Principal / BIZARRO / O Útero Artificial já existe e o futuro começa a mudar…

O Útero Artificial já existe e o futuro começa a mudar…

O útero artificial existe, investigadores japoneses desenvolveram uma técnica a que chamaram EUFI – Extrauterine Fetal Incubation (incubação fetal extra-uterina). O que será que vai revolucionar esta técnica? A Humanidade?

artificial-womb

“Um a um os ovos foram transferidos dos tubos de ensaio para as vasilhas maiores; habilmente a linha peritoneal foi cortada (…) e a garrafa já passou a abertura para a Sala de Predestinação Social.” Aldous Huxley in “Admirável Mundo Novo”

No departamento de Tóquio, fetos de cabra percorridos por catéters pelo cordão umbilical fornecendo sangue oxigenado e nutrientes são mergulhados em grandes incubadoras com líquido amniótico artificial aquecido à temperatura corporal de uma falsa mãe.

Yoshinori Kuwabara, director do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Universidade Juntendo, em Tóquio, tem trabalhado em placentas artificiais por mais de uma década. O seu interesse cresceu ao lidar com crianças prematuras afirmando: “será sempre melhor que fetos imaturos possam crescer dentro de um ambiente simulado do organismo maternal.”
Kuwabara e os seus associados têm mantido os fetos de cabra nestes ambientes simulados por cerca de 3 semanas, mas os médicos depararam-se com falhas do sistema circulatório provocado por dificuldades técnicas. Pressionado para especular sobre o futuro Kuwabara cautelosamente prevê que “será possível estender o período de tempo” e eventualmente “será aplicado a humanos.”

angier.1Contemplar as imagens destes fetos de cabra lembra assustadoramente a Incubadora Central da imaginação de Aldous Huxley. De facto, nas décadas mais recentes, a medicina tem-se centrado grandemente nas fases iniciais e finais da gravidez e o tempo essencial intra-uterino tem reduzido gradualmente.
O futuro do Homem, no que toca à reprodução, passa seguramente pela evolução de várias tecnologias, nomeadamente a nanotecnologia, a genética, a cirurgia fetal e a fertilização in-vitro ou assistida.

Entre o Útero e o Ar

A neonatologia moderna possui um história muito curta e recente, mas com avanços excepcionais onde assistimos à ressuscitação de prematuros 16 a 17 semanas antes do tempo de gestação terminado. Devido a uma taxa de sobrevivência de apenas 10% os neonatologistas estão hesitantes em puxar a barreira mais além, mas a investigação caminha cada vez mais nessa direcção

“O líquido preserva a estrutura pulmonar e a sua função,” afirma Thomas Shaffer, professor de fisiologia e pediatria na Escola de Medicina da Universidade Temple. Trabalhou durante mais de 30 anos na ventilação de fluídos, estudo que iniciou para auxiliar mergulhadores de grandes profundidades. A sua tecnologia de prevenção de descompressão e ventilação líquida apareceu retratada no filme “O Abismo” e agora começa a ser utilizada na área de controle de prematuros, já que durante a gestação os pulmões estão preenchidos por um líquido ventilado natural. Pensou então que talvez se ventilasse bebés prematuros com líquido que contenha bastante oxigénio conseguisse oferecer um ambiente mais gentil e seguro para os pulmões imaturos até que estivessem prontos a respirar ar. O Barotrauma, o dano pulmonar quando os pulmões são forçados a receber ar por ventilador, seria drasticamente reduzido.

“O objetivo não é forçar as barreiras de tempo de gestação,” afirma Shaffer. “Quero, isso sim, eliminar o dano [por respiração forçada]. E acredito que em breve esta tecnologia pode ser estandardizada.”

O feto como paciente

A noção de que se pode fazer uma cirurgia num feto teve como pioneiro Michael Harrison da Universidade da California. Guiado por tecnologias ultra-som avançadas relatou, em 1981, que através de uma intervenção cirúrgica era possível descongestionar o trato urinário de um feto.

“Fiquei frustrado ao tratar bebés prematuros”, afirmou Scott Adzick, cirurgião chefe do Hospital Pediátrico de Filadélfia. “Como em tudo na medicina ficamos com a sensação que se tivéssemos chegado mais cedo teríamos prevenido o dano. Tem toda a lógica tentar tratar algumas malformações fatais antes do nascimento.”

Mas qual é o objetivo?

Há 18 anos, a fertilização in-vitro era notícia de jornais sensacionalistas: bebés proveta! Hoje em dia é uma terapia corriqueira e comum, os jornais ostentam publicidades a doação de óvulos, fertilização in-vitro e injeções intracitoplasmáticas de esperma como alternativas para o consumidor.
A vontade imensa de engravidar e gerar prole conduz muitas mulheres ou casais a requisitar doadores e passarem por uma maternidade biológica sem ligação genética com o feto… Obviamente muitas escolheriam o muito mais cómodo e seguro útero artificial que estamos a desenvolver. Pode-se inclusive atingir o ponto em que por questões de saúde ou higiene esta tecnologia seja escolhida em detrimento da gravidez natural, num progresso sem precedentes.

Mary Mahowald, professora no Centro de Ética Médica MacLean da Universidade de Chicago, fez correr uma sondagem a mulheres em geral sobre se preferiam estar ligadas a uma criança biologicamente ou geneticamente se não pudessem escolher ambas por alguma razão e uma pequena maioria preferiu passar pelo processo de gravidez, gestação e parto do que possuir ligação genética.

“A gravidez é importante para as mulheres,” afirmou. “Algumas podem preferir não passar por isso, mas acho que o interesse nesta tecnologia será muito limitado.”

Por outro lado, Susan Cooper, psicóloga especializada em situações de infertilidade não concorda com Mahowald já que considera que o desejo de gravidez é mais cultural do que biológico.

Que mudanças estamos nós a trazer para o percurso humano se alterarmos funções tão primárias e fundamentais como a reprodução? Estaremos a tomar em nós o poder divino da selecção natural? Devemos nós alterar a nossa trajectória genética e caminho da evolução da humanidade? E que consequências trarão estes passos?!

Fonte: New York Times

Comente com seu facebook

Comentário

Veja também

Mulher transgênero remove orelhas e nariz para se transformar em dragão

Se depender da americana Eva Tiamat Baphomet Medusa, de 55 anos, Daenerys Targaryen, a ‘mãe dos dragões’ …

3 Comentários

  1. não li mais se for verdade, issu é mt promissor pq vai ajudar que não morra mais animais em extinção

  2. huahauhaua EU NUNCA NA MINHA VIDA, li tanta besteira!! ,quantas teorias em um site só ..piada total!

    Nando, vc q é o dono do site certo?

    cara vc é um sem noção e irresponsável que fica inventando essas historias de maluco aí…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *