Principal / Uncategorized / Francesa injeta sangue de cavalo e se sente “extra-humana”

Francesa injeta sangue de cavalo e se sente “extra-humana”


Uma dupla artística francesa denominada Art Orienté objet, conhecida por sua exploração de relações entre as espécies e por questionar métodos e ferramentas científicos, agora se tornou protagonista de uma das mais chocantes experiências já feitas: a injeção de plasma de cavalo em um ser humano.
O projeto, intitulado Que le cheval vive en moi (Que o cavalo viva em mim), Marion Laval Jeantet, um dos membros da Art Orienté objet, recebeu sangue de cavalo nas veias, o que a fez se sentir “extra-humana”.
O evento chocante ocorreu em fevereiro, mas Marion passou vários meses preparando seu corpo, injetando-se com pequenas doses de imunoglobulinas de cavalo, as glicoproteínas que fluem através do sangue do animal e funcionam como anticorpos na resposta imunológica de seu corpo.
A artista chamou esse processo de mitridatização (acostumar; imunizar com venenos), uma técnica que pode ter começado com o rei Mitrídates VI do Ponto (120 a.C. – 65 a.C.), que dizia ter desenvolvido imunidade a venenos através da ingestão gradual de pequenas doses deles.

Assim, em fevereiro, depois de construir sua tolerância aos compostos do animal, Marion recebeu o plasma de cavalo que continha o espectro completo de imunoglobulinas, e não entrou em choque anafilático.
Os compostos do cavalo contornaram seus mecanismos de defesa e entraram em sua corrente sanguínea, onde se ligaram a proteínas humanas. Esta síntese afetou suas funções corporais e até mesmo seu sistema nervoso durante semanas depois de Marion ter recebido a injeção.
“Eu tinha a sensação de ser extra-humana. Eu não estava no meu corpo usual. Eu me sentia hiperpoderosa, hipersensível, hipernervosa e muito desconfiada, hesitante. O emocionalismo de um herbívoro. Eu não conseguia dormir. Provavelmente, me senti um pouco como um cavalo”, conta a artista.
Após a transfusão de sangue, Marion colocou um objeto na perna semelhante a patas de cavalo e realizou um ritual de comunicação com um cavalo real. Em seguida, uma amostra de seu sangue foi extraída e liofilizada.
O projeto representa uma continuação do mito centauro, um híbrido de cavalo-humano que, sendo um “animal em um humano” simboliza a antítese do cavaleiro, que, como humano, domina o animal. A arte está sendo apresentada no Cassino de Luxemburgo, em Luxemburgo.[OddityCentral]
ALERTA: Que le cheval vive en moi foi uma experiência radical cujos efeitos a longo prazo não podem ser calculados. Não repita em casa.

Comente com seu facebook

Comentário

Veja também

Macron avisa que anunciará seu próprio plano de paz se Trump demorar

Emmanuel Macron e Donald Trump. (Foto: Getty Images) Se o presidente dos EUA, Donald Trump, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.