de qualquer maneira. Ele mesmo matou aqueles que tinham sido os seus apoiadores iniciais, que o conheciam antes de sua ascensão a imperador e, portanto, sabiam “demais”. Como resultado, começou a receber os títulos não formais tipo “Ciclope”, ” Busiris”, e até mesmo “besta selvagem”. A canção foi composta ainda por seus próprios homens que falavam da sua morte. Conscientes disto, e sua extrema impopularidade em Roma, e uma vez que nunca tinha completamente aceito por ela, o Senado usou a desculpa de uma revolta fiscal em uma província africana distante para substituir um Maximino cada vez mais impopular. Enfurecido por sua traição e seu destino agora certo, Maximino “comportou-se como um urso enorme, atormentado. Convulsionado com raiva, ele jogava-se contra as paredes, ao jogou chão, gritou, atacou os seus servos, tentou puxar olhos do seu filho para fora, e, finalmente,ficou em um estado de estupor. ” Ele, então, usou suas forças militares para acabar com a revolta, mas seu exército rebelde se recusou e ele finalmente foi morto por uma unidade da Guarda Pretoriana, enquanto ele dormia.
Maximino, como todos os gigantes, acreditava-se ser superior a todos, inclusive dos deuses. No entanto, quando as coisas se voltaram contra ele, sua verdadeira natureza bestial emergiu. Colocando-se acima até mesmo dos deuses de Roma, ele tentou levar toda a economia de Roma para a guerra, transformando  Roma uma máquina de guerra, com a exclusão de tudo o mais. Elevando  seu próprio coração, Maximino tentou fazer guerra contra toda a humanidade, e até mesmo aos próprios deuses, mas no final ele foi derrubado e destruído por sua própria arrogância – o destino de todos os gigantes do passado, do presente e do futuro.
 

CARLOS MAGNO


“Charlemagne (Carlos Magno) nasceu em 2 de abril, 742 no Norte da Europa.” Pela espada e pela cruz “, ele se tornou mestre da Europa Ocidental.”  Carlos Magno herdou o reino dos Francos, a França moderna, a partir de seu pai no ano 768 e, em seguida, procedeu durante os próximos  trinta anos , no que seria lembrado pela história como “o Sacro Império Romano”, que englobava em seu pico França, Suíça, Bélgica, Holanda, metade da Itália e da Alemanha, e até mesmo partes da Áustria e Espanha. Ao contrário de seus primos gigantes, que eram pagãos por completo, Carlos Magno promoveu o Cristianismo de forma agressiva em todo o seu império, e até foi coroado pelo próprio Papa. Sua evangelização sistemática do continente europeu, a sua aplicação de pesos e medidas padrão em toda a região, e um tratamento equitativo de todos aqueles em seu império lhe valeu a admiração de todos, incluindo aqueles que ele tinha conquistado. Seu trabalho de unir a Europa formou a base da cultura europeia moderna.
Carlos Magno era uma figura poderosa e imponente, sua altura na lenda esta perto de oito metros de altura, ou “sete vezes o comprimento do seu pé”. Ele também era um grande guerreiro e atleta, e tinha uma força como a de Maximino. “Em cantigas que os contemporâneos cantavam em seu louvor era muito ousados”, que ele iria caçar um touro selvagem sozinho, tão forte que ele derrubou e cavalo e cavaleiro com o golpe de seu punho. Ele poderia arrumar quatro ferraduras juntos, e levantar com a mão direita totalmente equipada para o combate, um  homem-a ao nível da cabeça. ”  Carlos Magno também foi da família Merovingia, o que vamos estudar mais tarde.

MAXIMILIANO


Embora Carlos Magno representasse um recuo breve das crenças anti-cristãs do antigo gigantes arianos pagãos, a velha filosofia “raça superior” ariana  logo retornou, na forma do Imperador Maximiliano. Maximiliano tomou poder sobre o antigo Sacro Império Romano em 1493, tendo o reino por direito de em vez de eleição, como tinha sido o costume até então. Maximiliano parece ter sido um regresso ao antigo gigante Gomeriano Cimbriano que provou ser um desafio para os romanos, como uma espécie de distintivo que ele usava com muito orgulho. Tendo mais de oito metros de altura, e tendo a força extraordinária e atributos físicos que têm sido a marca registrada dos gigantes, Maximiliano realmente tinha motivos para se orgulhar.
Ele era alto, traços finos, com características extremamente bonitas,  olhos azuis e cabelos loiros caindo em cachos sobre os ombros, ele possuía grande força muscular, seu corpo foi desenvolvido pelo exercício constante e ele foi um dos mais ousados, mais corajosos e  cavaleiros mais hábeis de sua época. Mas o gigante tinha uma ousadia que às vezes beirava a imprudência – alguns o descreveram como quase uma loucura – como quando, por alguns exemplo, ele é seguiu um urso em seu covil, e lutou com ele lá, ou quando ele entrou em uma jaula do leão, intimidado-lo; e, acima de tudo, quando ele perseguiu a camurça e uma cabra selvagem até os picos mais altos dos Alpes tiroleses. Nas batalhas, Maximiliano lutava corajosamente. Em muitas ocasiões, ele provou ser um comandante também, com uma mente fértil em novos dispositivos e modos ardilosos de ataque. ” Ele também não pedia nada a seus homens ele próprio não o fizesse. Os historiadores dizem que ele mesmo forjou sua própria armadura e temperou a sua própria espada. Talvez para dar um descanso a seu cavalo, o imperador gigante, muitas vezes marchou à frente de seus homens a pé, carregando uma lança  em seu ombro. Ele ainda ganhou a admiração de seus soldados por sua habilidade “para não ser superado pelo esforço e privações.”
Maximiliano, como Maximino, foi um típico gigante – tamanho superior, força, inteligência e habilidade, bem como capacidade de liderança natural e uma mente bem adaptados para a guerra. No entanto, houve uma loucura inata para o gigante da raça homo artificialis que muitas vezes se manifestou em uma fúria suicida, como mostrado quando ele, desarmado,  derrotou um urso e um leão, assim como a sua caça  de cabras da montanha sem ajuda nas pistas escorregadias dos Alpes tiroleses. Como Ogue , Maximiliano foi um verdadeiro gigante – um ser de grande poder e beleza, que também era possuidor de um lado sombrio. Bonito e cruel, os gigantes se consideravam uma raça superior, superior a todas as outras formas de humanidade. E inerente a esse sentimento de superioridade havia uma necessidade de provar essa superioridade, um teste que eles tinham sido bem equipados para cumprirem. Como Maximiliano tal como os seus predecessores gigantes de tempos antigos, idealizados com a teoria racista de que eram superiores a todas as outras raças. DeLoach explica:
Raizes do conceito da superioridade ariana:
Aqueles que professam a teoria ariana sustentam que a raça celta, particularmente o seu ramo germânico, é muito superior a todos os outros. “Somente os povos brancos, especialmente os celtas, possuem verdadeira coragem, o amor da liberdade e as outras paixões e virtudes que a distinguem as grandes almas”, proclamou o historiador alemão Christoph Meiners (1745-1810). Meiners é geralmente considerado como um dos fundadores dessa teoria racial. Julien-Joseph Virey (1775-1846), discípulo de Meiners, pergunta: “O Que seria do nosso mundo sem os europeus , suas nações poderosas, um orgulhoso e indomável raça, gênios imortais das artes e das ciências, uma civilização feliz? O europeu, foi chamado pelo  destino para governar o mundo, que ele sabe como iluminar com sua inteligência e dominar com a sua coragem, é a maior expressão do homem , é o cabeça da raça humana. Os outros, miseráveis horda de bárbaros , são, por assim dizer, não mais do que o seu embrião. ” Em outras palavras, os arianos verdadeiros vêem a si mesmos como “super-homens”, e consideram que “todas as outras espécies de homens (pois há quatro ou cinco tipos diferentes) como naturalmente inferiores aos brancos”. Todos estes povos que não são de pele branca e loiros eles classificam como “sub-humanos”. De onde é que tal idéia vem? Em sua primeira forma escrita , o conceito ariano antecede tanto Meiners e Virey. O historiador S.H. Steinberg traça de volta até aos historiadores humanistas, que viveram durante o reinado do imperador Maximiliano I (1493-1519). “Foram esses antepassados ​​dos nossos jornalistas contemporâneos que forneceram a cópia para propaganda Maximiliana anti-francêsa”, escreve ele. “Os franceses e, de fato, todas as outras nações eram, então argumentaram eles, inferiores aos alemães por causa do orgulho destes últimos, no lugar na genealogia das nações ocidentais: eles não tinham por antepassados os​​ Cimbri que fizeram  Roma tremer .. . eram os alemães de Maximiliano, e não os filhos e herdeiros dos lombardos, que deram seu nome a Itália, os francos que estabeleceram seu domínio sobre a Gália, os Anglos e os Saxões que se tornaram mestres da Grã-Bretanha?
Com o imperador Maximiliano veio o início do renascimento do velho mito da raça ariana que tinha sido propagado pelos gigantes Gomerianos nos tempos antigos.Apesar do fato de que os celtas Gomerianos, gauleses, Germânicos, e numerosas outras tribos dos descendentes dos gigantes Gomerianos foram derrotados pelos homo sapiens romanos, eles ainda mantinham obstinadamente à crença de que eles eram superiores a todas as outras formas da humanidade. Essa crença sobreviveu até mesmo em tempos modernos, até que chegaram a ser concretizadas novamente no século 20, na Alemanha de Hitler, onde Hitler mais uma vez tentou reviver a antiga Herrenvolk , ou “raça superior” da Germânia.

