Principal / CONSTRUÇÕES SINISTRAS / CONSTRUÇÕES SINISTRAS: O Simbolismo Oculto na Biblioteca de Los Angeles

CONSTRUÇÕES SINISTRAS: O Simbolismo Oculto na Biblioteca de Los Angeles

Biblioteca de Los Angeles IlluminatiAo longo da história da civilização ocidental, as bibliotecas têm sido os repositórios de conhecimentos acumulados das nações e os epicentros de sua cultura. As  Bibliotecas Centrais, mais do que grandes edifícios que guardam livros, são marcos importantes. Concebida com uma arquitetura impressionante e cheia de arte simbólica, a Biblioteca Central de Los Angeles não é uma exceção. Um olhar mais profundo na arte encontrada na Biblioteca é completamente reveladora: Ela descreve a filosofia oculta de quem está no poder. Veremos Biblioteca Central de Los Angeles na história e o significado oculto de sua arquitetura.

 Criada em 1926, a Biblioteca Central é um importante marco do centro de Los Angeles. A ‘Los Angeles Public Library’ (LAPL) é a peça central de um dos maiores sistemas de bibliotecas com financiamento público do mundo. A maioria dos folhetos turísticos descrevem que o projeto do prédio foi inspirado no antigo Egito e na arquitetura mediterrânea. Como veremos, a escolha do projeto não é simplesmente uma estética, que lembra bastante os ensinamentos e simbolismo de antigas escolas de mistérios da Antiguidade.

 De fato, depois da decodificação da biblioteca e de muitas de suas características esotéricas, podemos dizer com segurança, que o edifício é inspirado principalmente pela Maçonaria, que , por sua vez, está fortemente impregnada de misteriosos símbolos do antigo Egito e nos mistérios do Mediterrâneo.


Biblioteca de Los Angeles Illuminati 2A Sala Egípcia de uma Loja Maçônica atesta a grande importância dos mistérios egípcios na tradição maçônica


Os azulejos superiores da biblioteca em forma de pirâmide, duas esfinges, mosaicos celestes e outros detalhes transformaram este espaço público em um verdadeiro templo ocultista. Além disso, a biblioteca está definitivamente construída em um estado de espírito elitista. O verdadeiro significado da arte em exposição parece estar destinada exclusivamente para os iniciados nas sociedades secretas e não nas massas. Antes de examinarmos as mais importantes características do edifício, vamos analisar a fundo os seus construtores.


O Arquiteto da Elite: Bertram Goodhue

goodhue-e1299786765880Bertram Grosvenor Goodhue foi um arquiteto de vários edifícios dos poderosos

 

 A Biblioteca Central foi concebida por Bertram Grosvenor Goodhue, um arquiteto que foi reconhecido e contratado pelas pessoas mais poderosas da América. Seus trabalhos incluem edifícios governamentais e militares, igrejas, bibliotecas e casas particulares dos políticos.

 Um dos mais reconhecidos edifícios da elite projetados por Goodhue é a sede da ‘Wolf’s Head Society’ – uma sociedade secreta da Universidade de Yale. Junto com a sociedade secreta ‘Skull and Bones’ e o notório Scroll & Key – as duas outras sociedades secretas encontradas na Yale Wolf’s Head, tem funções muito semelhantes à Maçonaria: São discretas, mas influenciam fortemente as elites das maiores universidades latinas. Nas fileiras de seus integrantes, há pessoas que se tornaram proeminente políticos, diplomatas, advogados e atletas.


wolfhead-horzA insígnia/emblema da Yale Wolf’s Head Society


Talvez o mais notável projeto de Bertram seja o Rockefeller Memorial Chapel, da Universidade de Chicago. Encomendado pelo magnata mais poderoso da América, John D. Rockefeller, esta Capela Ecumênica é usada para várias celebrações religiosas. Rockefeller afirmou que a capela foi concebida para ser um “elemento central e dominante” do campus.


Biblioteca de Los Angeles Illuminati 3A Capela Memorial Rockefeller


A capela foi concebida com a colaboração de Lee Lawrie, o escultor arquitetônico mais importante da América. A dupla trabalhou em vários outros projetos importantes, como o Capitólio do Estado de Nebraska e o da Biblioteca Central, que é o tema deste artigo.


Biblioteca de Los Angeles Illuminati 4Escultura de Bertram Goodhue segurando a Capela Rockefeller, feita pelo escultor favorito dos Rockefeller, Lee Lawrie

 

 Escultor da Elite: Lee Lawrie

Lee-Lawrie-e1299786837652Lee Lawrie

 Nascido na Alemanha em 1877, Lawrie veio para os Estados Unidos com a idade de cinco anos. Depois de aprender o ofício com alguns dos principais artistas da América, Lawrie colaborou com Goodhue em vários projetos e tornou-se o principal escultor da América. Seu estilo único e seu conhecimento do simbolismo oculto, dos mistérios antigos e dos princípios maçônicos, aparentemente, fizeram dele o artista da elite. Algumas de suas missões de alto nível incluem: painéis em relevo alegórico do Senado dos Estados Unidos, a Louisiana State Capitol, a estátua de George Washington, na Catedral Nacional em Washington DC e Harkness, Torre da Universidade de Yale.

 Biblioteca de Los Angeles Illuminati 5Lawrie fez a estátua de George Washington, na Catedral Nacional. Observe o esquadro e compasso maçônico atrás dele


Porém as obras mais conhecidas de Lawrie são exibidas no Rockefeller Center.

 Biblioteca de Los Angeles Illuminati 6Sabedoria e conhecimento por Lawrie, na parte de cima da entrada principal do Rockefeller Center, Nova York. A escultura retratada está segurando um compasso maçônico


Como descrito no artigo Lugares Sinistros: O Centro Rockefeller, o complexo construído por John D. Rockefeller está repleto de arte simbólica, descrevendo a filosofia Luciferiana da elite, baseada na aquisição de conhecimento divino (falaremos mais sobre isso depois). Outra importante peça concebida por Lawrie no Rockefeller Center é a estátua de Atlas.


Biblioteca de Los Angeles Illuminati 7Atlas por Lawrie no Centro Rockefeller

 

 Atlas é usado pela classe dominante como uma “metáfora para as pessoas que mais produzem na sociedade” e, portanto, “estão segurando o mundo” em um sentido metafórico. Não surpreendentemente, o Atlas está associado com algumas das mais importantes obras de ficção, descrevendo o ponto de vista da elite.

 Biblioteca de Los Angeles Illuminati 8O filme Metrópolis, de Fritz Lang e Ayn Rand: duas obras clássicas de ficção que descreve a visão da Elite ocultista sobre o mundo. Ambos trabalham no recurso de material promocional do Atlas, uma metáfora para a elite em “defesa do mundo”

 

 Sabendo que Bertram e Lawrie produziram toda esta arquitetura simbólica para os mais proeminentes magnatas da América, políticos e instituições, você ficaria surpreso se a Biblioteca Central também contivesse o mesmo simbolismo?

A Biblioteca Central de Los Angeles

Biblioteca de Los Angeles Illuminati 9Fachada da Biblioteca Central de Los Angeles

 

 A biblioteca foi construída originalmente em 1926 por Bertram Goodhue. Segundo a documentação da Biblioteca, o tema central da arquitetura gira em torno da “iluminação através da luz da aprendizagem”. Devido a um incêndio criminoso em 1986, o edifício passou por obras de reforma e ampliação, – mas o tema central foi fielmente respeitado. A arte espiritual e esotérica faz de todo o complexo um “templo de iluminação”. É repleto de simbolismo místico profundo, geometria sagrada, e proporções e alusões a obras importantes no ocultismo.

 A Biblioteca Central e o Centro Rockefeller são muito semelhantes a este respeito – não é surpresa que Lee Lawrie comandou a construção de ambos os complexos. Como é o caso do Rockfeller Center, a tocha da Iluminação, representa o conhecimento divino, é o mais importante símbolo da Biblioteca.


A Pirâmide da Iluminação

Biblioteca de Los Angeles Illuminati 10A pirâmide de iluminação no topo da Biblioteca

 

A parte superior da Biblioteca é provavelmente a característica mais marcante do complexo: uma pirâmide de mosaico, coroada por uma mão dourada segurando uma tocha. Além de ser bonito e decorativo, o ápice da Biblioteca tem um profundo significado oculto, claramente inspirado pela Maçonaria.

 Em primeiro lugar, na literatura ocultista, a pirâmide é considerada o símbolo máximo dos Mistérios. Ele representa a transição do plano material para mundo espiritual. A partir da base quadrada (que representa o mundo material) até o topo da pirâmide, na perfeição matemática, são quatro triângulos (que representam a divindade). De acordo com muitos investigadores ocultistas, as pirâmides do antigo Egito eram mais provavelmente utilizadas para os fins de iniciação, onde os candidatos foram levados para o caminho da Iluminação.



“Quanto mais os grandes Hierofantes se esforçaram para esconder sua ciência absoluta, mais elas procuravam acrescentar a grandeza e multiplicar seus símbolos. As pirâmides enormes, com seus lados triangulares de elevação e as bases quadradas, representam a sua metafísica, fundada sobre o conhecimento da natureza.” – Albert Pike, Morals and Dogma


Em cada lado da pirâmide tem um símbolo do sol, a representação visual mais antiga da divindade.



”A adoração do sol foi uma das formas mais antigas e mais naturais da forma de expressão religiosa. Teologias modernas complexas são meramente envolvimentos e amplificações desta simples crença indígena. A mente primitiva, reconhecendo o poder benéfico do astro solar, adorado como a representação da Divindade Suprema.” Manly P. Hall, The Secret Teachings of All Ages



Embora o sol seja o símbolo ocultista mais comum para representar o divino, não é no entanto,  diretamente venerado como um deus. É uma representação visual da divindade. Por este motivo, a Biblioteca Central está repleta de referências ao sol.



“Em todas as histórias dos deuses e heróis ele estava redigido e escondido nos detalhes astronômicos e na história das operações da Natureza visível, e aqueles, por sua vez também foram símbolos do mais profundo e das verdades mais elevadas. Nenhum do mas rude intelecto inculto podem considerar o sol e as estrelas e os Poderes da Natureza como Divinos, ou como forma de objetos de culto do Homem, e eles vão considerá-los assim enquanto durar o mundo, e sempre permanecerão ignorantes do espiritual e das grandes verdades de que estes são os hieróglifos e expressões.” – Albert Pike, Morals and Dogma


 

A Tocha Luciferiana

Biblioteca de Los Angeles Illuminati 11A tocha original está em exposição no interior da Biblioteca. Lá, podemos ver mais detalhes da tocha, incluindo a serpente do conhecimento entrelaçando sua base

 

 Em cima da pirâmide esta a mão dourada segurando uma tocha. Há uma razão para a qual este símbolo esteja localizado acima na construção: É uma perfeita representação da filosofia do edifício, o Luciferianismo.

 Em latim, a palavra “Lúcifer” significa “portador da luz”. No simbolismo ocultista, luz e fogo esotericamente representam o conhecimento divino e a iluminação. Uma mão segurando uma tocha acesa, portanto, representa ascensão do homem à divindade através dos ensinamentos dos Mistérios. A interpretação gnóstica da história do Gênesis considera a serpente (Lúcifer) como tendo um valor positivo. Deu aos humanos as faculdades intelectuais para raciocinarem e ascenderem à divindade por seus próprios meios.



“Luciferianismo representa a inversão definitiva do bem e do mal. A fórmula para essa inversão é refletida pelo paradigma da narrativa do mito da Hipóstase gnóstica. Ao contrário da Bíblia na versão original, o conto gnóstico representa uma reavaliação da história hebraica do primeiro homem na tentação, o desejo dos homens simples de serem como deuses pela participação da árvore do conhecimento do bem e do mal.” – Carl A. Raschke -The Interruption of Eternity: Modern Gnosticism and the Origins of the New Religious Consciousness


 

 Nos ensinamentos ocultistas, Lúcifer não é um ser existente e não é igual a Satanás. Enquanto Satanás é esotericamente associado com a descida à materialidade, Lúcifer representa a ascensão à divindade, usando os poderes cognitivos do homem. Com a aquisição do conhecimento dos mistérios, um iniciado tem a:



“Oportunidade de apagar a maldição da mortalidade por contato direto com o patrono, ou, em muitos casos por realmente ser submetido a uma apoteose, uma transfiguração do ser humano em divino”. – Ibid



Os autores maçons, como Albert Pike e G. Albert Mackey fizeram referência ao “caminho luciferiano” e as “energias de Lúcifer” para descrever a “busca de luz”. O “luciferianismo” é, portanto, usado no sentido acadêmico de “trazer a iluminação”. Estudiosos maçônicos invocam frequentemente Prometeu, que roubou o fogo dos deuses para trazê-lo ao homem, para descrever este conceito. Por esta razão, Prometeu é a figura central do Rockefeller Center.


Biblioteca de Los Angeles Illuminati 12Prometeu, o equivalente Helénico de Lúcifer, trazendo conhecimento divino para a humanidade no Rockefeller Center


E as referências a Lúcifer na biblioteca não param por aqui.


A Fachada Ocidental – Phosphor e Hesper

Biblioteca de Los Angeles Illuminati 13Fachada ocidental da Biblioteca


Idealizado por Lee Lawrie, a fachada ocidental da Biblioteca é outro aceno às escolas de Mistério. Duas figuras humanas são representadas com os nomes de “Phosphor” e “Hésper” debaixo deles. Este aparentemente pequeno detalhe  é talvez o mais significativo.

 Phosphor (ou phosphorus) é a palavra latina para o planeta Vênus, também conhecido como “Estrela da Manhã” ou o “portador da luz”. Esses termos são sinônimos com Lúcifer.

 

 


“Acreditando que Vênus tinha dois corpos, os gregos antigos chamavam a Φωσφόρος a estrela da manhã, Phosphor (latinizado Phosphorus), o “Portador da Luz” ou Ἐωσφόρος, Eosphoros(latinizado Eosphorus), o “Portador da Aurora”… A estrela da noite chamaram de Héspero (latinizado Hesperus) (Ἓσπερος, a “estrela da noite”). Por vezes helenístico, o Héspero antigos serão traduzidos para o latim como Vesper e Phosphor como Lúcifer (“portador de Luz”), termo poético usado mais tarde para se referir ao anjo caído, expulso do céu.” – William Sherwood Fox, The Mythology of All Races: Greek and Roman



Hesper (ou Vesperus) refere-se a Vênus a noite, a estrela da noite.



“Os discípulos de Pitágoras também altamente reverenciavam o planeta Vênus, pois era o único planeta brilhante o suficiente para lançar uma sombra. Como a estrela da manhã, Vênus é visível antes do nascer do sol, e como a estrela da noite resplandece imediatamente após o ocaso. Devido a estas qualidades, uma série de nomes foram dados a ela pelos antigos… Ser visível no céu, pôr do sol, ela foi chamada Vesper, e como ela surge antes que o sol, foi chamada de a falsa luz, a estrela da manhã, ou Lúcifer, que significa que o portador da luz”. – Manly P. Hall, The Secret Teachings of All Ages


 

 Então, Phosphor e Hésper são duas palavras com o mesmo significado para a mesma entidade, Vênus, um corpo celeste ocultamente associado com Lúcifer, em diferentes estágios de evolução. A figura que representa Phosphor possui os nomes de filósofos orientais, como Moisés, Zoroastro e Buda, enquanto Hesper contém o nome de pensadores ocidentais, como Sócrates, Francis Bacon e Immanuel Kant. Estas figuras históricas não foram escolhidos ao acaso: todos eles desempenham um papel importante nos ensinamentos das Escolas de Mistérios. Na verdade, Francis Bacon, René Descartes e Immanuel Kant são figuras centrais do renascimento do moderno Rosacrucianismo e da Maçonaria na civilização ocidental.

 No topo da parede há uma frase o latim dizendo “et quasi cursores ViTai lampada tradunt”. Esta é uma citação do poema Roman De Rerum Natura (Sobre a natureza do Universo), escrito por Lucrécio e pode ser traduzido como “E como os corredores passam a tocha da vida.” A “tocha da vida” pode ser equiparado aos mistérios ocultos, o conhecimento oculto transmitido de geração em geração através de sociedades secretas. Entre Phosphor e Hesper, vemos um cavaleiro passar a “tocha da vida”, ou o conhecimento oculto, para a próxima geração e do Oriente para o Ocidente.

 A fachada ocidental da Biblioteca, que também serve como a entrada principal, é, portanto, uma parte muito significativa que representa a existência duradoura de escolas de mistério através da filosofia luciferiana. Sim, há tudo isso, e nós ainda nem entramos no prédio.


O Globo Iluminado

Biblioteca de Los Angeles Illuminati 14Um lustre em forma de globo de 9 metros de largura 

 

 

Situado sob a pirâmide no topo do edifício, este candelabro do mundo é composto de bronze fundido e, de acordo com a documentação da Biblioteca, pesa uma tonelada. Ele foi projetado por Bertram e modelado por Lee Lawrie.

 

O globo está rodeado por um anel que contém o signos do zodíaco e é iluminada por 48 luzes. O anel é ligado a cadeias levando ao teto. Como visto anteriormente, a sol é um antigo símbolo que representa a divindade. Este projeto é uma reminiscência de gravuras cabalística representando os 72 nomes de Deus.


Biblioteca de Los Angeles Illuminati 15Os setenta e dois nomes de Deus de Édipo Kircher aegyptiacus. Assim como o lustre em forma de globo da biblioteca, esta gravura cabalística tem os símbolos dos planetas e os signos do zodíaco

 

 Será que as luzes ao redor do globo representam o “círculo do iluminado”, os governantes ocultos da terra, que estão ligados à divindade através da Gnosis? Será que as 48 luzes, que espelham os 48 raios solares, representam o axioma hermético “Como acima, assim abaixo”?

 

 


“Apesar das declarações ao contrário, a Maçonaria é uma religião procurando unir Deus e o homem, elevando o seu início a esse nível de consciência no qual eles podem olhar com uma visão esclarecida da operação do Grande Arquiteto do Universo. De época para época, a visão de uma civilização perfeita é preservada como o ideal para a humanidade. No meio dessa civilização subsistirá uma universidade, onde ambos os poderosas e seculares ciências sagradas sobre os mistérios da vida, serão livremente ensinadas a todos que irão assumir a vida filosófica. Aqui o credo e dogma não terão lugar, o superficial será removido e apenas o essencial será preservado e montado. O mundo vai ser governado por mais mentes iluminadas, e cada um vai ocupar a posição de que é mais admirável. (…)

 O governo perfeito da terra deve ser padronizado, eventualmente, depois do governo divino pelo qual o universo é ordenado.” – Manly P. Hall, The Secret Teachings of All Ages


A Estátua da Civilização

Biblioteca de Los Angeles Illuminati 16

Num recanto remoto no final, note o piso padronizado maçônico, a Estátua da Civilização está acima de uma escadaria ladeada por duas esfinges. Segundo a documentação da biblioteca, a estátua do Lawrie Lee “simboliza tudo o que a biblioteca representa”. Sua mão esquerda segura uma tocha com uma chama na ponta e sua mão direita, segura um livro com citações que são, aliás, bastante importante na Maçonaria. As citações:



“No princípio era o Verbo.” (Em grego)

 “O conhecimento amplia os horizontes.” (Latim)

 “Nobreza traz obrigações.” (Francês)

 “A sabedoria é a verdade.” (Alemão)

 “A beleza é a verdade.” (Inglês)



Sobre a estátua está um painel esculpido, contendo símbolos de civilizações antigas e modernas.


Biblioteca de Los Angeles Illuminati 17Painel sobre a Estátua, chamada de Manto da Civilização

 

 De baixo para cima:



– Placa das eras desconhecidas do homem

 – Pirâmides do Egito

 – Navio de Phoenicia

 – Touro Alado da Babilônia e Tabuas da Judéia

 – Portal dos leões do Palácio de Ninos & Parthenon dos minóicos e civilizações gregas

 – Loba com Romulus e Remus de Roma

 – Dragão da China

 – Shiva da Índia

 – Notre Dame da Europa Medieval Cristã

 – Cabeça da Serpente Emplumada dos Maias

 – Bufalo,  e a Estátua da Liberdade dos Estados Unidos da América


 

 Mais uma vez, essas civilizações foram escolhidas pela sua importância na história maçônica, como elas são conhecidas por terem passado de forma “escondida” os mistérios ocultos. O espaço em branco no fundo, muito provavelmente, refere-se a Atlântida, a civilização perdida, que, de acordo com textos ocultos, teve a origem do hermetismo. O edifício que representa a Europa cristã medieval, Notre Dame de Paris, foi construída pela ordem dos Templários, considerados como os ancestrais dos maçons modernos.


As Esfinges

Biblioteca de Los Angeles Illuminati 18Uma das Esfinges contém a estátua da Civilização


No simbolismo ocultista, esfinges são os guardiões dos mistérios, protegendo segredos esotéricos dos olhos do profano. O site oficial da Biblioteca descreve as esfinges:



“Feitas na Bélgica, de mármore preto com cocares de bronze, as esfinges simbolizam os mistérios escondidos do conhecimento e guardam a abordagem da Estátua para  a Civilização”.


 

 Cada esfinge traz um livro com citações Morais de Plutarco (“Sobre Ísis e Osíris”).



Esfinge do lado esquerdo – “Eu sou tudo o que foi, é e deve ser, e nenhum homem levantou meu véu.”

 Esfinge do lado direito – “Portanto, o desejo da verdade, especialmente daquilo que diz respeito aos deuses, é em si um desejo após a Divindade.”


 

A primeira citação é extremamente importante, nos mistérios maçônicos a iluminação é metaforicamente equiparada ao “levantar o véu de Ísis”. Por esta razão, os maçons chamam-se de ”Filhos da Viúva”, a viúva é Ísis, a deusa que perdeu seu marido Osíris.

 


”Apesar de alguns já terem descoberto sua identidade, ela era Sophia, a Virgem da sabedoria, aos quais todos os filósofos do mundo têm cortejado. Ísis representa o mistério da maternidade, que os antigos reconhecem como a prova mais evidente da sabedoria onisciente da Natureza e ofuscando o poder de Deus. Para o candidato moderno, ela é a personificação do Grande Desconhecido, e somente para aqueles que a desvendam, ela será capaz de resolver os mistérios da vida, morte, geração e regeneração.” – Manly P. Hall, The Secret Teachings of All Ages


 

O restante da segunda citação é o propósito de toda sociedades secretas ocultistas: buscar a verdade, pelo conhecimento dos mistérios.

 O simbolismo da escultura é extremamente poderoso e revelador: a civilização, a força por trás das nações, política, cultura, economia e cidadania é vigiada pelo símbolo dos mistérios. A estátua, basicamente, diz: “As sociedades secretas têm norteado a evolução da civilização desde os tempos antigos, e continuarão a fazê-lo”.


A Estrela de Ishtar

Biblioteca de Los Angeles Illuminati 19As Oito estrelas apontam para a Biblioteca Central 

 

 Embutida no chão, em um ponto central da Biblioteca, há uma estrela de oito pontas, símbolo conhecido como a estrela de Ishtar.


Kudurru_Melishipak_Louvre_Sb23_Ishtar-starUma versão da antiga Mesopotâmia, o símbolo da estrela de oito pontas da deusa Ishtar (Inana), representando o planeta Vênus como estrela da manhã ou à noite

 

 Ishtar é a deusa assíria e babilônica da fertilidade, amor, guerra, e da sexualidade e é considerada pelos babilônios como “a personificação divina do planeta Vênus. A história de sua descida ao submundo em busca presumivelmente do elixir sagrado, que sozinho pode restaurar a vida de Tamuz, é a chave para o ritual de seus mistérios. Talvez por essa razão, o símbolo da estrela de Ishtar é frequentemente encontrada nos níveis mais baixos dos pisos de edifícios ocultistas, tais como o edifício legislativo de Manitoba. Será que este símbolo representa o submundo?


Biblioteca de Los Angeles Illuminati 20A mesma estrela de Ishtar feita na Assembléia Legislativa de Manitoba


Conclusão

 Para a maioria das pessoas, a Biblioteca Central de Los Angeles nada mais é do que um edifício funcional, bem ornamentado. Quando se compreende o simbolismo oculto exibido ao redor do complexo, a biblioteca se transforma em um templo Illuminati, dedicado ao ocultismo misterioso e aos princípios maçônicos. É uma celebração das realizações da elite luciferiana e da força da sua filosofia oculta. O fato de a biblioteca ser dedicada as sociedades secretas, a despeito do fato de que seja financiada por fundos públicos, diz muito sobre a verdadeira natureza do poder dos Estados Unidos.

 Depois de ler este artigo, alguns podem perguntar: “Se a busca do conhecimento é um traço Luciferiano, e se Lúcifer é associado com o mal, isso significa que a busca do conhecimento esta errada?”. Claro que não. Buscar o conhecimento nunca estará errado e ser ignorante nunca estará certo. O conhecimento leva à sabedoria e ao discernimento, enquanto a ignorância leva à confusão e perplexidade. Além disso, é apenas pelo conhecimento das forças de trabalho no mundo que se torna  uma posição de realmente fazer o bem na sociedade. Inversamente, uma pessoa ignorante pode ser facilmente manipulada por enganadores para se tornarem cúmplices do desconhecimento.

 Não importa o termo que seja usado para descrever a busca da verdade, ela sempre será a mais nobre das ações, independentemente de um credo ou religião. As faculdades de aprendizagem e compreensão não são exclusividade de um grupo de pessoas. Elas estão presentes, dotadas em todos os seres humanos e é nosso dever utilizar o máximo dela. A coisa mais importante a considerar é isto: Você usa o conhecimento para orientar, inspirar e esclarecer as pessoas ou você o usa para controlar, manipular e enganar? Nós vimos em artigos anteriores que a Elite usa seus conhecimentos para manipular as massas. O que você faz com o seu?

 

Comente com seu facebook

Comentário

Veja também

CONSTRUÇÕES SINISTRAS: Réplicas do Templo de Baal são Apresentadas em Nova York e Londres e uma Data Oculta Importante

No dia 19 de abril de 2016, que é o dia ocultista do “sacrifício de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *