Principal / OSÍRIS / SÉRIE OSÍRIA : O IMPÉRIO ATHENIENSE – Capitulo I

SÉRIE OSÍRIA : O IMPÉRIO ATHENIENSE – Capitulo I


capa3

Dúvidas? Comentários? Sugestões? Publicidade? Comunicados de imprensa? Contate-nos!Fique ligado nos outros capítulos:Parte II: o Egito Antediluviano  | Parte III: Nimrod, o Poderoso Caçador | Parte IV: A Besta do Mar.

h, Osiria!  Antigo inimigo da Atlântida, salvadora da Europa e África, e de todos os que habitavam entre os Pilares! Uma vez já foi o fértil celeiro do mundo, agora está submersa debaixo de milhares de metros de água salgada no mesmo cataclismo que destruiu Atlântida e o resto do mundo antediluviano, o Dílúvio  .

Você não vai encontrar Osiria em nenhum mapa, nem vai encontrá-la na literatura mais histórica  ou mesmo bíblica. Osiria era, como Atlantida, um império teórico que aconteceu para encaixar os fatos, cujo nome foi derivado de um dos deuses mais antigos da região do Mediterrâneo – Osíris.

 

A ILHA DE OSÍRIS

A Bacia do Mediterrâneo

 

O Mar Mediterrâneo é um mar intercontinental situado entre a Europa, ao norte, e a África do sul. Abrange uma área de cerca de 970.000 milhas quadradas, com uma profundidade média de 4.500 pés e uma profundidade máxima de 15 mil pés ao largo da costa sul da Grécia. O Mediterrâneo é uma bacia quase que completamente fechada, onde o fluxo contínuo das águas superficiais do Oceano Atlântico é importante fonte de reposição e renovação das água deste mar, dando-lhe um alto grau de salinidade. Estima-se águas levam mais de um século para serem completamente renovadas através do Estreito de Gibraltar tem apenas 1.000 metros de profundidade. Muito da antiga Osíria que está agora submersa, se estendia do sul da Europa, a África do Norte, e do antigo Oriente Próximo ate as Colunas de Hércules.

Fonte da imagem e texto adaptado da Università degli Studi di Pavia

David Hatcher Childress popularizou a teoria de que a Bacia do Mediterrâneo já foi o local de uma região vasta e fértil que formou o coração do que a literatura esotérica(livros e regitros maçônicos e illumináticos) se refere como “o império de Osíris”, um império que foi destruído pelo mesmo Dilúvio que destruiu Atlântida e o resto do mundo antediluviano. Os megalíticos restantes deste outrora poderoso império agora estão espalhados por todo o Mediterrâneo, com inúmeras estruturas megalíticas restantes não só nas ilhas e nas suas costas, mas também em suas águas profundas – mais de 200 estruturas subaquáticas, de acordo com Childress(1). Estas estruturas são chamadas megalíticas, literalmente, “grandes pedras”, devido ao fato de que os blocos utilizados na sua construção tinham uma enorme dimensão em relação a blocos de construção que foram utilizados pelos  registros históricos – tão grandes e tão pesadas, de fato, que os engenheiros modernos ainda hoje não sabem como eles foram movidos e colocados em seus lugares com tanta precisão. A origem destas estruturas megalíticas, ainda permanece um mistério, elas parecem datar de uma época de um passado distante da humanidade que foi praticamente esquecido. Como explica Childress,

”A civilização de Osíris, segundo a tradição esotérica(incluido-se ai estudiosos illuminati-maçônicos,  citação do apocalink), era uma civilização avançada contemporânea de Atlantida. No mundo de cerca de 15.000 anos atrás, houve uma série civilizações altamente desenvolvidas e sofisticadas em nosso planeta, cada uma tendo um alto grau de tecnologia. Entre estas civilizações lendárias estava Atlântida, enquanto outra civilização altamente desenvolvida existia na Índia, esta civilização é muitas vezes chamada de Império Rama. O que é a teoria de um passado histórico muito diferente do que aprendemos na escola. É um passado com magníficas cidades, estradas antigas e rotas de comércio, portos atarefados e comerciantes aventureiros e marinheiros. Grande parte do mundo antigo foi civilizado, e áreas do mundo, como Índia antiga, China, Peru, México e Osiria foram prósperos centros comerciais com muitas cidades importantes. Muitas dessas cidades estão permanentemente perdidas para sempre, mas outras foram ou serão descobertas! Diz-se que na época de Atlântida e Rama, o Mediterrâneo era um grande e fértil vale, em vez de um mar como é hoje. O rio Nilo saia da África, e foi chamado o rio Styx. No entanto, em vez de fluir para o Mar Mediterrâneo, no delta do Nilo, no norte do Egito, continuava para o vale, e, em seguida, virava-se para o oeste a fluiru para uma série de lagos, ao sul da ilha de Creta. O rio fluiu entre Malta e Sicília, sul da Sardenha e, em seguida, para o Atlântico em Gibraltar (Colunas de Hércules). Este enorme vale fértil, junto com o Saara (então uma vasta planície fértil), era conhecido nos tempos antigos como a civilização de Osíris.(2)

A LENDA DE OSÍRIS

Osiris

O homônimo e fundador do império de Osíris era o deus egípcio Osiris . No panteão egípcio, Osíris era o filho dos deuses Nut , deusa do céu, e Geb , deus da Terra. Osiris era casado com Isis , com quem ele teve o deus com cabeça de falcão, Horus. Osiris também era irmão de Nepthys , deusa egípcia dos mortos, e Set , o deus egípcio do caos e da desordem.

O nome “Osiris” tem uma história interessante. O nome como o conhecemos hoje, é na verdade uma corrupção grega da palavra egípcia “Asar”, ou “usar”, que pode significar “a Força do Olho” ou “Aquele que vê o Trono”. Estas traduções são baseadas no fato de que o nome hieroglífico para Osiris inclui um trono e um olho, do mesmo modo que o hieróglifo para “Deus”, embora existam pelo menos 158 versões conhecidas do nome.(3)

Osíris era um deus incomum, com uma origem misteriosa, o exato significado do seu nome também ser uma fonte de controvérsia: “A partir dos textos hieroglíficos de todos os períodos da história dinástica do Egito, aprendemos que o deus dos mortos, por excelência, foi o deus a quem os egípcios chamavam por um nome que era comumente conhecido por nós como “Osiris”. A forma mais antiga e mais simples do nome está escrita, por meio de dois hieróglifos, o primeiro dos quais representa um “trono” e o outro um ” olho “, mas o significado exato está conectado à combinação das duas imagens por aqueles o usaram primeiramente para expressar o nome do deus, e o significado do nome na mente de quem inventou,  não pode ser descrito”.(4)

 Estátua de Osiris

 

Outros nomes:Usiris, Asar, Aser, Ausar, Ausir, Wesir, Usir, Usire ou Ausare. Filho(s):Hórus

Osiris era ao mesmo tempo um dos deuses mais populares de toda a região do Mediterrâneo, pois ele era visto como um grande “civilizador” da humanidade. Nos mitos, Osíris trouxe conhecimento e tecnologia para a humanidade, o que permitiu aos primeiros povos bárbaros o desenvolvimento da sua civilização.  Além disso, o fato acreditarem  que ele “venceu a morte”, fez sua história muito popular entre as aristocracias governantes, e mais tarde entre as pessoas de todas as classes, pois eles também queriam ser ressuscitados e viverem para sempre. Como McDevitt explica,

Osiris Hieróglifo

Acima, um fragmento de escrita hieroglífica mostrando uma variação do nome de Osíris.

Para os antigos egípcios, o principal objetivo para a escrita não era decorativa, e não foi originalmente planejada para uso literário ou comercial. Sua função mais importante era proporcionar um meio pelo qual certos conceitos ou eventos poderiam ser trazidos à existência. Os egípcios acreditavam , se compremeter a escrever algo, poderia  repetidamente ‘fazer acontecer’ isso por meio da magia. O Hieróglifo de Osíris, o olho sobre o trono, era geralmente acompanhada pelo hieróglifo de ”deus” para indicar divindade, é retratado com uma fábrica, qualificando Osíris no seu aspecto de fertilidade.

Fonte: ”The Cosmetic Fonte: ”The Cosmetic Hieroglyph” de Jeremy Lemmon.

 

Os mais antigos textos religiosos referem-se a Osíris como o grande deus dos mortos, e ao longo destes textos é assumido que o leitor do Apocalink vá entender que ele já possuía a forma humana e que viveu na terra.

 Como o primeiro filho de Geb, o rei original do Egito, Osíris herdou o trono quando Geb abdicou. Nesta época, os egípcios eram canibais bárbaros e não civilizados. Osiris viu isso e ficou muito perturbado. Por isso, ele saiu no meio do povo e ensinou-lhes o que comer, a arte da agricultura, a adoração dos deuses, e deu-lhes leis. Thoth ajudou de muitas maneiras, inventando artes, ensinando ciências e dando nomes às coisas. Osíris era o maior rei do Egito, que governou através da bondade e persuasão. Tendo civilizado Egito, Osíris viajou para outras terras, deixando Isis como regente, foi ensinar outros povos o que ele ensinou aos egípcios. Durante a ausência de Osíris, Isis estava preocupada com Seth de conspirou para ficar tanto com ela quanto com o trono do Egito. Pouco depois do retorno de Osíris ao Egito, no vigésimo oitavo ano do seu reinado, no décimo sétimo dia do mês de Hathor(final de setembro ou novembro), Seth e 72 conspiradores o assassinaram. Eles então jogaram no Nilo, com seu corpo divino dentro do caixão. Isis, com a ajuda de seus irmãos Néftis, Anúbis e Tot, magicamente localizaram o corpo de Osíris. Ao saber que corpo de seu irmão foi encontrado, Seth foi até ele e rasgou-o em catorze pedaços e os espalhou por todo o Egito. Isis mais uma vez encontrou todas as partes do seu corpo, exceto seu falo (ele foi  comido por um peixe do Nilo, agora amaldiçoado). Ela magicamente remontou Osiris e o ressuscitou por tempo suficiente para ser possuida por ele para que ela pudesse dar à luz ao novo rei Hórus. (5)

Fragmento de Livro dos Mortos onde se representa Osíris

 Osiris no Trono

Um fragmento do livro egípcio dos mortos , mostrando Osíris no trono, rodeado por Isis, Nepthys e Horus. Osiris foi considerado o juiz dos mortos, decidia quem passaria para a vida eterna ou sofreria a condenação eterna.

Isis e Néftis ajudavam neste julgamento.

Fonte da imagem: http://www.usu.edu/anthro/origins_of_writing/hieroglyph_aesthetics/”

 

Osíris foi o único entre os deuses do Egito em que os egípcios acreditavam que foi um antigo governante humano do Egito pré-dinástico que tinha morrido e tornou-se o governante dos mortos na vida após a morte. Além disso, acreditava-se que ele teria ressuscitado e voltava no final do dia para governar o mundo(6). Como resultado, os cultos funerários do Egito encenavam a história de Osiris em seus rituais para dar magicamente a vida eterna ao morto no outro mundo, e a esperança da ressurreição no final do dia. Osíris também assumiu os aspectos de um deus da natureza e da fertilidade, pois acreditava-se que ele era o poder por trás da fertilidade da terra, nas culturas que acreditavam na ressurreição dos mortos, assim como Osíris. Como Ward explica, “Lendário governante do Egito pré-dinástico e deus do submundo, Osíris simbolizava as forças criativas da natureza e da imortalidade da vida. Chamado o grande benfeitor da humanidade, ele trouxe para o povo o conhecimento da agricultura e da civilização. A adoração a Osíris, um dos grandes cultos do Egito antigo, gradualmente se espalhou por todo o mundo mediterrâneo e, junto com o de Isis e Horus, foi especialmente importante durante o Império Romano. “(7)

Freira

Nun , o deus das águas primordiais. 

Nun existia desde o princípio, e foi a fonte de onde os deuses egípcios saíram. Nun representa, provavelmente, as águas do grande dilúvio, que cobriu toda a Terra. O caixão no mito de Osíris pode representar a arca de Noé, e Osíris pode ser Ham, o ancestral dos egípcios (ou talvez um dos seus descendentes), que foi “ressuscitado” das águas depois que ele saiu da arca.

Fonte da imagem: http://www.egyptianmyths.net/nun.htm

 
 

 

A crença de “morrer e reviver como deus” foi popular em todo o mundo antigo teve suas raízes no Egito, na adoração do deus Osíris, o “grande arquiteto” da civilização humana, passou a ser o deus proeminente não só do Egito, mas famoso em todo o mundo Mediterrâneo, incluindo o antigo Oriente Próximo. Pode ser, no entanto, que o “Osiris” original não nasceu nos tempos históricos, mas no mundo antediluviano, e que a “ressurreição” de Osíris possa realmente ser uma descrição do retorno da antiga religião de mistério – o “mistério da iniqüidade “- do mundo antes do Dilúvio. A verdade foi encapsulada em mito, a história de Osíris pode ser realmente a história de um rei de verdade, que, algum tempo depois do dilúvio, havia começado a desvendar os segredos antigos destruídos no Dilúvio. Talvez o “caixão” de madeira do mito de Osíris fosse na verdade o que a Bíblia se refere como “arca de Noé”, e Osíris era na verdade Ham, o pai ancestral dos egípcios – ou talvez seu filho perverso Canaã, ou mesmo Amor , pai do amorreus.

Isso explicaria por que o deus mais antigo dos egípcios era Nun , que é descrito como o deus das águas primordiais, a partir do qual todos os outros deuses vieram sucessivamente. Nun, que foi descrito como um infinito mar calmo, pode representar o mundo que estava coberto com as águas a partir do qual seu ancestral antigo, Ham, foi “ressuscitado” através da arca. Mais tarde, quando os descendentes de Ham haviam se multiplicado, eles tentaram recriar o mundo como ele era antes do dilúvio, buscando ativamente a sabedoria antiga que havia sido perdida. E a partir desta pesquisa, o mito de Osíris nasceu – cheio de pistas de que foram os iniciados que pretendiam usar  estes segredos para ajudá-los a recuperar os antigos segredos do mundo antes do Dilúvio.

Childress acredita que a história de “morte nas mãos de Set e a divisão do corpo de Osíris em exatamente 14 partes poderia ter sido uma pista sobre o que aconteceu com o antigo império de Osiria como resultado do dilúvio:

“Há muitos temas importantes da lenda de Osíris, incluindo a ressurreição e a derrota do mal pelo bem, e talvez uma chave para a antiga civilização de Osíris. Foram os 14 pedaços de Osíris os 14 vestígios de terra inundada? “(8).

Embora o mundo antediluviano fosse destruído, partes dele permaneceram – 14 partes, de acordo com o mito. E uma compreensão destas “14 peças” podem ser as pistas necessárias para levar-nos a compreender tanto Osiris , o homem,  como Osíris o império.  Nesta série de quatro partes sobre Osiria antiga, vamos cobrir quatro grandes peças conhecidas do antigo quebra-cabeça, começando com Malta – casa das mais antigas estruturas megalíticas do mundo.

MALTA- CAPITAL DE OSÍRIA?

Hagar Qim, Malta

Hagar Qim, um dos mais espetaculares templos megalíticos em Malta e da vizinha ilha de Gozo. Hagar Qim, embora não seja o mais antiga, é uma das melhores estruturas de templo preservadas já encontradas nas ilhas, onde várias estátuas da famosa “senhora gorda” foram descobertas quando o local foi escavado por volta de 1850.

Fonte da imagem: Heritage Malta .

 
 

A ilha de Malta encontra-se no centro do Mar Mediterrâneo, a cerca de 80 km ao sul da Sicília. Malta, uma pequena ilha de apenas 14 quilômetros de comprimento por 8 km de largura, tem mais de uma dúzia de importantes sítios arqueológicos e uma história que remonta milhares de anos, tornando-se o país mais historicamente rico do planeta, por metro quadrado. Mais importante para o nosso estudo, as ruínas de Malta, localizadas no centro morto do nosso teórico Império Osiris, estão as mais antigas estruturas conhecidas feitas pelo homem na Terra. A localização de Malta, o número e o tamanho das estruturas megalíticas encontradas por toda a ilha, o nível de importância das estruturas , e a idade extrema das estruturas tornam Malta um candidato provável para a antiga capital do acora submerso Império Osírico.

Osiria

O ”Império” de Osíris na verdade era composto de uma série de nações aliadas, incluindo Atenas, Khemet (Egipto), e outras nações aludidas, mas não nomeadas por Platão. No mundo antes do dilúvio,  as partes mais profundas da bacia do Mediterrâneo era composta de solo fértil e extremamente rico, que deve ter produzido uma quantidade enorme de produtos. As partes mais profundas do que hoje é o Mediterrâneo foram, então, profundos  lagos de água doce que serviram de afluentes do rio Styx, que começou sua vida como o que agora é conhecido como o rio Nilo, e, em seguida, virou para oeste, passando entre a Sicília e Malta, depois para o sul da Sardenha, e depois através das Colunas de Hércules para formar a catarata de Hércules, dez cachoeiras com milhas de largura, que desaguavam no Atlântico.

Fonte da imagem adaptada: Università degli Studi di Pavia.

De acordo com Childress, o coração de Osíria era um vale fértil situado no que é hoje a bacia do Mediterrâneo. Este vale era marcado por uma série de grandes lagos que eram unidos pelo Rio Nilo, que na época não terminavam no Delta do Nilo, mas fluiam para o centro da exuberante bacia verde mediterrânica, indo para oeste e passando entre Malta e Sicília até que se tornava em  uma enorme catarata nos pilares de Hércules(9). Os templos como os de Malta foram construídos nos altos das colinas com vista para o imenso vale e seus lagos, servindo ambos como centros religiosos e políticos em uma solução pacífica, de cultura matriarcal . Como Childress  explica: “O que hoje chamam de ilhas de Malta, eram naqueles dias, distantes dos picos de montanhas ou terreno elevado, e por isso não é de admirar que estas ilhas são pontilhadas com nada menos do que nove restos pré-históricos”(10). Childress também argumenta que, devido à falta de separação entre os continentes agora causados ​​pela presença do Mar Mediterrâneo, Europa, África e Ásia tinham formado uma enorme massa de terra por onde flora e faunas cresciam e percorriam livremente: “Os continentes da Ásia , Europa e África formavam, naqueles dias, uma grande massa de terra. Este continente era coberto por vastas florestas e grandes manadas de elefantes, mastodontes e outros animais selvagens  ….  muros gigantescos foram construídos para manterem esses animais do lado de fora(11).  Assim, o tamanho maciço das paredes tinham um propósito prático, bem como religioso.

A catarata Antediluviano em Colunas de Hércules

A catarata de Hércules,  localizada entre as Colunas de Hércules. Glomar O Challenger, uma expedição que provou que partes da bacia do Mediterrâneo tinha sido deserto, acima do nível do mar. Com 10 milhas de largura, o canal entre o Mediterrâneo e o Atlântico, agora usado rotineiramente para transporte, uma vez teve uma cachoeira enorme que

drenada de Osiria , do rio Styx (agora “Nilo”), no Atlântico. Esta cachoeira foi revertida pelo Grande Dilúvio, e tornou-se um canal devido o tsunami que acompanhou o Grande Dilúvio e inundou as áreas  do Império Osírico. Este canal permanece até hoje como a principal fonte de água para o Mar Mediterrâneo, sem a, sem a qual ele secaria rapidamente.

Fonte da imagem:  National Geographic .

O GRANDE DILÚVIO


Este vasto vale, fértil, era pontuado por grandes lagos de água doce, que se assentavam no coração do Império Osíris foi, na fraca memória da história humana, em grande parte submerso por um súbito dilúvio catastrófico que mais condiz com o Grande Dilúvio mencionado na Bíblia. O notável autor Graham Hancock, que pesquisou exaustivamente a teoria de uma civilização antediluviana agora submersa, em seu clássico tratado, ”Underworld” , explica assim:

”Descrições de um dilúvio global assassino que inundou as terras habitadas do mundo, divulgou-se em todos os lugares, entre os mitos da antiguidade. Em muitos casos, esses mitos sugerem claramente que o dilúvio varreu uma civilização avançada que, de alguma forma provocou a ira dos deuses, não poupando “somente o analfabeto e sem cultura“(Noé e sua família – grifo do Apocaink) e obrigando-os sobreviventes a “começarem de novo como crianças na mais completa ignorância do que aconteceu…nos primeiros tempos. “Essas histórias aparecem na Índia védica, na América pré-colombiana, no antigo Egito. Eles foram informados pelos sumérios, babilônios, gregos, árabes e judeus. Eles foram repetidas na China e sudeste da Ásia, na pré-história do norte da Europa e em todo o Pacífico. Quase universalmente, onde as tradições verdadeiramente antigas foram preservadas, mesmo entre os povos nômades do deserto e montanha, vívidas descrições foram passadas desta inundação global, em que a maioria da humanidade pereceu.(12)

 

Este “Grande Dilúvio”, que varreu toda a Terra foi acompanhado por mega tsunami que inundou até mesmo os altos de Osiria, jogando até as pedras maciças de seus templos megalíticos ao redor como palitos de fósforo. Não há prova definitiva de que uma ou mais ondas maciças tinha levado as ilhas de Malta, nos tempos antigos, varrendo tudo totalmente, os objetos mais pesados, foram seriamente danificados ou destruido até mesmo os grandes templos megalíticos antediluvianos de Osiria no processo. Foi esta torrente de água que alguns acreditam que Noé viveu, aconteceu com Osiria.  Childress, explica:

Seções medindo milhares de quilômetros cúbicos de água atingiram a Terra na parte entre Pantelleria e Gibraltar, enquanto outros grandes seções bateram entre Malta e Palestina e pequenas seções apenas centenas de quilômetros cúbicos atingiram o Rhone Superior. O efeito desse golpe foi varreu o Mediterrâneo, pois a água tinha um movimento fantástico de oeste para leste, que afundou todos os navios no oceano e teria inundado o de Noé, mas o navio dele foi construído a alguns milhares de metros acima nível do mar….Toda essa destruição causada por uma onda colossal correndo de oeste para leste foram documentadas na Idade da Pedra, nas ruínas megalíticas de Hagar Qim. Quando se examina de perto estas ruínas, se vê facilmente que o muro voltado diretamente para o oeste foi completamente destruído. Esta parede, que teve de suportar o peso dessa onda gigantesca, seguido pela pressão da água em seu rastro não poderia resistir ao ataque, não importa quão grande tenha sido. De acordo com as outras paredes exteriores restantes deve ter sido muito grande. Enormes blocos de pedra da parede ocidental foram arrancados de sua posição original e amontoados em uma pilha de cerca de dez metros de distância em direção ao leste, como se fossem caixas de madeira e não blocos de pedra de quase um metro e  cerca de 3 metros e altura …. Certamente, nenhum tremor de terra ou vento forte poderia lançar essas pedras pesadas a essa distância e todas na mesma direção … apenas uma gigantesca onda de água do oeste poderia explicar , de modo razoável, esses movimentos.(13)

 

Mesmo os altos de Osiria sobre os picos das montanhas não foram poupados das águas do Dilúvio, embora suas ruínas destroçadas permaneçam até hoje para nos mostrar que houve de fato um mundo antes do dilúvio, um mundo que era megalítica em estatura. Embora houvesse provavelmente numerosas estruturas megalíticas de menor importância na Osiria antiga, os mais importante estavam situadas no topo dos picos mais altos. E uma vez que Malta não é apenas um dos picos mais altos que sobreviveram à inundação, mas também aquele com a mais densa quantidade de artefatos arqueológicos, é lógico que era o centro político e religioso mais importante de seu tempo.

Eu digo religioso e político, pois religião e a política na época não eram separados. Em nosso passado antigo, os deuses do Estado também foram os governantes do estado e seus sacerdócios governavam suas terras para eles. Além disso, como numerosos achados arqueológicos antigos acompanha por toda a ilha atestam, Malta foi, provavelmente, também a capital econômica de Osiria, como a maioria das enormes quantidades de produtos trazidos para sacrifícios à deusa foram vendidos para a população com muito lucro. Além disso, as sacerdotisas provavelmente tinham que ”batizar ” novas crianças, bem como realizar casamentos e funerais e outras funções sociais tipicamente realizadas por líderes religiosos na sociedade, fazendo com que o antiga Malta fosse também a capital social. Assim, a Malta antediluviana foi provavelmente o centro religioso, social, econômico e político do Império Osíris.

A "senhora gorda" de Malta

A “senhora gorda” ou “Venus de Malta”, apareceu em muitas formas, todas grosseiramente obesas, indicando uma pessoa de imensas proporções. Alguns argumentaram que a senhora gorda é realmente um ser andrógino, ressaltando que não há características sexuais específicas, enquanto existem outros  exemplos da senhora gorda, onde as características sexuais estão presentes. Ainda outros acreditam que a senhora gorda foi concebido para representar a terra fértil, abundante e identidade sexual não era um problema. No entanto, a maioria tende para a idéia de que a “senhora gorda” estava no centro de uma cultura matriarcal antiga, e foi a progenitora do conceito do que hoje chamamos de “Mãe Terra”.

Fonte da imagem:  Fundação OTS .

 

A nossa busca pelas 14 partes perdidas de Osíris começou, então, em Malta. Mas em que parte de Malta? Existem inúmeros sítios arqueológicos em toda a ilha. No entanto, o maior e provavelmente mais conhecidos ruínas são os de Hagar Qim , que também é o mais bem preservado. Hagar Qim , a iluminada, suas “pedras eretas”, são compostas de várias câmaras, incluindo uma “sala de oráculo”, e vários altares. Foi lá que os arqueólogos do século XIX encontraram as agora famosas estátuas “senhoras gordas”, uma figura antiga da fertilidade mais comumente conhecida como “a Vênus de Malta”. Com base nesta e outras descobertas sobre a natureza religiosa do monumento, acredita-se que Malta ficava no centro de uma antiga civilização matriarcal que adoravam uma deusa mãe.

Hagar Qim e as outras estruturas eram de fato templos onde esta deusa-mãe – que era essencialmente uma personificação da fertilidade da terra – era adorada. Além disso, a ainda visíveis as inúmeras trilhas antigas criadas por inúmeros carros que cruzaram toda a ilha, alguns dos quais cerca de dois metros de profundidade. A quantidade de pistas na ilha deixa claro que os templos uma vez que estava no centro de um vasto império agrário – muito maior do que a atual ilha de Malta. Os inúmeros buracos apontam para grandes quantidades de produtos a serem descarregados para as regiões vizinhas, o que faz sentido, pois o templo, nos tempos antigos era, além de ser o centro da crença religiosa, também o centro de comércio. Curiosamente, as faixas não terminam na borda das falésias com vista para muitas praias de Malta, mas continuam por alguma distância do oceano circundante, provando que, no momento em que os templos de Malta estavam em uso, o nível do mar era significativamente mais baixo – ou, como já vimos, inexistente nesta região.

 
 

Ggantija Temple, Malta

O Templo Gigantija, visto de cima. Gigantija foi nomeado assim como as lendas que cercam o templo, disse que as pedras eram tão enorme, as paredes tão altas, e o complexo tão grande, que só poderia ter sido construído por gigantes. Observe as paredes curvas, imitando as amplas curvas da “senhora gorda”.

Fonte da imagem: Fundação OTS .

 

Apesar de Hagar Qim ser talvez o mais famoso e bem preservado dos monumentos, o maior e mais antigo pode realmente ser Ggantija na vizinha ilha de Gozo. Ggantija , a iluminada. “, pertencente aos gigantes”, foi assim chamada pelos maltêses porque eles acreditavam que as enormes pedras megalíticas utilizados para construir o monumento só poderiam ter sido levantadas por gigantes. Algumas das paredes são de até 18 metros de altura, e muito grossas, além de conter nichos e santuários que tornam claro que Ggantija, como Hagar Qim também já foi um templo. Curiosamente, os malteses têm uma tradição de gigantes nas ilhas, especialmente em Gozo. Uma história, ” The Giantess of Qala “, fala sobre uma mulher gigante que viveu na ilha de Gozo que foi capaz de levantar e transportar pedras muito pesadas. A história parece descrever a forma como alguns dos monumentos foram construídos, mas a história pode ser simplesmente uma invenção criada por ilhéus imaginativos para explicar as gigantes estátuas da “senhora gorda” e as enormes rochas que estão literalmente por toda a ilha. No entanto, como vimos na edição da nossa série ”Gigantes na Terra” , os gigantes foram considerados uma realidade histórica, não só pela Bíblia, mas inúmeras outras tradições relacionadas. Se assim for, as histórias sobre gigantes na construção destas estruturas antigas pode ser verdade. Estes antigos mestres construtores podem ter deixado a sua marca em todo o mundo antigo, e Osíris pode ter sido o maior desses antigos “valentes” da antiguidade.

Esta antiga cultura, no entanto, teve um fim repentino e violento, como evidenciado pelo fato de que muitas dessas pedras enormes foram arrancadas e jogadas a dezenas de metros – um feito que exigiria forças de incrível magnitude. Isso foi causado pelo Grande Dilúvio mencionado na Bíblia e em numerosas lendas em todo o mundo, incluindo a antiga Athenas. Vejamos agora sobre o relato de Platão da antiga Athenas , e seu papel antediluviano na”guerra para acabar com todas as guerras” que se alastrarou até o tempo em que as águas do Dilúvio cobriram toda a Terra.

 

O IMPÉRIO ATHENIENSE

 

Atena

Na Parte I da nossa série sobre ”Atlantida”, discutimos sobre Platão, e Timeu e Crítias , poemas gregos antigos que contêm a famosa história da guerra entre Atlântida e Athenas antiga. Estes poemas, criados em torno de 600 aC, relatam a história de como Solon, um importante funcionário do governo de Atenas, tinha visitado o Egito, com o objetivo de iniciar um intercâmbio cultural entre os dois povos. Para sua surpresa, Solon aprendeu com um sacerdote egípcio que os egípcios e os atenienses eram um só povo, mas que tinham sido fisicamente separados por uma grande inundação que destruiu tudo, mas um punhado dos atenienses, rompeu a barreira entre eles, através, aparentemente, de um recém-formado “Mar Mediterrâneo”. Esta inundação tinha deixado o Egito relativamente incólume, no entanto, ao passo que a cultura grega ateniense tinha sido destruída e seu conhecimento acumulado perdido, a cultura egípcia tinha permanecido intacta de alguma forma,  o suficiente para que a tradição do histórica do Grande Dilúvio não fosse esquecida.

Crítias contém informações semelhantes às do Timeu  sobre a guerra entre Atenas antiga e Atlantida, mas inclui mais detalhes sobre Atenas, a cerca de suas terras e de seu povo, incluindo o fato de que Atenas e Grécia costumava ocupar uma área muito maior antes de uma série de inundações destruir grande parte das terras e afundá–las no Mediterrâneo. No entanto, apesar de Atenas existir como uma nação poderosa em torno de 600 aC, ela realmente teve a sua origem bem antes disso, por volta de 10.000 aC, ou mesmo antes. Isso ocorre porque a história transmitida em Timeu e Crítias não foi realmente definida durante o tempo de Sólon, mas cerca de 9.000 anos antes desta época  – cerca de 9600 aC, perto do final da última Era Glacial. Foi o momento em que os deuses(os mesmos Vigilantes, Sentinelas, Guardiões ou Anjos decáidos, os Ets dos dias atuais) estavam na Terra, criavam e orientavam as várias raças da humanidade que havia sido atribuídas a eles, preparando-os para uma batalha final que decidiria quem iria governar a Terra. E os deuses do Olimpo da Grécia, a Athena e seu meio-irmão Hefesto, receberam os atenienses. Eis alguns trechos:

Nos dias da era dos deuses, eles tinham toda a terra distribuída entre eles por loteamento …. Todos eles por apenas rateio obtinham o que queriam, e povoaram seus próprios distritos, e quando eles tinham povoado, tinham cuidados,  e posses, como pastores cuidando de seus rebanhos, excetuando-se apenas que não usavam golpes ou força corporal , como pastores fazem, mas governavam como pilotos da popa do navio, que é uma maneira fácil de guiar os animais, mantendo as nossas almas pelo leme da persuasão de acordo com seu próprio prazer; portanto, guiam todas as criaturas mortais. Agora deuses diferentes tiveram seus lotes em diferentes lugares para pô-los em ordem. Hefesto e Atena, que eram irmão e irmã, e surgiram a partir do mesmo pai, tendo uma natureza comum, e estavam unidos também no amor da filosofia e arte, ambos obtiveram em sua porção comum nesta terra, que foi, naturalmente, orientada na sabedoria e virtude, e ali colocaram filhos bravos da terra, e colocaram em suas mentes a fim de governarem, seus nomes são preservados, mas suas ações desapareceram por causa da destruição do que eles receberam por tradição, e o lapso das eras.(14)

 

Os deuses dos atenienses eram Hefesto , o deus do fogo, artesanato e da forja, e Atena , deusa da guerra, bem como das cidades, artesanato e agricultura. Há paralelos interessantes entre os mitos dos gregos e os mitos dos egípcios, particularmente o mito de Osíris. Horus, filho de Ísis e Osíris era, como Hefesto, que nasceu com as pernas atrofiadas. Existe outro interessante paralelo religioso  grego / egípcio entre o nascimento de Athena e o nascimento dos deuses egípcios Shu e Tefnut , onde todos nasceram diretamente de um deus masculino, Athena de Zeus e Shu e Tefnut de Ptah , nenhuma mulher estava envolvida no nascimento de qualquer um destes. Isto poderia dar apoio à opinião de que o Deus/Deusa de Malta era realmente andrógino, um ser humano auto-concluído(O APOCALINK O CHAMA DE AUTO EVOLUTOR) – capaz de auto-reprodução – que alguns têm argumentado que era a verdadeira divindade de Malta e, por extensão, da Osiria antiga? Athena, tendo sua virgindade sendo um de seus principais atributos, apresenta características de ambos os sexos, o que pode apontar para o fato de que Osiria antiga não era só matriarcal na natureza, mas andrógina.

Atenas, de acordo com os sacerdotes egípcios já foi uma área muito maior, mas foi muito reduzida a seu tamanho atual depois uma série de inundações, alguns dos quais podem ter ocorrido em épocas históricas.

Em relação ao país, os sacerdotes egípcios, disse que não é apenas provável, mas manifestamente verdade, que as fronteiras eram naqueles dias fixados pelo istmo, e que, na direção do continente que se estendia até as alturas do Citéron e Parnes, o limite descia na direção do mar, tendo o distrito de Oropus à direita, e com o rio Asopus como o limite à esquerda. A terra era a melhor do mundo, e foi, portanto, capaz de naqueles dias apoiar um vasto exército.  Mesmo o remanescente de Attica que agora existe pode comparar com qualquer outra região do mundo pela variedade e excelência de seus frutos e a idoneidade de seus pastos para cada espécie de animal, o que comprova o que estou dizendo, mas naquela época o país era justo como agora e produzia com muito abundancia. Como devo estabelecer minhas palavras? e que parte do que pode ser realmente chamado de um remanescente da terra que era então? O país inteiro é apenas um longo promontório que se estende para o mar longe do resto do continente, enquanto a bacia torno do mar está em toda parte no fundo do bairro da costa. Muitos grandes dilúvios aconteceram durante os nove mil anos, pois esse é o número de anos que se passaram desde o tempo que eu estou falando, e durante todo esse tempo e por tantas mudanças, nunca houve qualquer acumulação considerável no solo descendo das montanhas, como em outros lugares, mas a terra tem caído todo e afundada. A consequência é que, em comparação do que era então,  podem ser chamadas, como no caso das pequenas ilhas, todas as partes mais ricas e mais suaves do solo tem caído. Mas, no estado primitivo do país, suas montanhas eram elevadas colinas cobertas com o solo, e as planícies, como são chamados por nós, de Phelleus estavam cheias de terra rica, e havia abundância de madeira nas montanhas.(15)

 

Nesta vasta, rica e fértil planície não estava apoiada em rocha sólida, por isso, quando vieram as enchentes, a terra foi lavada, e só aquela terra que estava em cima de alicerces sólidos e áreas montanhosas foi impedido de correr para o mar. O sacerdote egípcio lembrou o fato de que vários grandes dilúvios haviam ocorrido antes e depois do Grande Dilúvio, que veio 9000 anos antes, bem como outros cataclismos de origem misteriosa, os quais coletivamente mantiveram os atenienses continuamente lutando para sobreviver.

”Houve, e haverá, novamente, muitas destruições na humanidade decorrentes de muitas causas, as maiores podem ter sido provocadas pelas ação do fogo e da água, e  por inúmeras outras causas. Há uma história,  preservada, sobre quem foi Phaeton … que  montou no carro de seu pai, e porque ele não foi capaz de conduzi-la no caminho determinado por seu pai, queimou tudo o que havia sobre a terra, e ele próprio foi destruído por um raio. Agora, isso é tido como um mito, mas na verdade significa uma declinação dos corpos celestes  em movimento nos céus e ao redor da Terra, e uma grande conflagração de coisas sobre a terra, que se repetem depois de longos intervalos, às vezes essas pessoas que vivem nas montanhas e em lugares secos e elevados são mais passíveis de serem atingidas do que aqueles que habitam perto dos rios ou dos mares… a partir da cheia do Nilo, do nosso salvador que nunca falha, que nos entrega e nos preserva”.

O Mito de Phaeton:
Na mitologia grega , Phaeton ou Phaethon ( / f eɪ . ə t ən / ou / f eɪ . ə θ ən / ; grego antigo : Φαέθων “brilhante”) era o filho de Hélios e da Oceanid Climene . Suplentes, genealogias menos comuns torná-no um filho de Clymenus por Merope [ 1 ] , de Hélios e Rhode(portanto, um irmão inteiro do Heliadae ) [ 2 ] ou de Hélios e Prote [ 3 ] .jogar 
Talvez a mais famosa versão do mito nos é dada através de Ovídio em suas Metamorfoses (Livro II). Phaeton busca a garantia de que sua mãe, Climene , está dizendo a verdade que seu pai é o deus-sol Helios (como o marido é Merops , um rei mortal). Quando Phaeton obtém promessa de seu pai para dirigir o carro sol como prova, ele não consegue controlá-lo e que a Terra está em perigo de queimar-se quando Phaeton é morto por um raio de Zeus para evitar novo desastre.
O nome “Phaeton”, que significa “brilhante”, também é um epíteto de Eósforo , a estrela da manhãVenus . [ 4 ] [ esclarecimentos necessários ]
Phaethon é também o nome de outra divindade menor grega, o deus das estrelas errantes Dios (o planeta Júpiter ).

 Fonte:Wikipédia

Curiosamente, o sacerdote realmente explicou em termos simples que o mito Phaeton foi feito para simbolizar eventos astronômicos reais que ocorreram no passado antigo da Terra.

Em algum momento na história comum de ambos os povos, a Terra sofreu um cataclismo causado  por  fogo vindo do céu. O detalhe mais importante nesta história, no entanto, como o sacerdote estava prestes a explicar, houve destruição não só pelo fogo, bem como pela  água:

”Quando, por outro lado, os deuses expurgaram a terra com um dilúvio de água, os sobreviventes foram os pastores(Familia de Noé) , que habitavam nas montanhas, mas aqueles que, como você, que vivem em cidades serão arrastados pelos rios até o mar. Considerando que, nesta terra, até então,  vem a água de cima para baixo nos campos, tendo sempre a tendência de vir de baixo para cima, esta é razão pela qual as tradições aqui preservadas  são as mais antigas. O fato é que onde quer haja geada extrema do inverno ou do verão, isso não impede que, a humanidade exista, às vezes maior, às vezes em menor número. E o que aconteceu, quer no seu país ou no nosso, ou em qualquer outra região da qual fomos informados – se houvesse quaisquer grande acontecimento ou de qualquer outra forma notável, todas elas foram escritas por nós desde a antiguidade, e estão preservadas em nossos templos.” (16)

 

Antes do Dilúvio, no entanto, os atenienses eram conhecidos por serem os melhores guerreiros do mundo, tendo provado em combate contra os poderosos exércitos atlantes que tinham ameaçado escravizar a Europa, África, Ásia, e “todos os que habitavam entre os pilares” :

 Considerando apenas quando vocês e outras nações que estão começando a serem informados pelas letras e os outros requisitos da vida civilizada, que após o habitual intervalo, o fluxo do céu, como uma peste, vem caindo, e deixado apenas aqueles que são destituídos de letras e educação, e então você tem que começar tudo de novo como crianças, e não sabem nada do que aconteceu nos tempos antigos, tanto entre nós ou entre vós.  Quanto as genealogias de vocês que  você vê, só agora foram contadas a nós, Solon, eles não são melhores que os contos de crianças. Em primeiro lugar você se lembra de um dilúvio único, embora tenha havidos muitos outras grandes inundações anteriores, em outros lugares, vocês não sabem que ocorreu anteriormente, mas  habitou na sua terra a raça mais bela e mais nobre dos homens que já viveram, e que você e sua cidade inteira são descendentes de uma pequena semente ou remanescente dos que sobreviveram. E estes eram desconhecidos para você, porque, após muitas gerações, os sobreviventes desta destruição morreram, não deixando palavra escrita. Por que houve um tempo, Solon, antes do grande dilúvio total, quando a cidade que agora é conhecida como Atenas foi a maior na guerra e em todos os sentidos , e a melhor governada de todas as cidades,  realizando os mais nobres obras, que teve a mais justa constituição de qualquer outra que a tradição diga, sob a face do céu. (Grifo nosso) ”.(17)

A GUERRA ANTEDILUVIANA

 

Como foi relatado na Bíblia, pouco antes do Grande Dilúvio, a Terra estava”cheia de violência”, ou seja, toda a Terra estava em guerra. Como vimos na Parte II da nossa série ”Atlantida”, e na Parte I de ”Gigantes na Terra”, os antigos gigantes Nephilim estavam envolvidos em uma guerra mundial maciça uns contra os outros para ver quem iria governar o mundo. Uma vez que ambos os atlantes e os atenienses foram especialmente criados por deuses(Anjos decaídos) que tinham “descido do céu”, a fim de governarem sobre os homens em seus distritos, e ambos Atlas e Athena eram divindades guerreiras, dando a seus povos, os presentes da tecnologia e os ensinou como fazerem guerra, é lógico que esses dois povos, inevitavelmente, entraram em conflito uns com os outros. Também é provável que o fato de que os atlantes e os atenienses tinham sido geneticamente modificados por seus respectivos deuses para que eles pudessem ser mais eficaz na guerra, o que significava dizer que eles foram feitos maiores, mais fortes e mais ferozes(gigantes). No caso dos gigantes de Atenas/ Osíria, parece que pelo menos alguns eram andróginos em sua natureza, como é evidenciado pela Athena e a “Venus de Malta”, ambos os quais eram gigantescas em estatura. Esta foi uma guerra de aniquilação, uma guerra para ver quem iria governar o mundo, para sempre:

Muitos grandes e maravilhosas obras são registradas de seus estados em nossas histórias. Mas uma deles supera todo o resto em grandeza e valor. Por essas histórias falam de um grande poder que de forma não provocada, fez uma expedição contra toda a Europa e Ásia, e para por um fim em suas cidades . Este poder saiu do Oceano Atlântico, pois naqueles dias o Atlântico era navegável e havia uma ilha situada em frente aos estreitos que são, por que você chamou os Pilares de Hércules, a ilha era maior que a Líbia e a Ásia juntas e era o caminho para outras ilhas, e por estes pôde passar para todo o continente oposto que cercava o verdadeiro oceano, por esse mar que está dentro do estreito de Hércules, esta apenas um porto, com uma entrada estreita,  é um verdadeiro mar e a terra circundante pode ser mais verdadeiramente chamado de um continente sem fronteiras. Agora nesta ilha de Atlântida havia um grande e maravilhoso império que governou em toda a ilha e vários outros, e mais partes do continente, e, além disso, os homens da Atlântida dominaram as partes da Líbia dentro das colunas de Hércules tanto quanto o Egito, e da Europa, tanto quanto Tyrrhenia. Este vasto poder, reunidos em um só, esforçou-se para subjugar a um golpe nosso país e o seu e de toda a região dentro do estreito, e então, Sólon, seu país brilhou, na excelência da sua virtude e força, entre toda a humanidade . Ela foi preeminente na coragem e habilidade militar, e era o líder dos Helenos. E quando o resto dela caiu, sendo obrigada a ficar sozinha, após ter sido submetido ao perigo extremo, derrotou e triunfou sobre os invasores, e preservou da escravidão aqueles que ainda não tinham sido subjugados, e generosamente libertou todo o resto nós que habitamos dentro dos pilares. Mas depois ocorreram ali violentos terremotos e inundações e num único dia e noite de infortúnio, todos os seus guerreiros como um só corpo afundaram na terra e a ilha de Atlântida, desapareceu nas profundezas do mar. (18)

Os atenienses tinham repelido com sucesso o ataque atlante sobre Osiria, embora o resto de seus aliados, que viviam na região – os proto-egípcios e os demais povos antediluvianos – houvessem fracassado. Mesmo escapando da escravidão dos atlantes, no entanto, foram destruídos por uma enorme enchente que destruiu os pilares e inundou toda a bacia mediterrânica, e possivelmente mais. Tudo o que resta hoje é um punhado de vestígios megalíticos, com mais mistérios sob a superfície, esperando para serem encontrados pela próxima geração de intrépidos exploradores.

Torne-se parte da lenda! Envie-nos seus achados e ajude-nos na busca pelas as 14 peças perdidas de Osiris, e você pode ter sua história publicada nos próximos artigos do http://apocalink.com.br(5 milhões de visitantes)

NOTAS:

 1-David Hatcher Childress, Lost Cities of Atlantis, Ancient Europe & the Mediterranean(Stelle, IL: Adventures Unlimited Press, 1996), 30.

2-Childress, Lost Cities of Atlantis, Ancient Europe & the Mediterranean, 27. 3-April McDevitt, “OSIRIS (Asar, Wesir, Ausar, Unnefer)” (Ancient Egypt: The Mythology: http://www.egyptianmyths.net).  A palavra “Egito” é na verdade também uma corrupção grega – os egípcios na verdade se referem a si mesmos como sendo da terra do “Khemet”. Isto é confirmado pela Bíblia, como este nome é muito parecido com o nome de Cão, filho de Noé, a quem os egípcios teriam descendido.

4-TourEgypt.net, “Osiris, Asar” (TourEgypt.net: http://www.touregypt.net).

5-April McDevitt, “OSIRIS (Asar, Wesir, Ausar, Unnefer)” (Ancient Egypt: The Mythology: http://www.egyptianmyths.net).

6-McDevitt, “The Story of Isis and Osiris” (Ancient Egypt: The Mythology:http://www.egyptianmyths.net).

7-Mike Ward and Chris Ward, “Osiris” (University of Colorado: Social Science Data Lab:http://sobek.colorado.edu/LAB/GODS/index.html).

8-Childress, Lost Cities of Atlantis, Ancient Europe & the Mediterranean, 29. 9-Samuel W. Matthews, “This Changing Earth”, National Geographic Vol. 143, No. 1, (January 1973): 20-21. Cf. also Kenneth J. Hsu, The Mediterranean Was a Desert: A Voyage of the Glomar Challenger (Princeton: Princeton University Press, 1983).

10,11- Childress, Lost Cities of Atlantis, Ancient Europe & the Mediterranean, 205.

12-Graham Hancock, Underworld (New York: Crown Publishers, 2002), 20.

13-Childress, Lost Cities of Atlantis, Ancient Europe & the Mediterranean, 206.

14-Plato, “Critias: Page 2“, (The Active Mind: http://www.activemind.com).
15-Plato, “Critias: Page 3“, (The Active Mind: http://www.activemind.com).
16-Plato, “Timaeus: Page 2“, (The Active Mind: http://www.activemind.com).

17- Plato, “Timaeus: Page 2“, (The Active Mind: http://www.activemind.com).
18-Plato, “Timaeus: Page 2“, (The Active Mind: http://www.activemind.com).

 

LINKS SOBRE OSÍRIA

 Plato: Timaeus & Critias
 University of Iowa: Briefing on Lost Continents
 Washington State University: The Athenian Empire
 Heritage Malta

MALTA

 Malta’s Prediluvian Culture at the Stone-Age Temples
 MaltaVista
 The Megalithic Temples of Malta
 The Megalithic Temples of Malta: Map
 Mysterious Malta
 The Planning and Layout of the Maltese Neolithic Temples
 OTS Foundation: The Temples of Malta
 Hagar Qim Temples
 The Megalithic Temples of the Maltese Islands: Hagar Qim Temple
 Ggantija Temple
 Edrichton.com: The Neolithic Temples of Malta
 Discovering the Ancient Mother in Malta
 Hospitallers of St. John of Jerusalem
 World Atlas: Malta
 OTS Foundation: Visiting Malta
 Lonely Planet: Malta
 Sydney Morning Herald: Malta
 EuroTravelling.net: Malta
 VisitMalta.com
 VisitMalta.com: How to Get There
 Malta Direct Travel
 Maltours
 SelectMalta.com
 Pilgrim Tours: Malta
 Goddess Tours to Malta
 0800 Malta
 Budget Travel: Malta
 Columbus World Travel Guide: Malta
 Travel Malta
 Dream Malta
 Le Meridien Phoenicia
 U.S. State Dept.: Malta Travel Info
 Malta Tourist Photos
 maltaNET Internet Services
 Kinnie – Malta’s Own Favorite Soft Drink

CRETA

 The Lost City of Atlantis: The Island of Thera

CARIMBO

Comente com seu facebook

Comentário

Veja também

SÉRIE OSÍRIA : A BESTA QUE SURGE DO MAR – Capitulo V[FINAL]

O EGITO ANTEDILUVIANO – Capítulo II OSÍRIA : NIMROD, PODEROSO CAÇADOR – Capitulo III OSÍRIA …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *