Principal / Uncategorized / Fim do mundo, o calendário maia, 2012 e a Bíblia

Fim do mundo, o calendário maia, 2012 e a Bíblia

Fim do mundo, calendário maia, 2012 e a Bíblia
Os mais místicos começaram a estocar açúcar, velas e fósforos à
espera do Armagedom.
No Reino Unido, algumas pessoas começaram a
estocar comida e armas para viver nos mais diferentes tipos de
ambientes. Preocupado com o pânico crescente no país, o Ministério de
Situações de Emergência da Rússia tratou de tranquilizar seus cidadãos e
garantiu que o mundo não vai acabar no dia 21 de dezembro. Muitos
russos acreditam na teoria, originada de um antigo calendário maia, de
que, nesta data, o mundo chegará ao fim. O Ministério russo afirmou que
existem métodos de monitorar o planeta e que é possível afirmar com
certeza que nada de incomum vai acontecer nesta data. O tabloide
britânico Daily Mail noticiou. Aproveitamos para lembrar alguns sinais
da volta de Cristo e o tempo certo do seu retorno.
E agora? A pergunta da sua vida.
Os escritores do Velho Testamento, e o próprio Cristo, falaram muitas
vezes de grandes sinais no universo físico: no Sol, na Lua, nas
estrelas e na Terra. Esses sinais seriam indicações especiais de que a
volta de Jesus estaria se aproximando. “As estrelas do céu e as suas
constelações não mostrarão a sua luz. O sol nascente escurecerá, e a lua
não fará brilhar a sua luz” (Is 13:10). “Imediatamente após a
tribulação daqueles dias o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz;
as estrelas cairão do céu, e os poderes celestes serão abalados” (Mt
24:29). “Mas naqueles dias, após aquela tribulação, o sol escurecerá e a
lua não dará a sua luz; as estrelas cairão do céu e os poderes celestes
serão abalados” (Mc 13:24-25).
Estamos falando de um período de tempo na história que é representado
pelo sexto selo, em Apocalipse 6. Veja abaixo um comentário que o
teólogo Roy A. Andernson faz sobre esse assunto, em seu livro,
Revelações do Apocalipse.
O Grande Terremoto
Um dos terremotos mais extensivamente sentidos de que se tem notícia,
ocorreu em 1º de novembro de 1755. É chamado, algumas vezes, “o
terremoto de Lisboa”, porque a maior parte dessa cidade foi destruída,
com perda estimada de60 a90 mil vidas. O mar subiu cinquenta pés acima
do seu nível normal.
“O terremoto de 1º de novembro de 1755 estendeu-se por uma área de
pelo menos seis milhões de quilômetros quadrados. Ele atingiu a maior
parte dos continentes da Europa, África e América; mas sua extrema
violência foi experimentada na parte sudoeste da Europa.” “Na África,
esse terremoto foi sentido quase que com a mesma intensidade que na
Europa. É provável que toda África tenha sido sacudida. Ao norte, ele se
estendeu para a Noruega e Suécia; a Alemanha, Holanda, França,
Inglaterra e Irlanda foram todas mais ou menos agitadas pela mesma
grande e terrível comoção dos elementos.” (Roberto Sears, Wonders of the
World, p. 50, 58).
Terremotos são um sinal da breve volta do nosso Senhor. Teremotos
devastadores têm ocorrido durante este século, causando grande
devastação de vidas: S. Francisco, Jamaica, China, Japão, México,
Turquia e outros.
O Escurecimento do Sol; a Lua Como Sangue
O sexto selo abre-se com grandes convulsões na Terra. Poucos anos
depois da grande convulsão de 1755, outros sinais começaram a ocorrer no
Sol, na Lua e nas estrelas.
“Quase, senão realmente, como o mais misterioso dos fenômenos de sua
espécie, na diversificada linha de eventos da Natureza…está o dia escuro
de 19 de maio de 1780 – a mais inenarrável escuridão de toda a parte
visível do céu e da atmosfera da Nova Inglaterra” (R. M. Devens, Our
First Century, p. 89 e 90).
“A escuridão da noite seguinte foi provavelmente tão intensa quanto a
mais intensa observada desde que o ‘Haja luz’ do Todo-Poderoso deu
origem à luz…. Eu não podia conceber, nessa ocasião, que se cada corpo
luminoso tivesse sido envolvido em sombras impenetráveis, ou banido da
existência, as trevas fossem mais completas. Uma folha de papel branco,
mantida a pequena distância dos olhos, era praticamente tão invisível
quanto o mais negro veludo” (Samuel Tenny do Exeter, New Hampshire.
Citado por Urias Smith em The Prophecies of Daniel and the Revelation,
p. 445).
“Que as trevas não foram causadas por um eclipse é manifesto pelas
diferentes posições dos planetas de nosso sistema, nessa ocasião; pois a
Lua estava a mais de cento e cinquenta graus do Sol nesse dia”. (Dr.
Samuel Stearns, no Independent Chronicle, Boston, 22 de junho de 1780).
Na noite seguinte, a Lua se mostrou de um vermelho sanguíneo. A causa
exata para isso jamais foi estabelecida. Incêndios florestais chegaram a
ser aventados como provável causa, mas essa é uma possibilidade pouco
aceitável, especialmente, levando-se em conta afirmações científicas de
que a causa é desconhecida.
A Queda das Estrelas
“Na noite de 12-13 de novembro de 1833, uma tempestade de estrelas
cadentes irrompeu sobre a Terra. A América do Norte recebeu o maior
impacto deste chuveiro de estrelas. Desde o Golfo do México até Halifax,
até que a luz do dia pusesse fim à exibição, o céu ficou assinalado em
cada direção com riscos brilhantes e iluminados com majestosas bolas de
fogo” (Agnes M. Clerk, History ofAstronomy in the Nineteenth Century, p.
328).
“Provavelmente, o mais notável de todos os chuveiros meteórios que já
ocorreram na Terra tenha sido o de Leonids [na noite seguinte] de 12 de
novembro de 1833. Algumas estações meteorológicas estimaram em pelo
menos 200.000 por hora durante cinco ou seis horas” (C. A. Young, Manual
of Astronomy, p. 469).
Outra grande exibição de estrelas cadentes ocorreu no Velho Mundo em
1866. Conquanto este exemplo não preencha a descrição profética tão
acuradamente, foi sem dúvida outro sinal da breve volta do Salvador.
“Houve momentos em que parecia como se um poderoso vento tivesse
apanhado as velhas estrelas, libertando-as de suas amarras e varrendo-as
através do firmamento… Um fenômeno muito impressionante e muito
assustador… Mas a ciência, que dissipa tantos temores e prova tanta
coisa aparente, ilusória, e nada mais, neste caso não o fez” (London
Times, 15 de novembro (quinta-feira) de 1866).
O dia escuro e a queda das estrelas foram sinais notórios para essa
geração. Mas outras coisas estão acontecendo nesta geração. Faz poucos
anos, a ciência arremessou a humanidade para dentro da era atômica. O
poder do átomo conduziu um submarino por sob a calota polar, e agora o
homem se atirou para dentro do espaço exterior. O fato de poder o homem
agora viajar a aproximadamente 32 mil quilômetros por hora, mais de 300
quilômetrosacima da superfície terrestre, tem qualquer significado para
nós? O Senhor virá precedido por sinais no céu e na Terra.
Portanto, a mensagem de Jesus para você é: “Assim também, quando
virem todas estas coisas, saibam que ele [Jesus] está próximo, às
portas” (Mt 24:33). O dia da vinda do nosso senhor Jesus Cristo está
muito próximo. Por isso, devemos estar atentos aos sinais e, também,
preparados para o encontro com o nosso Deus. Permaneça firme ao lado do
Senhor e você vai subir com Ele para o eterno lar.
Seja feliz!
J.Washington
Valdeci Junior

Comente com seu facebook

Comentário

Veja também

Sinais do fim: Rússia exibe ao mundo o Satan 2, seu novo míssil termonuclear

No meio de toda a recente tensão entre Estados Unidos e Rússia – com o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *