Principal / Uncategorized / A Agenda do Estado Policial em Jay-Z e Kanye West, “No Church in The Wild” e Adam Lambert, “Never Close Our Eyes”

A Agenda do Estado Policial em Jay-Z e Kanye West, “No Church in The Wild” e Adam Lambert, “Never Close Our Eyes”

Por
que os vídeos de música nos dias de hoje muitas vezes apresentam a
polícia em equipamento anti-motim e repressão violenta? Existe uma
tentativa de normalizar o conceito de um estado policial nos meios de
comunicação? Dois exemplos recentes e gritantes dessa agenda é o vídeo
de Jay-Z e Kanye West,”No Church in The Wild”, e de Adam Lambert, “Never
Close Our Eyes”. Mesmo que essas músicas sejam diferentes em estilo, as
suas mensagens subjacentes são semelhantes e estão a par com a agenda
do estado policial da elite mundial. Este artigo irá olhar para o
significado e as implicações desses vídeos.

O que Jay-Z tem em comum com Adam Lambert? À primeira vista nada. Na segunda olhada, eles são artistas mainstream predominantes
na indústria da música e, em algum momento, mesmo que eles difiram no
estilo e substância, são esperados a estar empurrando a agenda da elite.
A indústria do entretenimento está sendo usada para promover e
normalizar o conceito de um Estado policial nos olhos dos jovens. De
performances em shows ao vivo aos vídeos de música, há um esforço
consciente e constante para associar a aura “legal”e “sexy” de estrelas
da música pop com a visão um tanto abominável da polícia de choque em uma sociedade livre.
Dois exemplos recentes da
perpetuação da agenda do estado policial na cultura pop são os vídeos de
Jay-Z e Kanye West, “No Church in The Wild”, e de Adam Lambert, “Never
Close Our Eyes”. Apesar do fato de que essas canções são de dois gêneros
diferentes que visam atingir dois mercados diferentes, ambas contribuem
para a saturação da cultura popular com imagens de Estado policial.
Enquanto as autoridades não estão necessariamente sendo retratadas como
os “mocinhos”, elas, no entanto, estão lá, como se sua presença em
qualquer tipo de manifestação pública fosse normal. Vamos olhar para o
simbolismo e o significado subjacente a esses dois vídeos.
No Church In The Wild
“No Church In The Wild” tem
bastante implicações filosóficas profundas. As letras estão, é claro, lá
para interpretações, uma das quais é que a música é uma rejeição do
dogma religioso para abraçar uma forma mais humanista (e talvez
hedonista) de vida. O título da música em si é uma forma figurativa de
dizer que as instituições religiosas como a Igreja são desnecessárias
construções humanas que não são encontrados na natureza. Dito isso, o
vídeo consiste de imagens lindas de árvores e riachos … oh não, na
verdade o vídeo é sobre um monte de caras apanhando da polícia de
choque. Por quê? Qual é a relação com a letra? Eu não estou totalmente
certo, mas o vídeo são cinco minutos seguidos de manifestantes furiosos e
repressão policial violenta. Uma ótima maneira para dessensibilizar os
jovens para o conceito de estado policial.
O vídeo começa com um cara ascendendo um coquetel molotov, em Paris.
No vídeo, os manifestantes não parecem ter uma causa válida 
e estão claramente sendo retratados como os agressores.
Então, de imediato, estamos bem
no meio de um confronto entre a polícia em equipamento anti-motim e os
manifestantes jovens. Não há nenhuma explicação prévia e aos
manifestantes não foi dada nenhuma “causa nobre” para defender. Mesmo se
eles fizessem isso, o espectador não estaria ciente, mais ou menos
parecido como o jeito que a mídia de massa relata histórias de motins em
todo o mundo. Nós apenas estamos vendo a violência sem sentido que é
iniciada pelos manifestantes.
 Os manifestantes estão revoltados e agressivos. Sem uma história de fundo 
que descreve a fonte de sua dor, é um pouco difícil de se identificar com eles.
Os policiais não aturam essa
“porcaria” por muito tempo. Os jovens atacam violentamente dando uma
desculpa para a polícia tirar suas armas brilhantes e retaliar com
violência ainda maior. E como eles batem neles!
Esse cara fica surrado de volta à sanidade.
 Este recebe um calço nos pés para cair de costas 
enquanto outros policiais aparentemente riem dele.
Este
recebe um rosto cheio de gás lacrimogêneo, à queima-roupa, muito
parecido com manifestantes estudantis na UC Davis. Tenho a certeza que
essa não é a maneira 
como o manual do usuário recomenda o uso de gás lacrimogêneo.
Todas essas cenas acontecem em câmera lenta com uma batida legal no fundo. Como Dave Chappelle disse uma vez em seu lendário Chappelle Show,
tudo parece legal em câmera lenta. Mesmo a polícia batendo em um jovem
indefeso. Será que a opressão policial está sendo exaltada de uma forma
indireta? Aqui está uma estranha justaposição de imagens:
Esse cara foi perseguido por cavaleiros da polícia e foi atingido bem na cabeça com um cassetete.
Logo após esta cena, vemos uma foto de uma estátua que dá um significado mais profundo para a violência mostrada.
Logo depois de vermos um manifestante sendo batido por um policial, vemos uma
 foto de uma estátua de Teseu batendo no Minotauro. Essa história da mitologia grega esotericamente representa o assassinato do”animal inferior” do homem a fim de alcançar 
a iluminação. Será que o vídeo dizendo que as massas rebeladas são o lado”animal
inferior” da sociedade que precisam ser domadas (ou assassinadas) pelo iluminado?
O vídeo apresenta várias outras
fotos impressionantes de esculturas encontradas em Paris, notavelmente
algumas do Arco do Triunfo. Esculturas e monumentos nas grandes cidades
são muitas vezes imbuídas de simbolismo, mitologia e filosofia da elite
mundial e as sociedades secretas por trás delas. Uma vez que esses
monumentos enormes são frequentemente encomendados e financiados por
membros da elite mundial. É bem esperado que eles os representem e
também as suas opiniões. No contexto do vídeo, mostrando esses
monumentos de pedra implacavelmente olhando para o caos que está
acontecendo na rua é um lembrete de que a elite está vendo o que está
acontecendo e, provavelmente, aprovando. Afinal, o lema maçônico da
elite mundial não é Ordo Ab Chao (Ordem Fora do Caos)?
Mais tarde no vídeo, o dia se
transforma em noite…e luzes estroboscópicas, do tipo que costumam ser
visto em clubes e raves, aparecem na cena do motim.

A polícia de motim cercada por luzes estroboscópicas. Eles estão
 realmente tentando associar a polícia com materiais que jovens desfrutam.
Normalmente quando as luzes
estroboscópicas se encontram, é porque algo legal está acontecendo,
como  música, festas ou dança. Dito isso, por que elas estão em torno da
polícia de motim? Estamos tentando confundir as mentes dos jovens com a
bom e velha dissonância cognitiva? Apenas no caso de você poder estar
sendo confundido: Ser reprimido pela polícia não é igual a uma festa.
No final do vídeo, ninguém
verdadeiramente ganha ou perde. Desordeiros lutam e aparecem
triunfantes, enquanto a polícia ainda permanece em volta. Em outras
palavras, nada foi alterado e o status quo é preservado. Um
elefante faz uma aparição estranha nas ruas de Paris, lembrando os
telespectadores que o “selvagem” em questão é, de fato, a nossa
sociedade, onde as pessoas agem como animais e o mais forte ganha. Nesse
deserto, não há Igreja, nenhum descanso para a selvageria, apenas as
estátuas com vista para a violência. Essas esculturas representam os
mestres das marionetes, aqueles que puxam as cordas de ambos os lados, a
fim de avançar a sua agenda para uma sociedade mais controlada e
repressiva.

Never Close Our Eyes
Embora a canção de Adam Lambert,
“Never Close Our Eyes”, seja muito diferente de “No Church In The
Wild”, ela ainda expõe os jovens ao mesmo tipo de imagens e termina de
forma semelhante: uma ilusão de vitória dos revolucionários – com uma
ênfase especial na palavra ” ilusão “.

“Never Close Our Eyes”ocorre em um futuro distópico (na mídia de massa, o
futuro é sempre distópico) em um cenário que lembra filme o de George
Lucas, “THX 1138” ou “A Ilha”, de Michael Bay, onde Adam Lambert
encontra-se vivendo em uma comunidade rigidamente monitorada (ou
prisão), cercada por habitantes sem emoções ou parecidos com zumbis.

“Never Close Our Eyes” é um outro vídeo em um futuro distópico, caracterizada pela 
onipresença de câmeras de vigilância. Se nós ainda não estivermos nessa visão de 
futuro, estamos definitivamente indo diretamente em direção a ela.
Nesse composto gigante, os
habitantes estão constantemente sob vigilância, são alimentados e
sedados com pílulas e têm a sua individualidade reprimida através da
remoção da cor dos olhos.

Adam e seus companheiros devem entrar em uma máquina sugadora de almas
 que remove a cor dos olhos das pessoas – representando a perda da vontade 
própria e da individualidade. Não é para isso que servem as TV?
A cor dos olhos de Adam, no
entanto, permanecem a mesma – o que significa que ele rejeita a
doutrinação do sistema. Ele finalmente se cansa e começa uma rebelião.
Uma revolta bastante dançante.

Adam não sente mais vontade de fazer trabalho braçal. Assim, 
ele se levanta ousadamente e foge com outros rebeldes.
Adam e sua tripulação, em seguida, correm para a saída, a fim de escapar da prisão do “Big Brother”.
Então, até agora, poderíamos
dizer: “Finalmente, alguém que se levanta contra essa Nova Ordem Mundial
e entrega uma mensagem inspiradora”. A maioria dos críticos
efetivamente descrevem esse vídeo como “Adam Lambert destruindo o ‘Big
Brother’ com a dança”. Mas será que ele realmente destrói o Big Brother?
Vamos olhar para o resto do vídeo e ver o que realmente acontece.
Um grupo de oficiais encontra-se com os rebeldes na cerca e atira fumaça neles – transformando o local em uma pista de dança!

Em ‘No Church In The Wild’, a polícia foi cercada por luzes estroboscópicas e em 
‘Never Close Our Eyes’, ela anda por aí com aparelhos para fazer fumaça, como aqueles 
encontrados nos clubes. Uau, a polícia sempre traz diversão a qualquer lugar!
Depois de terem recebido fumaça,
Adam e seus amigos lutam para derrubar o muro e fugir? Não, eles ficam
atrás da cerca e começam a dançar. Será que isso se iguala a destruir o
“Big Brother”? A última vez que verifiquei: Não.

Depois
de receberem fumaça da polícia, Adam e seus amigos são mostradas
vestindo trajes coloridos e realizando coreografias super-dançantes.
Tome isso, “Big Brother”!
Se você olhar atentamente para a
cena de dança, as roupas de Adam sempre mudam, o que pode sugerir que a
coisa toda é apenas uma grande ilusão ou alucinação. Será que eles
estavam drogados pelo gás? Está tudo isso acontecendo em suas cabeças? É
tudo isso apenas dança, fumaça e espelhos  fazendo-os acreditar que
eles são livres e felizes? Uma coisa é certa, a coisa toda parece ter
confundido Adam e seus amigos, porque, no final do vídeo, eles correm de
volta para o local de onde vieram!

Ei turma, a liberdade é do outro lado! Por que vocês estão voltando 
para lá? Por que estão tão felizes? Por que… ahhhh eu desisto.
Para resumir o vídeo, Adam se
rebela contra um sistema altamente controlado onde todo mundo é
controlado e sedado. Ele corre em direção à liberdade, mas, quando se
encontra com a polícia com armas de fumaça, sua rebelião se transforma
em uma festa colorida e, quando tudo está dito e feito, nada realmente
acontece. Os rebeldes ficam todos felizes e alegres, dançam por um tempo
e correm de volta para o “Big Brother”.
Podemos fazer um paralelo da
conclusão desse vídeo com o que acontece na América e no mundo. Enquanto
as massas estão cada vez mais tendo os seus direitos revogados, a sua
privacidade erradicada e as suas liberdades tiradas, nós não fazemos
nada a respeito. Somos distraídos com fumaça e espelhos, televisão e
cinema, escapismo e negação. Nós celebramos uma ilusão inventada e
fabricada de liberdade, em seguida, corremos de volta para o conforto da
sociedade controlada por uma elite, permitindo que ela prossiga sua
agenda incontestavelmente. Como Frank Zappa disse: “A ilusão de
liberdade continuará enquanto for rentável continuar a ilusão. Quando a
ilusão se tornar muito caro para manter, eles vão apenas derrubar o
cenário, vão puxar as cortinas, vão tirar as mesas e cadeiras do caminho
e você vai ver o muro de tijolos na parte de trás do teatro.”

Conclusão
Os vídeos de Jay-Z e Kanye West,
“No Church In The Wild”, e Adam Lambert, “Never Close Our Eyes”, são
dois exemplos de um esforço generalizado e contínuo para promover
imagens de estado policial em TV, telas de cinema e monitores de
computador em todo o mundo. Associar artistas legais que são adorados
por milhões de pessoas com a polícia de choque não só normaliza o
conceito de um estado policial, mas também cria uma associação
inconscientemente positiva nas mentes dos espectadores. Enquanto isso,
na vida real, protestos por todo o mundo ocidental estão cada vez mais
sendo realizados com a polícia de choque por perto. Repressão violenta,
prisões brutais e armamento sofisticado estão sendo utilizados com cada
vez menos moderação e estão mesmo se tornando uma norma. Protestos
pacíficos são muitas vezes propositalmente sabotados por agentes pagos
que incitam a violência, “legitimando” a repressão policial.
Não se deixe enganar pela fumaça
e espelhos que compõem as notícias e vídeos de música: A presença de
forças policiais fortemente armadas durante as manifestações públicas
não é normal, mas sim uma aberração em uma sociedade livre e
democrática. No entanto, esse fato óbvio parece ter sido esquecido como
as leis policiais do Estado e as táticas e as armas estão sendo
implantadas com cada vez mais freqüência em todo o mundo. Mas não há
nada legal ou normal sobre a polícia de choque … mesmo se ela estiver
sendo mostrada com luzes estroboscópicas em um vídeo de Jay-Z. Mesmo se
eles dançarem com Rihanna, Beyoncé ou Lady Gaga. Mesmo se eles estiverem
em todos os vídeo games. Uma força policial opressiva é o oposto do
normal em uma sociedade livre e justa. E se a polícia já se tornou
normal, a elite terá realizado uma proeza incrível: enrolando as massas
para aceitar um estado policial, sem elas mesmas saberem.

Fonte: VC

Comente com seu facebook

Comentário

Veja também

Sinais do fim: Rússia exibe ao mundo o Satan 2, seu novo míssil termonuclear

No meio de toda a recente tensão entre Estados Unidos e Rússia – com o …

Um comentários

  1. Cara, vc teve uma visão errada do "no church". Ouça a letra, entenda, dê uma olhada no trabalho recente de jay z e k. west e vc entenderá.
    Ao contrário, os "baderneiros" são colocados como herois, tanto que em várias partes osartistas aparecem camuflados no meio do povo.
    A parte que um manifestante está em cima da estatua e derruba o policial mostra bem isso.

    A polica estava reprimindo a população, mas no fim eles conseguem virar e se impor, a cena do policial queimando tambem é emblematica.

    Vc na verdade quer dizer que tudo por aí é ruim e pretede oprimir a população. Kanye e jayz não estão com esse objetivo nessa musica e lipe. Pq eu nao sei. Aumentar o lucro, se colocar como salvadores, ou realmente expor seu pensamento. Mas vc viu isso da maneira errada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *