Principal / Uncategorized / O Mistério Final do Grande Selo Revelado : A origem [PARTE 1]

O Mistério Final do Grande Selo Revelado : A origem [PARTE 1]

 Uma Horripilante e profética codificação escondida do mundo pelo governo dos EUA durante 200 anos, está aqui!

 A surpreendente verdade por trás da sociedade secreta clandestina que ajudou a enquadrar os Estados Unidos, colocando dentro do Grande Selo uma  Doutrina Secreta , que pode finalmente ser entendida. O que até mesmo os melhores investigadores dos Illuminati e fraternidades secretas, como os maçons  nunca foram capazes de decifrar totalmente será explicitado aqui nesta série pela primeira vez. A força que trabalha por trás dos assuntos globais e pelos  atuais poderes ”planetários”(Organizações)estão são rapidamente se alinhando(Preparando) para uma Nova Ordem do Caos, está exposta. Talvez o mais incrível que pareça, se aprenda como os profetas antigos, que realmente previram e nos preveniram sobre esta época.
       Cuidado: se você é uma pessoa que é feliz vivendo em uma “Matrix”, embalada no abraço caloroso das ilusões, eu recomendo que você coloque  este estudo de lado e aproveite seus dias restantes de maneira desinformada.
      Mas, se como os milhões de outros ao redor do mundo que recentemente despertaram com uma sensação de um mau presságio , que algo se desenrola na terra, então esta informação é para você. Se você acredita que um evento mundial, que até agora ninguém foi capaz de explicar claramente se avisinha no horizonte, esta informação é para você. Se você sentir o que está acontecendo é tanto físico como espiritual, mas você não pode resolver esta  enigma  que está se mexendo por baixo do tapete, esta informação é para você. Se você tem fome de discernir o significado por trás da turbulências recentes envolvendo a fúria da natureza, economia , sociedade e política global, esta informação é para você.
      Mas prepare-se para o inesperado, incluindo a informações verdadeiramente surpreendentes e muitas vezes incômodas, que você não  ouviu ou leu em qualquer lugar antes.
O que foi escondido de nossos olhos por mais de 200 anos e que se prepara para ser revelado à humanidade.
O relógio está correndo e estamos mais  perto da meia-noite  do que a maioria pode compreender.
é Desta forma algo maligno vem . O desejo ocultista de todos os tempos está aqui.
E quando você entender o segredo, você vai saber o que você tem que fazer para sobreviver.
Começaremos com uma orientação básica sobre o grande selo para podermos entender a agenda illuminati escondida no seu significado.
     Embora a maioria dos líderes do mundo não sejam judeus, os princípios e o  simbolismo hebraico são de grande importância nos círculos da elite. Os ensinamentos da Cabala (judaísmo esotérico) estão no cerne da maçonaria, uma irmandade que teve, no seu seio, a maioria dos Pais Fundadores dos Estados Unidos. Será que essa influência tem um grande impacto sobre o simbolismo americano? Aqui está um relatório detalhado escrito por um colaborador do site Apocalink, um pesquisador que estuda as tradições judaicas e a Cabala.
image
Ao longo dos anos tem havido numerosos (e até demais) artigos escritos sobre o simbolismo apresentado na nota de um dólar dos Estados Unidos da América. O tema parece ser a maior preocupação da chamada teoria da conspiração, os teóricos conspiracionistas que parecem  ver os símbolos heráldicos e palavras, como prova de uma conspiração satânica para dominar o mundo. Isto é normalmente ligada ao fato de que nota de dólar , mostra sinais de que existe há muito tempo um ligação com com a fraternidade dos maçons e, como alguns pretendem, com a sociedade secreta dos Illuminati da Baviera.
Embora não haja um acordo geral sobre as conexões maçônicas de alguns destes símbolos nacionais americanos e que estes sinais muito também pode ser interpretados num contexto mais religioso. Quando analisado de perto, o messianismo judaico cristão e cabalístico, mostra imagens que parecem ser a fonte de derivação do simbolismo no dólar.
Neste artigo, oferecemos um novo ou, pelo menos, uma  perspectiva bem conhecida na interpretação do Grande Selo. Isso leva em consideração os componentes  hebraico / judaico  que, evidentemente, formavam a visão de mundo dos Pais Fundadores americanos. Estes, como veremos, estão ligados intimamente com as  idéias e os ideais maçônicos nas mentes daqueles que desenharam o layout do projeto da nota de um dólar.
Contexto Histórico
Durante a primeira metade do século 17, idéias milenares acerca da  abordagem do tema da época  messiânica, e mais especialmente da redenção dos judeus e seu retorno à Terra de Israel, com a sua própria soberania independente, eram muito populares. Essa crença era tão dominante que Manassés ben Israel, em sua carta a Oliver Cromwell e ao Parlamento , não hesitaram em usá-lo como um motivo para o seu fundamento na readmissão dos judeus ingleses , observando:

.. as opiniões de muitos cristãos e os meus, não concordam nisto, para que ambos acreditam que o tempo de redenção de nossa nação em seu país natal está muito perto.
Há evidências claras do hebraico / idéias bíblicas que formam a base da identidade americana . Esta é a crença de que muitos britânicos, europeus, ou suas famílias reais eram descendentes diretos dos dirigentes da as dez tribos perdidas de Israel, mas raramente da Tribo de Judá. Parece que isto ganhou impulso desde a Revolução Inglêsa e, especialmente, durante o “movimento restauracionista” do final do século XIX e início do século XX.
John Sadler publicou algumas dessas idéias já em seu livro  ‘‘Os Direitos do Reino Unido” em 1649. Foi somente no final dos anos 1700, no entanto, durante um clima de milenarismo religioso, que se tornou uma ideologia diferente, graças à pregação e dos escritos de dois homens, irmãos Richard e John Wilson. Outro livro foi escrito, a partir deste período que detalha esta teoria era o livro do Sr. Stiles , chamado Glória e Honra, publicado em 1783.
Especialmente interessante, é o Sr. Stiles, que era um pastor congregacional, teólogo e presidente do Yale College 1778-1795. Ele tinha uma amizade estreita com o rabino Isaac Haim Carigal, durante residência de seis meses, em Newport, em 1773, a reunião de 28, duas vezes (segundo registros Stiles) para discutir uma variedade de tópicos, que vão desde a Cabala para a política do Holy Land. Além disso, Stiles teve a oportunidade de aperfeiçoar seus conhecimentos rudimentares da língua hebraica, até o ponto onde ele e Carigal estava a corresponder por cartas, em hebraico.
. O conhecimento Stiles do hebraico também lhe permitiu traduzir grandes partes do Antigo Testamento hebraico para o Inglês. Stiles acreditava, como muitos estudiosos cristãos da época, que a facilidade com o texto na sua língua original era vantajosa para a interpretação adequada. Como presidente da Yale, Stiles também tornou-se seu primeiro professor dos semitas, e exigiu que todos os alunos que estudassem hebraico (como foi o caso em Harvard), seu primeiro discurso de formatura em setembro de 1781,foi entregue em hebraico, aramaico e árabe.Legado de Yale a partir deste interesse Stiles ‘inclui um retrato de Carigal, desenhado pelo artista Samuel King, e as palavras hebraico, Urim e o Tumim no selo de Yale.
image
O escudo da Universidade de Yale,com palavras em hebraico, Urim e o tumim , que lembram as conexões judias
Assim o cristianismo , não trata apenas do Velho Testamento, ideologia que formou a vanguarda dos Estados Unidos, mas também houve influência judaica direta, inspiradora deste desenvolvimento. Em seu famoso livro, Rev. Stiles escreve:

… Eu não devo ampliar ainda mais o sentido primário e cumprimento literal desta e de muitas outras profecias, respeitando tanto judeus e gentios, na glória dos últimos dias da igreja. Para eu ter assumido o texto, apenas como introdução a um discurso sobre a política de bem-estar da America, tambem em se trantando do Deus de Israel, e como alusão profética da futura prosperidade e esplendor dos Estados Unidos.
… …
     Podemos contemplar o seu presente, e antecipar o seu crescimento futuro, e não ser golpeado com espanto, quando nos encontramos no meio do cumprimento da profecia de Noé? Que não podemos ver que nós (americanos) somos o abjeto  que o Espírito Santo tinha em vista a  quatro mil anos atrás, quando ele inspirou o patriarca venerável (Jaco Israel) com as visões, respeitando a sua posteridade?
     Podemos ver que há indícios fortes de fato, do apoio israelita / hebraico, na identificação dos primeiros intelectuais dos Estados Unidos. Como um cientista amador dedicado, Stiles também correspondeu-se com Thomas Jefferson e Benjamin Franklin sobre descobertas científicas.
     Estes três colegas compartilharam de uma visão profética semelhante dos Estados Unidos. Por este motivo, os primeiros desenhos ,do projeto de lei do dólar mostravam claramente imagens tiradas da Bíblia, em hebraico. Thomas Jefferson propôs que a parte da frente do Selo mostraria os israelitas no deserto, sendo conduzido por uma coluna de nuvem e de fogo. Da mesma forma, Benjamin Franklin sugeriu poderia tambem ser desenhado o afogamento de Faraó no Mar Vermelho.  Apesar de nenhum destas versões sobreviver até a última versão do papel moeda, pode-se argumentar que o Antigo Testamento, o simbolismo do Êxodo compõe a mensagem inicial do Dolar . No entanto, deve ser notado que a proposta da primeira comissão do selo, feito por Benson J. Lossing em 1856, mostra  essas duas idéias combinadas, ou seja, os egípcios se afogando no Mar Vermelho e os israelitas orando diante da coluna de nuvem e de fogo, veja na figura abaixo.
image
Desenho da nterpretação da proposta da comissão, do primeiro selo, feito por Lossing Benson em 1856.
Na verdade, dadas todas essas conexões , seriam muito estranho de serem judaica / hebraica, referências não foram encontradas no Grande Selo. Portanto, é exatamente neste contexto que o selo deva  ser examinado. Nós vamos ver cada um dos principais símbolos,um por um, e ver como eles podem ser rastreados dem direção às origens hebraico / judaicas.
Então, o que acontece com todas as ligações maçônicas que temos em Washington DC e no Grande Selo?
image
A Maçonaria pode ser definida como um sistema espiritual cabalístico, adaptado para o contexto político-social da época do Iluminismo ,e expressa nos orientações medievais fixadas pelos construtores maçons. Desta forma, a Maçonaria é, em si , largamente baseada no Velho Testamento , e em fontes judaicas, sem o qual dificilmente poderiam ser compreendidos. Assim, mesmo que nós interpretemos o grande simbolismodo do selo , em termos puramente maçônicos, ainda podemos aprofundar a nossa compreensão, buscando na Bíblia e na história das origens judaicas , muitos dos significados dos simbolos.
Muito já foi escrito sobre a parte da pirâmide que há no Selo. A conexão Maçônica que  é bastante  evidente e não argumentam contra ela. No entanto, meu foco está na parte lateral direita do selo. Mostra  uma águia segurando um ramo de oliveira com azeitonas, treze na sua garra esquerda e um conjunto de treze setas à direita. O corpo da águia é coberto por um escudo com treze listras horizontais na parte superior, e treze vertical na parte inferior. Acima da cabeça da águia é uma roseta com treze estrelas de cinco pontas dispostas em forma de estrela de seis pontas, ladeada com as palavras “E Pluribus Unum”. A tradução dessas palavras é “De muitos, um”. A águia é voltada para a esquerda, em direcção a palavra “um” e do projeto da pirâmide do Grande Selo.
Número Treze
Número treze para muitos é um preocupante devido à sua associação como azar, dizem eles. A origem dessa crença não é fácil de traçar ,embora pareça ter uma origem cristã.
Algumas tradições cristãs é que na Última Ceia, Judas Iscariotes, o discípulo que traiu Jesus, foi o 13 º a se sentar à mesa. Assim, se os Fundadores americanos estivessem  inclinados apenas no pensamento cristão, seria pouco provável que esse número tenha encontrado aí , o seu caminho para ser usado no Grande Selo, o símbolo do sucesso divino da América.
No entanto, para os judeus do Antigo Testamento baseados em sua linha de crença,em sua tradição, este número não representa qualquer problema.
    Treze é realmente um número especial na tradição judaica. Primeiro de tudo, treze significa a idade em que um menino amadurece e se torna um bar mitzvah, ou “Filho do Mandamento”, que significa que a responsabilidade dos deveres religiosos são colocadas sobre seus ombros.
     Em segundo lugar, segundo a Torá, Deus tem treze atributos de misericórdia . Há também o famoso treze princípios da fé, compilado pelo rabino medieval e filósofo Ben Maimon Moshe (Maimônides), definindo princípios do judaísmo .
     A fundação da Torá Oral (base do Talmud) são os treze princípios exegéticos que são enumerados na introdução ToratKohanim. Através destes princípios, a Lei Oral é derivado do texto escrito da Torá. Esta é a  razão pela qual a MidrashHaZohar em Bereshit ensina que o número treze serve como uma metáfora Oral para a Torá .
     As treze contra-ordenações , feita pelos gregos no muro delimitador (soreg), que cercaram o Monte do Templo, reparado pelos reis Hasmoneus. Estes reis decretaram que devem curvar-se ao passar por cada uma dessas violações, para poderem ser reparados; um total de treze.
     São treze modificações feitas no texto da Torá, quando traduzido para o grego. Este número representa o facto inerente à tradução, é a perda da Torá Oral, que é obtido através dos treze princípios da exegética. As  treze contra-ordenações, feito pelos gregos e reparados pelo Hasmoneans, representam todo o foco da guerra grega contra os judeus. Os gregos procuraram eliminar os princípios através da sua tradução literal da  Torá para o grego, com a consequente perda do componente oral da Torá. O Hasmoneans conseguiram restaurar essas ferramentas indispensáveis de interpretação da Torá. Para comemorar e dar graças por esta vitória da ideologia da Torá sobre a fé superficial e deturpação dos saduceus, incompletas da Torá, treze foram instituídos nos locais das violações . Pode ser ainda que de acordo com Rashi (Deuteronômio 33:11), dos Hasmoneans,  treze homens comandaram o exército judeu que derrubou os gregos. Estes treze homens corajosos permitiram ao Povo Judeu preservar a tradição oral e seus treze princípios.
     Na verdade, o número treze tem grande significado de acordo com a Cabala, a tradição mística judaica. Cabalisticamente, o número indica a capacidade de superar a influência dos doze signos do Zodíaco (12 +1 = 13), não estando vinculado pelas influências do cosmos.
     Assim, o número treze pode significar (uma maturidade), atingindo a independência, as bênçãos misericordioso de Deus, os princípios da fé verdadeira, a reparação do Templo e da soberania e , elevando-se acima das garras da dependência . Todas essas idéias foram definitivamente significativas para os Pais Fundadores em sua visão do novo, e independente Estados Unidos, visto no Antigo Testamento, como luz messiânica judaica, como ” Deus de Israel”.
A Águia
Águia é um símbolo maçônico famoso. Na Bíblia águia é usada como uma metáfora para o êxodo de Israel do Egito:

”Vós tendes visto o que fiz aos egípcios, e como vos levei sobre asas de águias, e vos trouxe a mim.”
… …
A porção do Senhor é o Seu povo, Jacó, a porção de sua herança. Encontrou-o numa terra deserta, e nos resíduos, um deserto uivante; Ele rodeou-lhe , Ele cuidou dele, guardou-o como a menina dos seus olhos. A Como a águia desperta o seu ninho, sobre os seus filhos, estende as suas asas, toma-os, e os leva em suas asas.”
Esta figura  também aparece no Novo Testamento, Livro do Apocalipse, onde “as duas asas de grande águia”, retrata a intervenção de Deus para libertar Seu povo da perseguição.
     Assim, a águia no Grande Selo poderia, de fato, ser a identificação dos assentamentos israelitas , libertados da escravidão no Egito, um tema que foi apresentado nos projetos iniciais do dólar.
RAMOS DE OLIVEIRA E AZEITONAS
A águia, em qualquer que seja o seu significado original, carrega em suas garras flechas e um ramo de oliveira. Como ambas, as azeitonas e o número treze flechas, é bastante natural supor que eles significam a mesma coisa. Então, qual é o significado desses dois símbolos heráldicos?
Para descobrir isso, podemos começar por pesquisar simbolismo destes sinais, nos transportam para outros usos heráldicos. Curiosamente, o brasão bancário da família judaica Rothschild , mostra um desenho semelhante. Não só temos aqui a águia e a estrela de seis pontas, mas há também uma mão segurando cinco flechas, referindo-se aos cinco filhos famosos de Mayer Amschel Rothschild, o fundador da sua  dinastia financeira e uma das 13 famílias illuminati que dominam o mundo. A associação entre os filhos e as setas é derivado do Salmo 127 que diz:

Como flechas na mão de um homem poderoso, assim são os filhos da mocidade.
O que é interessante é que o ramo de oliveira também é usado como um símbolo para os filhos no salmo seguinte, 128:
A tua mulher será como a videira frutífera, no íntimo de tua casa, teus filhos como plantas de oliveira, ao redor da tua mesa.
image
Acima, o Brasão da família Rothschild com uma estrela de David, uma águia e uma mão segurando cinco flechas, referindo-se aos cinco filhos de Mayer Amschel Rothschild, o patriarca da sua dinastia bancária .
      Esses dois salmos foram certamente importantes para os Pais Fundadores. Primeiro de tudo Ma’alot, ambas as músicas são ha shir, “Canção de subidas” ou de partes dos hinos cantados pelos peregrinos a caminho de Jerusalém. A ‘alot é a forma plural de Oleh em hebraico, um título dado a um judeu que migra de volta a Sião, daí fazer uma aliá é o ato de retornar à Terra Prometida. Assim, ambos os Salmos foram, certamente, no espírito dos colonos, que imaginavam escapar da escravidão e do ódio da Europa em um novo sião ,livre na terra prometida da América.
Em segundo lugar, o Salmo 127 foi escrito pelo rei Salomão e refere-se à construção de uma casa:

Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; exceto o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia o sentinela
A casa aqui definitivamente se refere à “casa”, isto é, o Templo de Jerusalém que Salomão construiu. Da mesma forma, a cidade mencionada no Salmo é, naturalmente, Jerusalém (Sião), a morada sagrada de Deus e seu rei. Como os maçons, os Fundadores viram um significado neste canção escrita por seu Grande Mestre, e em sua referência ao Templo, o símbolo de uma sociedade perfeita, é o objetivo das aspirações maçônicas. Na verdade,  casa na palavra hebraica para “ou” templo “é a aposta que também pode ser usado em um sentido metafórico, como uma referência a uma família, tribo ou nação (oposta Dawid – Casa de Davi; oposta Aharon – Casa de Arão; oposta Yisrael – Casa de Israel). E é exatamente isso que os Fundadores estavam fazendo no Novo Mundo – a construção de uma nova nação que imaginava-se como a “Nova Casa de Israel”.
Em terceiro lugar, o Salmo 128 é uma espécie de promessa messiânica de sucesso, abundância e bênção para os fiéis do Senhor:

Feliz é todo aquele que teme ao Senhor, que anda nos seus caminhos … O Senhor te abençoe de Sião, e tu verás o bem de Jerusalém ,todos os dias da tua vida e veras filhos de teus filhos. A paz esteja com Israel!
Que bênção melhor poderia haver para o Zionismo,ter novo presidente dos Estados Unidos!
Assim, parece que a águia está segurando os símbolos dos filhos ou crianças. O significado destas é expresso a seguir.
Treze Estrelas
image
Agora, no significado simbólico podemos encontrar na imagem dos 13 pentagramas  formando um hexagrama enorme e único?
Hexagrama também é conhecido como o “Selo de Salomão” e um lugar de destaque no simbolismo maçônico e rosacruz. Seu lugar misterioso no ocidente é firme, e como tal, é originalmente um sinal cabalístico judaico.
Em hebraico, a estrela é conhecida como Magen David, “O Escudo de David”. Segundo a tradição judaica, o símbolo foi retratado no escudo, famoso e milagroso  do rei Davi, e o escudo se acreditava ter seguido os reis Judus como uma herança,para as mãos de Judá, o Macabeu, o lendário fundador da dinastia dos Hasmoneus do período helenístico. A associação com o Rei Davi, o progenitor do futuro Messias, fez da estrela um poderoso símbolo messiânico.
Durante a Idade Média, o hexagrama finalmente se tornou o símbolo nacional do povo judeu em si, simbolizando a providência divina que tinha acompanhado os israelitas desde tempos imemoriais. Se assumirmos que o hexagrama do Grande Selo é um símbolo do povo judeu, então podemos interpretar todo o projeto em uma maneira nova e significativa.
Que ligação judaica ou bíblica podemos derivar dessas estrelas? No livro de Gênesis, Deus promete ao patriarca Abraão:

E Ele o levou fora, e disse: ‘Olha agora para o céu e conta as estrelas, se és capaz de contá-las “, e disse-lhe:’ Assim será a tua descendência.”
Esta promessa de aliança foi repetido após o acontecimento famoso, o quase-sacrifício de seu filho, Isaac:

Na bênção te abençoarei, e multiplicarei a tua descendência como as estrelas do céu e como a areia que está sobre o litoral, e a tua descendência possuirá a porta dos seus inimigos
Depois, há a famosa história do filho, Jaco, em José e seus sonhos proféticos. Está escrito:

E sonhou ainda outro sonho, eo contou a seus irmãos, e disse: “Eis que eu sonhei ainda um sonho, e eis que o sol, a lua e onze estrelas se inclinavam perante mim.” E ele contou a seu pai e seus irmãos e seu pai repreendeu-o, e disse-lhe: “Que sonho é esse que tiveste? Quer que eu ea tua mãe e teus irmãos de fato vir a se curvar perante ti em terra?
A partir desses fragmentos, podemos afirmar que as estrelas do Selo, podem de fato representar os filhos de Jacó, ou seja, Israel. . Esses filhos (b’neiYisrael) deviam ser os antepassados das doze tribos, porque há uma tradição maçônica que usa as tribos de Israel em seu simbolismo. Nos antigas palestras da chamada doze pontos originais do ritual maçônico são de fato explicado por uma referência às doze tribos.
Além disso, se ler a Bíblia com cuidado, torna-se evidente que Jacó teve doze filhos, mas na verdade são treze:

Jacó, antes de sua morte, abençoou os dois filhos de José, anunciando que Efraim e Manassés “vai se tornar meu como os filhos reais, Rúben e Simeão.”
Assim, José se tornou dois, elevando o número total de descendentes de Jacó para treze, correspondente à treze tribos da nação que estão aqui representados pelos treze estrelas. . As estrelas são treze e formam uma grande estrela de Davi, que representa toda a nação de Israel (Jacó), em razão da qual é um dos sinais mais  importantes da Era Messiânica.
Em uso litúrgico judaico, Jacó e Israel não são utilizadas apenas como referências ao patriarca famoso, mas também como um título do povo judeu em geral. Desta forma, os treze filhos ou tribos ou as estrelas são o corpo estendido de seus grandes antepassados . Em última análise, este símbolo bastante graficamente, ecoa a profecia messiânica da Torá:

Uma estrela surgirá de Jacó.
Os Fundadores previram os Estados Unidos , desta forma mesmo, um composto,uma nação harmoniosa de diversos grupos (ou colônias). As palavras apresentadas sob as estrelas – E Pluribus Unum – enfatiza a idéia dessa união. Estados Unidos como a Nova Sião, eles sem dúvida, afirmou, foi o cumprimento da tradição judaico-cristã messiânica aspirações de liberdade, paz e amor fraternal.
Vimos que os dois salmos que funcionavam como a origem do significado das setas e símbolos como o ramo de oliveira, também mencionou a construção do Templo. Observamos, também, que o templo da palavra (apostar) também significa “nação” ou “família”. Aqui nós temos uma ligação entre uma arquitetura e um termo genealógico. A esta luz, vamos olhar para um tratado famoso da exegese talmúdica que é lido cada Shabat pelos judeus observantes. Ela diz:

Rabi Elazar disse em nome do Rabi Chanina: Torá, paz , e aumento de estudiosos no mundo, como é dito: “E todos os seus alunos serão os estudantes do Senhor e seus filhos terão paz abundante – não lêem banayikh, ‘seus filhos’, mas bonayikh, “seus construtores”.
Aqui, novamente, podemos ver a ligação entre arquitetura e genealogia. Na construção de palavras ‘e’ filho ‘(isto é, Mason) são apresentados como sinónimos, que muito evidentemente também apareceu nas mentes dos Fundadores maçons dos Estados Unidos. Esta é realmente a origem do conceito de “maçom”: no Egito, os Filhos de Israel foram grandes construtores , pedreiros, e quando eles foram libertados da escravidão, tornaram-se pedreiros livres. A visão dos Pais Fundadores “deles como os filhos e construtores do Novo Israel, é uma das razões pelas quais o tema Êxodo destacados nos projetos iniciais do dólar.
O ”Um”
À esquerda da águia há a palavra “um” que, naturalmente, dá o valor da fatura. No entanto, como tudo no design parece trazer algum significado simbólico, podemos assumir como em conexão com este recurso também. Que este é o caso, pode ser visto no projeto inicial de Benjamin Franklin em 1776, uma nota de moeda que caracteriza a expressão “nós somos um” no meio.
‘One’, em hebraico pode ser traduzido tanto como yachid e como echad. Na literatura rabínica judaica, há discussões sobre a certas diferenças entre estes dois termos. Segundo a interpretação tradicional, yachid se refere a “um” como “o único”, um exclusivo ou principal unidade que não pode tolerar a pluralidade. Na verdade yachid pela pluralidade definição torna impossível, se algo for adicionado, ele não é mais yachid. Essa é exatamente a idéia por trás do monoteísmo, o dom especial do judaísmo para as religiões do mundo.
Em contraste com yachid, echad é um princípio inclusivo. Echad é a unidade da totalidade – a unidade que é formada quando diferentes aspectos, unir como uma única entidade. Echad é a harmonia: não é uma unidade, que nega a pluralidade (e que, portanto, pluralidade obscurece), mas uma unidade que emprega pluralidade, como a implementação da unidade. É por isso que na oração ShemaYisrael famoso ,recitado por judeus observantes ,duas vezes por dia, está escrito: “Ouve, ó Israel, o Senhor é nosso Deus, o Senhor é echad.” 
Na profecia messiânica de Ezequiel há prometeu:
E eu farei uma nação [goy echad] na terra, nos montes de Israel, e um rei será rei de todos eles, e eles não serão mais duas nações
No Antigo Testamento sentimento messiânico dos colonos, é fácil compreender que eles previram-se como esta nação “echad”.
Como temos descoberto, a palavra, quando visto a partir do hebraico / perspectiva judaica, carrega a idéia de pluralidade formando uma unidade – E Pluribus Unum em latim. Este princípio está expresso em relação ao dólar, como os pentagramas trezem união em um hexagrama único, referindo-se o reagrupamento de Israel, dispersos. Muito interessante, o valor numérico (gematria) da palavra hebraica é echad treze.
CONCLUINDO
A águia, segura em suas garras o símbolo de seus filhos – os filhos de Israel,que o Senhor levou para  longe da escravidão , Até a Terra Prometida. Acima deste, a treze estrelas formam a estrela de David – a promessa da vinda do Messias, A nova ordem. Este simbolismo se repetem inúmeras vezes dentro do Grande Selo, e ecos da original  visão profética judaica ,que os fundadores tiveram sobre Estados Unidos da América.
A origem deste conceito nos leva de volta para as visões cristãs e judaicas Milenarianista, dos dias 17 e 18 º séculos. No entanto, o canal através do qual essas idéias chegaram eram, evidentemente, os escritos do Rev. Ezra Stiles e sua correspondência com o “mentor”, o rabino Isaac Haim Carigal. Embora as alegações de “domínio do mundo judaico” simplifica uma situação complexa, ainda pode-se afirmar que o judaísmo como fonte de visão messiânica, construíram a base do poder restante do mundo .
Essa conexão entre a origem dos E.U.A. e Israel nos dá perspectiva, e ajuda a explicar o contínuo apoio americano ao estado sionista. Também dá uma base bíblica direta dos Estados Unidos no papel de “luz para as nações” em sua missão global, como o arauto da liberdade e da democracia.
O echad cabalística,o princípio significado pelo número treze, é realizado agora em escala global, como o  Pluribus Unum sendo implementado a nível internacional na criação da nova ordem mundial. Ele continua a ser visto como um papel que os EUA vão desempenhar na construção desse mundo maior da Utópia, e pode significar o anuncio do reino do anticristo, que será aceito como messias de Israel!.

Comente com seu facebook

Comentário

Veja também

Sinais do fim: Rússia exibe ao mundo o Satan 2, seu novo míssil termonuclear

No meio de toda a recente tensão entre Estados Unidos e Rússia – com o …

3 Comentários

  1. este selo dos eua e bastante estranho há um revistas que eu lê do assunto diz que as garras seguram a guerra e a paz e que os eua não mede esforço para promover a guerra para estaurar a paz e esse monte de babaquise
    porém gostei bem mais da sua conclusão com os salmos e tudo
    o hexagrama é realmnete muito suspeito e encontrado ate mesmo
    nas obras nostradamos que fala do apocalipce usa este simbulo algumas
    vezes sempre achei que tinha significados mais profundos nisso tudo…
    parabens texto.
    ass.willian tin dail.

  2. Alguns pontos em relação ao Judaismo e a familia Rothschild estão corretos … Muito interessante a descrição do selo. Ass: Rodrigo Almeida.

  3. Interessante, alguns pontos são bem claros, os significados são transparentes, porem, o texto não deixa muita certeza!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *