Home / SACRIFÍCIO RITUAL / As Estranhas Coincidências que cercam a Morte de Kobe Bryant

As Estranhas Coincidências que cercam a Morte de Kobe Bryant

Kobe foi um daqueles atletas que transcendeu as fronteiras de seu esporte para se tornar uam dos maiores ícones da cultura pop. Mais do que uma estrela do basquete, Kobe era um nome familiar – o tipo conhecido em todo o mundo pelo nome. Ele era a personificação do sucesso e da grandeza. Na quadra de basquete, ele ganhou tudo o que era possível ganhar e estava passando esse legado para as quatro filhas. Fora da quadra, ele ganhou alguns dos acordos de patrocínio mais lucrativos da história do esporte e estava à frente de um enorme império comercial. Ah, ele também ganhou um Oscar. E, quando grandes armadilhas surgiram em seu caminho (ou seja, alegações de estupro em 2003), ele conseguiu dar a volta por cima como a mesma habilidade que segurava a bola de basquete. Em suma, parecia que nada poderia impedir Kobe de voar alto… até que tudo desabasse.
Por esses motivos, a morte súbita e inesperada de Kobe Bryant, aos 41 anos, foi recebida com total choque e descrença. Foi um daqueles eventos que imediatamente envia ondas de choque ao redor do mundo. Mas essa onda de choque foi mais fortemente sentida no epicentro de tudo: Los Angeles.
Algumas horas depois, o Staples Center – a arena onde Kobe fez história – se transformou em um memorial improvisado para o atleta falecido. Na mesma noite, um grande evento de mídia acontecia nesse local exato: o Grammy Awards 2020.
Esta é uma das muitas coincidências bizarras em torno da morte de Kobe Bryant. E há muito mais.
Sincronicidade é definida como “a ocorrência simultânea de eventos que parecem significativamente relacionados, mas não têm conexão causal discernível”. Carl Jung descreveu esses eventos como
“coincidências significativas”. Ele também acreditava que elas aconteciam por uma razão.
O mínimo que se pode dizer é que a morte de Kobe está cercada por alguma sincronicidade sinistra. Ou foi tudo planejado?
Uma coisa é certa, há uma conexão estranha entre Kobe e acidentes de helicóptero. Isso é surreal. Aqui estão alguns exemplos.
Acidente de Helicóptero
Em 2011, Kobe estrelou um grande anúncio repleto de estrelas para promover seus tênis da Nike e seu novo alter-ego: Black Mamba. Com duração de quase 6 minutos, o anúncio terminou com Kobe lutando contra um “chefe final” (interpretado por Kanye West), que foge em um helicóptero. O que se segue agora é… misterioso.
Kanye West fica pendurado em um helicóptero no final do anúncio de Black Mamba.
Kobe então percebe que a bola de basquete que está segurando é na verdade uma bomba. Ele joga no helicóptero.
O helicóptero explode no ar e bate na quadra de basquete. O anúncio termina com os destroços em chamas de um helicóptero.
Em 2017, Kobe foi destaque no desenho animado para adultos Chamberlain Heights… e ele literalmente morre em um acidente de helicóptero.
Kobe rasteja para fora de um helicóptero que caiu.
Depois de pedir ajuda (e não recebê-la), o helicóptero de Kobe explode.
Os anéis do campeonato de Kobe caem, o que implica que ele está realmente morto.
Quando as coincidências se tornam “coincidências significativas”? Difícil de dizer. No entanto, o fato de a morte de Kobe estar intimamente entrelaçada com o Grammy Awards 2020 aumenta a estranheza.
Kobe e o Grammy
Para entender completamente a sincronicidade em jogo aqui, preciso voltar a 2012. Em 11 de fevereiro de 2012, Whitney Houston – um importante ícone na indústria da música – foi encontrada morta no Beverly Hilton, em Los Angeles. No mesmo local exato, alguns andares abaixo, uma festa pré-Grammy estava sendo realizada com mais de 800 convidados. No dia seguinte, o Grammy Awards de 2012 ocorreu e todo o evento foi contaminado pela morte de Houston. Como explicado no meu artigo Whitney Houston e o Mega-Ritual do Grammy 2012, a cerimônia foi assustadora e estranha – repleta de tons satânicos. O evento também apresentou a “substituta” de Whitney – Jennifer Hudson.
Jennifer Hudson foi literalmente colocada “no centro 
das atenções” enquanto se apresentava sob fotos de Whitney 
Houston no Grammy Awards 2012. “Passando a tocha”.
Curiosamente, a morte de Kobe seguiu o mesmo padrão exato. Poucas horas antes do Grammy Awards 2020, Kobe Bryant morreu em um acidente de helicóptero em Calabasas, Califórnia – a cerca de 48 quilômetros do Staples Center, onde o Grammy Awards ocorreu.
Coincidentemente, foi neste mesmo Staples Center que Kobe atuou centenas de vezes como parte do Los Angeles Lakers. Alicia Keys, apresentadora do Grammy 2020, chegou a chamar a arena de “a casa que Kobe construiu”.
Logo após a morte de Kobe, o Staples Center se 
transformou em um memorial improvisado para Kobe.
Na mesma noite, no mesmo local, o Grammy Awards 2020 aconteceu. Todo o evento foi fortemente contaminado pela morte de Kobe.
Uma performance com DJ Khaled, YG e John Legend foi dedicada 
Nipsey Hussle – outro “rei de Los Angeles” que morreu em circunstâncias
 estranhas (leia meu artigo sobre ele aqui). Aparentemente, Kobe foi 
adicionado no último minuto a esse tributo.
Portanto, assim como Whitney Houston, a morte de Kobe estava intimamente ligada ao Grammy e se tornou o evento da mídia de massa que ritualizava sua morte. E, assim como Whitney Houston, uma “passagem de tocha” ocorreu pouco antes de tudo isso. Esta é a publicação final de Kobe no Instagram:
Kobe parabeniza Lebron James por superá-lo na
lista de pontuadores de todos os tempos da NBA.
Coincidentemente, Lebron escreveu em seus sapatos um tributo no dia do jogo:
Lebron James escreveu “Mamba 4 Life” em seus sapatos
 no jogo “passagem da tocha” antes da morte de Kobe.
Portanto, após a coroação do “Rei James”, Kobe morreu perto do Staples Center, onde reinou por anos. É nesse mesmo Staples Center que o Grammy Awards 2020 se transformou em uma cerimônia de elite da indústria de Kobe. Desde 2009, afirmo que essas premiações são na verdade mega rituais que emanam energia poderosa. O Grammy Awards 2020 foi um excelente exemplo desse fato.
Conclusão
A morte súbita de Kobe Bryant lembra as mortes súbitas de outros ícones, como Michael Jackson e Whitney Houston. Visto que essas figuras eram onipresentes na mídia de massa, elas eram, de alguma maneira estranha, parte da vida das pessoas. Portanto, as notícias de suas mortes inevitavelmente criariam uma onda de choque em todo o mundo. E esse choque e tristeza foram palpáveis ​​no Grammy Awards 2020 – da mesma forma que foi palpável no Grammy 2012, após a morte de Whitney Houston.
Embora a morte possa atingir qualquer pessoa, a qualquer momento e que os acidentes definitivamente aconteçam diariamente, os casos de Whitney e Kobe são cercados por muitos fatos assustadores. Embora todos possam ser descartados como meras coincidências, Carl Jung acreditava que, às vezes, as coincidências são tão significativas que o universo está, de alguma forma, tentando nos dizer algo. Talvez, houvesse forças sombrias em jogo na morte de Kobe.

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.