HITLER


Adolph Hitler, embora um homem franzino , subiu ao poder sobre a máquina de guerra mais poderosa que mundo já tinha conhecido até aquele ponto (na história conhecida). Mas como é que este artista fracassado e vagabundo alcançou este objetivo nobre? Na verdade, poucos sabem (ou querem saber) que Hitler era um comprometido ocultista , que acreditava que ele tinha sido escolhido pelos deuses dos antigos arianos para ressuscitar os antigos gigantes germânicos, e usá-los para conquistar o mundo. Assim, embora socialmente estivesse no degrau inferior da escada, espiritualmente falando situação de Hitler era completamente diferente.
Embora em face do que este conceito parece ridículo, como vimos nas Partes I II e III da nossa série sobre gigantes, esta mesma história, onde os anjos caídos haviam criado os gigantes nos tempos antigos, a fim de destruirem próprio homo sapiens e conquistarem o mundo, foi se repetindo ao longo da história humana. A Gemania de Hitler, ao que parece, foi apenas a última de uma série de tentativas de recriação dos antigos Nephilim gigantes que haviam sido destruídas pelo Dilúvio. A próxima geração de gigantes, os Refaim (sig.aqueles que ressurgiram), foi uma tentativa de recapturar as “glórias” do mundo antedilúviano, dos quais foi uma tentativa de Hitler  mais recente (No entanto, não é impossível que novas tentativas estejam em curso, enquanto falamos). Assim, Hitler não queria apenas recriar os antigos gigantes Germani, ele queria recriá-los  e espalha-los no mundo inteiro como foi antes do Dilúvio.
O objetivo de Hitler não era nem a fundação de uma raça de super-homens, nem a conquista do mundo, estes eram apenas meios para a realização da grande obra que ele sonhou. Seu verdadeiro objetivo era realizar um ato de criação, uma operação divina, a meta de uma mutação biológica que resultaria em uma exaltação sem precedentes da raça humana e a “aparição de uma nova raça de heróis e semideuses e homens-Deuses.”Talvez estes mesmos Nephilins neo-nazistas “ubermen” estejam hoje travestidos apropriadamente no tempo e na cultura do sci-fi, mascarados de “Aliens”/Ets/humanos “híbridos” a la Whit Strieber, Dr. Harvard John Mack, e uma verdadeira cornucópia de outros associados – muitas vezes financiamentos sócio-culturais dos Rockefeller  e seus metaprogramas .
Embora a maioria scoff isso, essas mesmas pessoas não sabem que Hitler era um membro do grupo ocultista “Sociedade Thule”, que acreditava na existência de um ser todo-poderoso chamado de ” Übermensch “, um poderoso ser espiritual que é na verdade um anjo caído. Alguns também acreditam que Hitler tinha de boa vontade se permitido ser possuído por este poderoso anjo caído, o que explica a enorme quantidade de carisma e magnetismo pessoal deste homem , que de outra forma inconseqüente pôde gerar, a fim de dobrar as massas da Alemanha à sua vontade. Hitler realmente viu o Übermensch, e mesmo ele estava apavorado pelo esplendor cruel deste ser:
Hitler estava falando um dia para Rauschning, o Governador de Danzig, sobre o problema de uma mutação da raça humana. Rauschning, não possuindo a chave para tais preocupações estranhas, interpretou as observações de Hitler, em termos de um estoque reprodutor, interessados ​​na melhoria do sangue alemão. “Mas tudo que você pode fazer”, respondeu ele, “é ajudar a natureza e encurtar o caminho a ser seguido! É a própria Natureza que deve criar para você uma nova espécie. Até agora, o criador só raramente conseguiu mutações no desenvolvimento de animais – isto é, criando-se novas características “. “O novo homem está vivendo entre nós agora! Ele está aqui!” exclamou Hitler, triunfante. “Isso não é suficiente para você? Vou lhe contar um segredo. Eu vi o novo homem. Ele é intrépido e cruel. Eu tinha medo dele.” “Em proferir estas palavras”, acrescentou Rauschning, “Hitler estava tremendo, numa espécie de êxtase.”  Rauschning, também, que relatou o seguinte episódio estranho, sobre o qual o Dr. Achille Delmas, um especialista em psicologia aplicada, interrogou-o em vão: É verdade que em um caso como este a psicologia não se aplica: “Uma pessoa próxima Hitler me disse que ele acorda no meio da noite gritando e em convulsões. Ele pede ajuda, e parece estar meio paralisado. Ele é tomado por um pânico que faz tremer e até a cama treme. Ele profere sons confusos e ininteligíveis, ofegando , ao ponto de asfixiar. a mesma pessoa me descreveu um desses ataques, com detalhes que eu me recusaria a crer se eu não tivesse plena confiança mim.
Azazel, o “Übermensch”, o atual governante espiritual do Ocidente, e nominalmente de todo o mundo. Não é alguém que você queira acordar.
” Hitler estava de pé em seu quarto, balançando e olhando tudo em volta dele como se estivesse perdido. “É ele, é ele ‘, ele gemeu,” ele veio até mim!’Seus lábios estavam brancos, ele estava suando profusamente. De repente, ele soltou uma seqüência de números sem sentido, então palavras e pedaços de frases. Foi aterrorizante. Ele usou expressões estranhas amarrados juntas em desordem bizarra. Então ele recaiu novamente em silêncio, mas seus lábios continuavam a se mexer. Foi então lhe dado   algo para beber. Então, de repente ele gritou: ‘Não! lá! Lá no canto! Ele está lá! ” – O tempo todo batendo com os pés e gritando. Para acalmar-lhe que ele estava certo de que nada de extraordinário tivesse acontecido, e, finalmente, ele gradualmente se acalmou. Depois que ele dormiu por muito tempo e voltou ao normal outra vez …. “
Este episódio estranho mostra claramente que Hitler era obcecado, se não realmente possuída por um demônio poderoso, que  mais provável ser Azazel, o poderoso demônio kosmokrator que reina sobre toda a Terra. Como veremos mos na Parte II da nossa série sobre a lendária Atlântida (que Hitler também acreditava, por sinal), Azazel é um dos dois mais poderoso dos anjos caídos, que governou o mundo antes do Dilúvio.Estes dois levaram o mundo à rebelião contra Deus, e criou os gigantes para destruir os descendentes de Adão. Como resultado,  Deus destruiu os gigantes com um dilúvio, e Azazel e Semjaza e foram punidos por serem aprisionados nas partes profundas da Terra, e que temos a teoria de que estarem em algum lugar na região do Cáucaso. Estes dois poderosos anjos caídos, Azazel e Semjaza e, embora agora o seu poder seja limitado, ainda tentam recriar o mundo antedilúviano(Como nos dias de Noé), e os gigantes que haviam criado para conquistá-lo. Acreditamos também que Semjaza haviam tomado o controle dos Magoguianos antigos e os tinha utilizado para conquistar o Oriente, enquanto que Azazel tinha tomado o controle do Gomerianos e usou-os a conquistar o Ocidente –repetindo o padrão que tinham originalmente iniciado no mundo antes o Dilúvio, um padrão de péssima gestão que levou à destruição do mundo antediluviano .
Embora estes dois poderosos anjos caídos estejam unidos na sua oposição a Deus, é importante notar que estes dois demônios apenas cooperaram um com o outro por necessidade. Eles  lutam de fato contra Deus, mas também com cada um tenta o domínio sobre a Terra. Embora eles estejam unidos em sua rebelião contra Deus, como egocêntricos indivíduos que são, eles também querem controlar uns aos outros, e a todo o mundo, sozinho. É essa luta entre esses dois demônios poderosos, bem como lutas entre os demônios menores sob sua influência, o que levou a quase todas as guerras ao longo da nossa história.Eles usam os homens como marionetes nas guerras tentando e usando os exércitos da terra para dominarem os territórios um do outro.Como tal, podemos ver os padrões das atividades desses demônios, acompanhando suas “Pegadas” ao longo da história, pegadas de sangue que se manifestaram nas guerras e conflitos da raça humana. E quanto maior a guerra, quanto maior o nível de conflito na cadeia de comando demoníaco, as “guerras mundiais” foram travadas pelos príncipes demônios Azazel e Semjaza entre si.
Como tal, os líderes das nações que decidem as guerras mundiais  são provavelmente controlados pelo kosmacrator (lit., “A decisão mundial”), demônios que iniciaram as guerras em primeiro lugar. Como vimos na Parte II , Hitler e Stalin viviam vidas paralelas , onde ambos estavam envolvidos nas sociedades secretas e no ocultismo, e ambos haviam convidado os poderes demoníacos para controlá-los a fim de obterem poder mundano para si. E eles não ficaram decepcionados, pois é provável que Hitler e Stalin foram possuídos pelos demônios mais poderosos de todos, que usaram estes homens para lutarem a maior guerra que o mundo já viu (na história conhecida). Desde que Hitler foi efetivamente responsável pelo Ocidente, ele deve, portanto, ter sido possuído por Azazel, o príncipe demônio do Ocidente.
Por outro lado Stalin, que efetivamente governou o Oriente, deve ter sido possuído por Semjaza, o príncipe demônio do Oriente.Assim, a Segunda Guerra Mundial foi essencialmente só a parcela o mais recente na luta entre estes dois demônios poderosos sobre regência da Terra.
A “Judia” Estrela de David. Os nazistas forçaram os judeus nos países conquistados A usarem esta “marca” durante a Segunda Guerra Mundial. Azazel terá outra “marca” pronta para aqueles que ele conquistar no rescaldo da III Guerra Mundial.
 

HITLER E OS JUDEUS


No entanto, apesar da inimizade entre Azazel e Semjaza seja terrível e infindável, porém o maior inimigo de Azazel é o povo de Deus, mais particularmente, os judeus. Muitos certamente se perguntaram por que foi que Hitler tentou exterminar os judeus, em vez de apenas deportá-los, se ele estava tão concentrado em manter a “pureza” da raça germânica? De fato, seu ódio contra os judeus foi muito além do mero anti-semitismo – não foi definitivamente um poder maligno espiritual motivando-o a sair do seu caminho para tentar destruí-los. A resposta, no contexto que temos desenvolvido, é simples. Os judeus e outros povos semitas, que são basicamente a humanidade como Deus havia pretendido,são descendentes puros de Adão , tinha se casado com os restos dos gigantes e outros  povos Jafetitas , de forma eficaz de “normalizar” e reduzir a ocorrência dos genes gigantes que permaneceram dos Gomerianos e outros gigantes celtas que tinham escapado  do abate pelos romanos. Como tal, os povos germânicos e celtas se tornaram menores em estatura, mas muito mais civilizados e amigáveis, ao ponto em que eles foram capazes de se estabelecer e criar uma grande civilização. Não mais  bárbaros errantes, buscando conquistar e destruir para preencher o vazio que sentiam por dentro, o cruzamento com os judeus e outros semitas, junto com os ensinamentos espirituais que os semitas tinham retidos de Noé e os profetas posteriores de Deus, aparantemente, tinham-lhes dado a capacidade de amar e demonstrar preocupação com o bem estar dos outros, ao invés de só olharem para  si. Carlos Magno foi um excelente exemplo deste tipo de “homem transformado”, que foi capaz de superar suas próprias necessidades e, em vez colocar as necessidades de seu vizinho à frente da sua própria. Sem essa filosofia, as civilizações não podem ser criadas, e muito menos mantida. Amor, perdão, e colocando as necessidades dos outros antes de sua própria são a base de toda a civilização, e assim que estes princípios são removidos,  a civilização vai desmoronar de volta à barbárie.
Assim foi que, como em todas as invasões gigantes, o Gomerianos acabaram desgastados e criados fora da existência, derrotados na corrida armamentista incansável da genética . Agora, uma combinação de povos e Jafetitas semita (assim como alguns Hamititas), a raça europeia, como é conhecida hoje , tem vivido por milhares de anos em uma sociedade equilibrada e civil, cujas realizações culturais rivalizam qualquer outra que o mundo já viu. Ainda hoje, na europa pós-cristã , as velhas instituições e visões de mundo que foram fundadas na era cristã ainda impede a sociedade Europeia de descer de volta à barbárie, apesar de seus melhores esforços para remover a cristandade e as suas instituições e substituí-la pelo  socialismo  estéril fútil. No entanto, se o seu socialismo é o socialismo nacional de Hitler agressivo ou passivo, socialismo “democrático” do século 21 na Europa, ambas falham igualmente , e deixam os europeus se perguntando por que tiveram  tantos anos de sucesso, apenas para falharem no final. Tendo rejeitado a Deus, tendo  deixado seu povo viver no passado, para persegui-los no presente, a Europa vai mais uma vez deixar de aprender com a história e procurar um bode expiatório para seu fracasso. E mais uma vez, os judeus e seus aliados serão acusados ​​pelo fracasso de suas ideologias caídas, e mais uma vez Azazel moverá os povos da Europa para exterminar seu antigo inimigo .

A FUTURA GUERRA DE GOG E MAGOG


A próxima grande guerra  de Gog e Magog, conforme descrito em Ezequiel 38-39 , onde Gog e Magog e a banda dos povos árabes em conjunto  criarão uma “solução final” para os judeus. O “cavaleiro branco” (que o leitor entenda) representa as forças da Aliança do Ocidente, que será composta de os EUA, Grã-Bretanha, Israel, Itália, Japão, Austrália, Nova Zelândia, e uma série de outros países. “Gog” representa as forças da Europa, incluindo França, Alemanha e outros de esquerda socialistas de países europeus. Europa pode ou não participar militarmente, mas certamente participará economicamente. “Magog” representa as forças da Rússia e as repúblicas da Ásia Central. A partir do sul e oeste virá o resto das nações árabes e islâmicas que são capazes de travar guerra com competência, incluindo Egito, Líbia e Sudão no sul, e Síria e Turquia, possivelmente a partir do oeste. Jordânia, Arábia Saudita, Iêmen e os Emirados menores não vão se envolver militarmente. Estas forças de “Gog e Magog”, ou “o Eixo Leste”, vai ser totalmente destruído, provavelmente por armas nucleares , uma guerra convencional contra uma força tão grande seria impraticável. Esta destruição será feita pelo próprio Deus, descrito em Ezequiel como “fogo do céu”.
Desta vez, porém, a perseguição dos judeus será instigado não só por Azazel, mas também por Semjaza, que também vai mover o seu povo para tentar exterminar os judeus em conjunto com Azazel. Semjaza odeia o povo de Deus, tanto quanto faz Azazel, como provam os muitos pogroms russos e judeus da Ásia Central e até mesmo alguns cristãos que tiveram de suportar às mãos dos russos e seus aliados. Mais uma vez, provavelmente muito em breve, Azazel, que governa sobre Gog, vai unir forças com Semjaza, que governa sobre Magog em uma última tentativa de destruir os judeus, como está escrito no Livro de Ezequiel:
Veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo:Filho do homem, dirige o teu rosto contra Gogue, terra de Magogue, príncipe e chefe de Meseque, e Tubal, e profetiza contra ele.E dize: Assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu sou contra ti, ó Gogue, príncipe e chefe de Meseque e de Tubal;E te farei voltar, e porei anzóis nos teus queixos, e te levarei a ti, com todo o teu exército, cavalos e cavaleiros, todos vestidos com primor, grande multidão, com escudo e rodela, manejando todos a espada;Persas, etíopes, e os de Pute com eles, todos com escudo e capacete;Gomer e todas as suas tropas; a casa de Togarma, do extremo norte, e todas as suas tropas, muitos povos contigo.Prepara-te, e dispõe-te, tu e todas as multidões do teu povo que se reuniram a ti, e serve-lhes tu de guarda.Depois de muitos dias serás visitado. No fim dos anos virás à terra que se recuperou da espada, e que foi congregada dentre muitos povos, junto aos montes de Israel, que sempre se faziam desertos; mas aquela terra foi tirada dentre as nações, e todas elas habitarão seguramente.Então subirás, virás como uma tempestade, far-te-ás como uma nuvem para cobrir a terra, tu e todas as tuas tropas, e muitos povos contigo.Assim diz o Senhor DEUS: E acontecerá naquele dia que subirão palavras no teu coração, e maquinarás um mau desígnio,E dirás: Subirei contra a terra das aldeias não muradas; virei contra os que estão em repouso, que habitam seguros; todos eles habitam sem muro, e não têm ferrolhos nem portas;A fim de tomar o despojo, e para arrebatar a presa, e tornar a tua mão contra as terras desertas que agora se acham habitadas, e contra o povo que se congregou dentre as nações, o qual adquiriu gado e bens, e habita no meio da terra.Sebá e Dedã, e os mercadores de Társis, e todos os seus leõezinhos te dirão: Vens tu para tomar o despojo? Ajuntaste a tua multidão para arrebatar a tua presa? Para levar a prata e o ouro, para tomar o gado e os bens, para saquear o grande despojo?Portanto, profetiza, ó filho do homem, e dize a Gogue: Assim diz o Senhor DEUS: Porventura não o saberás naquele dia, quando o meu povo Israel habitar em segurança?Virás, pois, do teu lugar, do extremo norte, tu e muitos povos contigo, montados todos a cavalo, grande ajuntamento, e exército poderoso,E subirás contra o meu povo Israel, como uma nuvem, para cobrir a terra. Nos últimos dias sucederá que hei de trazer-te contra a minha terra, para que os gentios me conheçam a mim, quando eu me houver santificado em ti, ó Gogue, diante dos seus olhos.Assim diz o Senhor DEUS: Não és tu aquele de quem eu disse nos dias antigos, por intermédio dos meus servos, os profetas de Israel, os quais naqueles dias profetizaram largos anos, que te traria contra eles?Sucederá, porém, naquele dia, no dia em que vier Gogue contra a terra de Israel, diz o Senhor DEUS, que a minha indignação subirá à minha face.Porque disse no meu zelo, no fogo do meu furor, que, certamente, naquele dia haverá grande tremor sobre a terra de Israel;De tal modo que tremerão diante da minha face os peixes do mar, e as aves do céu, e os animais do campo, e todos os répteis que se arrastam sobre a terra, e todos os homens que estão sobre a face da terra; e os montes serão deitados abaixo, e os precipícios se desfarão, e todos os muros desabarão por terra.Porque chamarei contra ele a espada sobre todos os meus montes, diz o Senhor DEUS; a espada de cada um se voltará contra seu irmão.E contenderei com ele por meio da peste e do sangue; e uma chuva inundante, e grandes pedras de saraiva, fogo, e enxofre farei chover sobre ele, e sobre as suas tropas, e sobre os muitos povos que estiverem com ele.Assim eu me engrandecerei e me santificarei, e me darei a conhecer aos olhos de muitas nações; e saberão que eu sou o SENHOR.Ezequiel 38:1-23
A frase, “Gog da terra de Magogue” é interessante, pois implica que Gog e Magog, inimigos hereditários, serão como um só em uma grande guerra que envolverá mais da Europa e Ásia. As tendências atuais da geopolítica parecem apoiar essa probabilidade, como os alemães socialista e os gauleses absolutos invocam mais e mais a retórica anti-ocidental, e continuam a alinharem-se com uma ressurgente Rússia . Este pode ser o que Ezequiel quis dizer com “Gog da terra de Magogue” – os líderes da Europa, embora localizados nas terras hereditárias de Gog, são politicamente comunista, e desta forma eles são “da terra de Magogue”. Deus vai tirar esse grupo de nações e “transformá-los em torno de”, apontando-os de volta no seu ponto de origem no Oriente Médio, de onde Gomer e Magog originalmente emigraram mais de 10.000 anos atrás. Mas esse retorno não será pela paz, mas para a guerra, como as tendências belicosas dessas pessoas, mais uma vez vêm à tona, e eles se aliarão com o Irã, Síria, Turquia, Egito, Líbia e Sudão em uma última tentativa de destruir Israel.
Esta imensa horda vira-latas ,  terá um objetivo – para destruir os judeus uma vez por todas, e quem seja aliado deles. É importante notar que esta profecia só pode ter lugar depois de AD 1948, como a terra de Israel, “uma terra que foi recuperada da guerra, cujas pessoas foram recolhidas a partir de muitas nações para as montanhas de Israel” tinham deixado de existir após a os romanos saquearam Jerusalém em 70 dC. Espalharam entre as nações para cerca de 1.900 anos, só nos últimos 50 anos ou mais que a profecia de Ezequiel foi capaz de ser cumprida. Além disso, curiosamente, uma “parede” ou “cerca” foi recentemente criada pelos israelenses, a fim de impedir a entrada de terroristas palestinos. Na verdade, é um grande ponto de discórdia que vem travando o processo de paz no Médio Oriente. No entanto, com Arafat morto, e com o processo de paz no Médio Oriente na balança, os israelenses fazem comércio com a paz, e a profecia de Ezequiel que Israel será “uma terra das aldeias não muradas” vai ser cumprido.
Em resumo, esse “eixo leste” tentará roubar e destruir Israel, com a intenção de se livrar de seus antigos inimigos e enriquecendo-se no processo. Infelizmente para eles, Israel não só é perfeitamente capaz de se defender, mas como é parte da aliança ocidental, que será parte de uma força militar que é muito superior à de Gog e Magog. Buscando superar a Aliança Atlântica, com números absolutos, o Eixo Leste serão atendidos com contra força nuclear “, torrentes de chuva, granizo e enxofre queimando”, e quase toda a força invasora será aniquilada. E desta forma o gigantes Gog e Magog , os antigos inimigos de Deus, conhecerão sua condenação.
CAÇANDO GIGANTES
Desafio holandês
Apesar de Gog e Magog encontrarem seu destino no Oriente Médio, nem todos os gigantes na Terra vivem na Europa e Ásia. Como vimos, muitos dos gigantes da Europa e da Ásia deixaram as suas terras ancestrais e emigra através dos mares para conquistar a América . Poderia muito bem ser que o mais poderoso, agressivo, inteligente e perigoso dos gigantes tinha emigrado para a América em tempos passados, e, recentemente, levou consigo a tocha de fogo da tecnologia(conhecimento) que Prometeu / Azazel tinha roubado do céu e dado aos homens. E embora os gigantes tenham diminuído em estatura, sua inteligência e ambição ainda estão sem limites, e sua fome de poder, insaciável. Pode ser que, a América, seja o lugar onde os gigantes da Terra farão a sua última aparição, e a partir daí, tentarão uma vez mais conquistar o mundo inteiro.
Embora a Europa e a Rússia tenham um passado de guerras, de longe o país militarmente mais poderoso que o mundo pós-diluviano já conheceu é o Estados Unidos. Com armas que nunca se viu desde o afogamento do mundo antediluviano, a América é bem capaz de dominar o mundo inteiro agora .Tecnologia super-avançada, só poderia ter vindo de Azazel, o anjo caído que ensinou à humanidade em como fazer armas avançadas de guerra no mundo antes do Dilúvio, armas que levaram a guerras e que que deixaram a terra tão contaminada que foi necessário um Dilúvio para mantê-la habitável. Pode bem ser que Azazel deixe a Europa e América, em vez de escolhê-las como o meio através do qual ele tentará conquistar o mundo. Este pode ser o verdadeiro significado da frase, “Gog da terra de Magogue” – toda a Europa e Ásia Central estão atualmente sob o controle de Semjaza. No entanto, está se tornando cada vez mais claro que Azazel pretende usar os Estados Unidos para finalmente derrotar Semjaza e os seus associados e conquistarem não só a Europa e a Rússia, mas também no Oriente Médio, Ásia e, por um tempo, mesmo o mundo inteiro.

Há uma profecia dos índios Hopi que, no final da Quarta Era, a Masaw, o zelador da Terra será dado o controle da Terra. Isso será necessário, como a humanidade vai ter mais uma vez abandonado as leis do Criador, e terá caído na anarquia, exigindo uma mão firme, a fim de restaurar o equilíbrio .O Trono de Masaw no mito Hopi era, naturalmente, na região do deserto do sudoeste da América, os Hopi consideram o “centro do universo”, de onde ele vai subir novamente perto do final da quarta era. Pode bem ser que Masaw seja o mesmo demônio kosmokrator conhecido na Bíblia e no Livro de Enoque como “Azazel”, o príncipe deste mundo. Se assim for, o deserto, ou no oeste americano, em geral, pode ser a sede do próximo grande império mundial, ao contrário todos os outros que vieram antes.

 4  ”Ora, naquele tempo havia gigantes na terra; e também depois…”
Gênesis 6
FIM
NOTAS:
1 Charles DeLoach, “Giants Who Became Gods”, in Giants: A Reference Guide from History, the Bible, and Recorded Legend (Metuchen, NJ: The Scarecrow Press, Inc., 1995), 110-112.

2 DeLoach, “Giants Who Became Gods”, 112.

3 DeLoach, “Giants Who Became Gods”, 113-114.

4 DeLoach, “Giants Who Became Gods”, 118-119.

5 Vassil Karloukovski, “The Cimmerians” (Great Bulgaria: http://members.tripod.com/great-bulgaria/).

6 DeLoach, “Gomarian Giants”, 133.

7 DeLoach, “Celtic Giants”, 53.

8 DeLoach, “Celtic Giants”, 54-55.

9 DeLoach, “Celtic Giants”, 56-57.

10 DeLoach, “Rome vs. Senone Giants”, 249-251.

11 DeLoach, “German Giants’ Annihilation”, 96.

12 DeLoach, “German Giants’ Annihilation”, 96-97.

13 DeLoach, “German Giants’ Annihilation”, 101-102.

14 DeLoach, “Maximinus”, 186.

15 DeLoach, “Maximinus”, 190.

16 Robin Chew, “Charlemagne: King of the Franks and Emperor of the Holy Roman Empire” (Lucidcafe: http://www.lucidcafe.com).

17 DeLoach, “Charlemagne”, 62.

18 DeLoach, “Maximilian”, 183.

19 DeLoach, “Maximilian”, 180-181.

20Adolf Hitler und die Ubermensch von der Golden Dawn” (Forumer: http://forumer.com).

21Adolf Hitler und die Ubermensch von der Golden Dawn“.

LINKS SOBRE GIGANTES
Giants IV bullet SilkRoad.com: Silk Road Chronology
Giants IV bullet The Cimmerians
Giants IV bullet Livius: Cimmerians
Giants IV bullet Livius: Scythians/Sacae
Giants IV bullet SilkRoad.com: The Scythians
Giants IV bullet SilkRoad.com: The White Huns – The Hephthalites
Giants IV bullet Livius: Arians
Giants IV bullet Tobolsk, CIS And Baltic Political Geography
Giants IV bullet Wikipedia: Kurgan
Giants IV bullet Proto-Indo-European and Indo-Europeans
Giants IV bullet Indo-European Language Tree: Centum Languages (Western/X1 Branch)
Giants IV bullet Indo-European Language Tree: Satem Languages (Eastern/X2 Branch)
Giants IV bullet A. Richard Diebold Center for Indo-European Language and Culture
Giants IV bullet A. Richard Diebold Center for Indo-European Language and Culture: The Indo-European Language Family
Giants IV bullet The Early History of Indo-European Languages
Giants IV bullet The Rosetta Project: Indo-European Languages
Giants IV bullet Gog and Magog
Giants IV bullet The Legend of Gog and Magog
Giants IV bullet Gog and Magog
Giants IV bullet Chuck Missler: “The Magog Identity”
Giants IV bullet AC Russia Invades Israel

Comente com seu facebook

Comentário

Veja também

GIGANTES NEPHILIM DA BÍBLIA: Instituto dos EUA divulga documentos sigilosos sobre esqueletos humanos gigantes

Uma decisão da Corte Suprema dos EUA pediu que o Instituto Smithsoniano tornasse públicos documentos …

2 Comentários

  1. Os gigantes da Roma depois de Cristo se tornaram líderes na então capital do mundo . O DNA destes humanos é milenar tanto fisicamente como espiritualmente , uma vez que seus espíritos agiam tão bestialmente num corpo físico como seus antepassados. O fato de terem chegado a incríveis altura de 8 metros não tirou a inacreditável inteligencia de ataque militar ou atos de violência contra os humanos normais. Fica a questão : imaginemos se na atualidade os laboratórios de biotecnologia começarem a tratar de reativar moléculas de formação de celulas de crescimento no objetivo de criar gigantes humanos ? Digamos que na atualidade a inteligência cerebral formada por esta metamorfose bioartificial em um corpo gigante criado , se tornasse uma ameaça incomum aos humanos normais? É de se refletir sobre este ponto de vista interrogativo

  2. “O “cavaleiro branco” (que o leitor entenda) representa as forças da Aliança do Ocidente, que será composta de os EUA, Grã-Bretanha, Israel ?????????????, Itália, Japão, Austrália, Nova Zelândia, e uma série de outros países.”

    Desde quando Japão, Austrália e Nova Zelândia são ocidentais?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *